Com a decisão do COPOM (Comitê de Política Monetária) de elevar a Taxa Selic de 6,25% ao ano para 7,75% a.a., o mercado de ações deve ser impactado.

A medida oficializada pelo Banco Central do Brasil (BC) na última quarta-feira (27) é uma estratégia para tentar “esfriar a economia”, com o objetivo de conter a alta da inflação.

No mercado financeiro, a elevação da taxa básica de juros faz com que investidores se questionem sobre como proteger seus investimentos na bolsa de valores.

Por isso, é importante saber como você pode diversificar suas ações e, ao mesmo tempo, se beneficiar da alta da Selic através da bolsa brasileira (B3).

Então, você está pronto para conhecer 14 ações que se beneficiam com a elevação da taxa de juros?

Leia até o final para entender como alguns setores econômicos são favorecidos pelo ciclo de alta da Taxa Selic e onde você deve investir nesse período.

Ações que Ganham com Alta da Selic

Com o sexto aumento seguido da Taxa Selic neste ano, os investidores devem estar atentos às companhias que lucram mais com alta dos juros, principalmente os bancos e seguradoras.

Confira abaixo 14 empresas da bolsa de valores brasileira que ganham vantagem no cenário de alta da Taxa Selic a 7,75%.

#AçõesEmpresasSegmento
1ABCB4ABC BrasilBanco
2BBAS3Banco do BrasilBanco
3BBDC4BradescoBanco
4BMGB4Banco BMGBanco
5BPAC11BTG PactualBanco
6BPAN4Banco PanBanco
7BRSR6BanrisulBanco
8ITUB4ItaúBanco
9SANB11SantanderBanco
10ITSA4ItaúsaHolding
11BBSE3BB SeguridadeSeguradora
12CXSE3Caixa SeguridadeSeguradora
13PSSA3Porto SeguroSeguradora
14SULA11Sul AméricaSeguradora

** Foram selecionadas apenas ações com volume médio diário acima de R$ 1 milhão.

Setores que Ganham com Alta dos Juros

Mesmo conhecendo as ações que mais ganham com a alta da Taxa Selic, é importante entender como os setores se beneficiam com a elevação da taxa de juros.

Como dito antes, as companhias que mais se favorecem da alta de juros através dos seus lucros são os bancos e as seguradoras.

Bancos e a Selic

Os bancos são beneficiados por poderem cobrar taxas de juros mais altas nos empréstimos que oferecem, consequentemente, aumentando a margem de lucro através do valor a ser recebido dos devedores.

A alta da margem de lucro dos bancos neste contexto é maior pois as taxas dos empréstimos são superiores às taxas de juros pagas pelos bancos aos depositantes. 

Bancos emitem uma variedade de empréstimos, que são oferecidos a taxas de juros mais altas do que as pagas nos depósitos (como certificados de depósito) que recebem, guiados pela Selic, 

Essa diferença entre o valor pago pelo tomador do empréstimo com as taxas de juros cobradas e a taxa que o banco paga pelos depósitos é chamada de spread bancário.

Por isso, a alta da Taxa Selic reflete diretamente no aumento do spread bancário.

A alta da Taxa Selic também representa alta do nível de risco na concessão de empréstimos, o que implica naturalmente em um prêmio maior para remunerar as instituições credoras.

Então, neste momento, os bancos se beneficiam de um ciclo de alta da taxa básica de juros.

Seguradoras e a Selic

Já o segmento das seguradoras se beneficia da alta da Taxa Selic através do rendimento das suas aplicações no mercado financeiro.

Isso acontece porque essas companhias possuem rendimentos de caixa e de aplicações financeiras atrelados, principalmente, à renda fixa, orientada diretamente pela taxa básica de juros do país.

Impactos Negativos da Selic

Vale lembrar que, assim como na alta das taxas, o setor financeiro também foi impactado pela redução de spreads quando a taxa de juros encontrava-se nas mínimas históricas.

Isso ocorre naturalmente porque os juros baixos propiciam maior oferta de crédito e mais competitividade para o setor de instituições financeiras.

Por outro lado, no momento atual, é o setor de varejo que é impactado negativamente com a alta da Selic.

Os juros mais altos implicam em aumento das despesas dos indivíduos com crédito, aumentando o endividamento e reduzindo a renda disponível para realizar outros gastos.

E é exatamente esse o resultado esperado pelo Banco Central quando se fala em “esfriar a economia” para controlar os preços ao consumidor (IPCA)

Além das varejistas, as empresas que dependem de financiamento, como no setor de construção civil, tendem a ser prejudicadas pela elevação dos juros a 7,75%.

→Como Investir no Cenário Econômco Atual? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização no Brasil.

Empresas Beneficiadas pela Alta da Taxa Selic

Agora que você já entendeu como a Taxa Selic reflete diretamente nos setores econômicos, conheça algumas das empresas que se beneficiam com a alta da taxa básica de juros.

Itaúsa (ITSA4)

Segmento: Holding

A Itaúsa (ITSA4) é um dos maiores grupos privados do país, e uma das maiores empresas de capital aberto do mundo.

Por ter 91% dos seus investimentos no setor financeiro, a Ita´´usa está entre as empresas beneficiadas pela alta da Selic.

A companhia é uma holding de investimentos que atua na área financeira e industrial, além de manter participações em instituições com caráter social.

As ações da Itaúsa integram diversos índices de sustentabilidade no Brasil e no exterior, sendo também referência quando se trata de sustentabilidade.

Já os resultados da Itaúsa no segundo trimestre (2T21) apresentaram lucro líquido de R$ 3,5 bilhões, uma alta de 487,6% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Além disso, a holding distribuiu no último ano 28,17% de seus lucros em forma de proventos aos acionistas (payout), apresentando um dividend yield (DY) atual de 2,98%.

Vale ressaltar que o indicador de taxa de rendimentos por dividendos está abaixo do DY médio em 5 anos, de 7%, e da média em 10 anos, que é de 5,8% ao ano.

Já o preço da ação ITSA4, considerando o valor de R$ 10,51 no fechamento desta segunda-feira (01), teve valorização de +16,93% nos últimos 12 meses.

Veja aqui a análise de mercado da Itaúsa, o que a empresa faz, seus diferenciais competitivos e principais concorrentes.

→Como Investir no Cenário Econômco Atual? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização no Brasil.

Banco do Brasil (BBAS3)

Segmento: Banco

O Banco do Brasil (BBAS3) é uma instituição financeira de economia mista, controlada pelo Governo Federal, considerado o maior banco da América Latina em número de agências.

Como explicado antes, a companhia pode se beneficiar dos aumentos das taxas básicas de juros através dos spreads.

Além disso, a empresa passa por um intenso investimento em tecnologia, a partir da ampliação de suas operações em serviços digitais.

O Banco do Brasil foi a primeira instituição bancária a operar no país e a primeira empresa com listagem na bolsa brasileira.

Já os resultados do BB no segundo trimestre apresentaram lucro líquido de R$ 3,5 bilhões, uma alta de 487,6% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Além disso, no último ano o payout do banco é de 36,2%, apresentando um dividend yield atual de 6,87%.

O banco já distribuiu neste ano 45,6% a mais do que foi pago em dividendos no ano de 2020.

Já o preço da ação BBAS3, considerando o valor de R$ 29,15 no fechamento desta segunda-feira (01), teve leve desvalorização de -0,68% nos últimos 12 meses.

Veja aqui a análise de mercado do Banco do Brasil, o que a empresa faz, seus diferenciais competitivos e principais concorrentes.

BB Seguridade (BBSE3)

Segmento: Seguradora

No setor de seguros, a BB Seguridade (BBSE3) deve se destacar neste ciclo de alta da taxa básica de juros.

Isso acontece pela alta nos resultados financeiros da seguradora controlada pelo Banco do Brasil que vem dos rendimentos em renda fixa atrelada ao CDI.

No caso da BB Seguridade, a companhia possui um portfólio bem diversificado, então não depende apenas do resultado financeiro e ainda possui outras importantes linhas de receita.

Os resultados da BB Seguridade no 2T21 apresentaram lucro líquido de R$ 753,7 milhões, uma queda de 23,2% em relação ao segundo trimestre de 2020.

Além disso, a companhia distribuiu no último ano 53,3% de seus lucros em forma de proventos aos acionistas, apresentando um dividend yield atual de 4,5%.

Vale ressaltar que a seguradora lidera o ranking de pagadoras de dividendos no setor financeiro quando observado o DY médio em 5 anos, de 8,6%, e a média em 10 anos, de 7%.

Já o preço da ação BBSE3, considerando o valor de R$ 22,05 no fechamento desta segunda-feira, teve desvalorização de -4,86% nos últimos 12 meses.

Veja aqui a análise de mercado da BB Seguridade, o que a empresa faz, seus diferenciais competitivos e principais concorrentes.

→Como Investir no Cenário Econômco Atual? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização no Brasil.

Banrisul (BRSR6)

Segmento: Banco

O Banco do Estado do Rio Grande do Sul - Banrisul (BRSR6) é uma instituição de economia mista com atuação centralizada na Região Sul do país.

Além de ter um papel importante no desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul, a companhia deve se beneficiar da alta do spread bancário na alta dos juros.

O Banrisul mantém como estratégia de negócio a concentração no atendimento ao público de varejo, diversificando sua atuação na prestação de serviços.

Os resultados do Banrisul no 2T21 apresentaram lucro líquido de R$ 265,2 milhões, uma alta de 121,3% em relação ao mesmo trimestre de 2020.

Apesar da alta dos resultados, o indicador de preço sobre lucro (P/L) do banco é um dos mais baixos do setor financeiro, podendo apontar uma boa oportunidade para o investidor.

Além disso, o banco distribuiu no último ano 46,3% de seus lucros em forma de dividendos, apresentando um dividend yield atual de 8,9%, o mais alto do setor.

Neste ano, o Banrisul já pagou 83,3% a mais do que foi pago em dividendos no ano de 2020.

Já o preço da ação BRSR6, considerando o valor de R$ 11,37, no fechamento desta segunda-feira, teve leve desvalorização de -0,84% nos últimos 12 meses.

Sul América (SULA11)

Segmento: Seguradora

Outra seguradora a se favorecer com a alta da Selic é a Sul América (SULA11), que atualmente é o maior grupo segurador independente do Brasil.

A companhia conta com 7 milhões de clientes entre pessoas físicas e jurídicas abrangendo quase todo o território nacional, recebendo grande reconhecimento do mercado de seguros.

Os resultados da Sul América no 2T21 apresentaram lucro líquido de R$ 29,6 milhões no 2T21, uma baixa de -94,1% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Além disso, no último ano o payout da seguradora foi de 22,7%, apresentando um dividend yield atual de 3,8%.

Já o preço da ação SULA11, considerando o valor de R$ 25,96 no fechamento desta segunda-feira, teve desvalorização de -27,93% nos últimos 12 meses.

→Como Investir no Cenário Econômco Atual? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização no Brasil.

Onde Investir com Alta da Taxa de Juros

Então, se você chegou até aqui deve querer saber, afinal, onde investir no período de alta da Taxa Selic a 7,75%.

O cenário de alta da taxa básica de juros, que atingiu a maior alta desde 2002, evidencia como é importante ter uma carteira diversificada de ações.

Não é porque o lucro dos bancos e os rendimentos das seguradoras devem subir que você deve alocar todo seu dinheiro em ativos desses segmentos.

É essencial manter a diversificação, principalmente, em períodos de mudanças do cenário macroeconômico.

Além disso, vale lembrar que para você não correr riscos desnecessários é essencial conhecer o seu perfil de investidor antes de começar a investir em qualquer ativo.

Realize o Teste do Perfil de Investidor para receber uma carteira recomendada para investir com segurança na bolsa de valores, sem correr riscos desnecessários.

Se você já investe e busca aumentar sua rentabilidade, também é importante conhecer o relatório das 3 melhores ações para investir hoje.