Investir em ouro é considerado por muitos como um “porto seguro”. Dada a sua escassez, o metal tende a se valorizar em períodos conturbados do mercado, como o da pandemia de covid-19.

O ouro é conhecido por ser uma reserva de valor e uma das melhores proteções de carteira (hedge de carteira).

Seu estoque global é limitado e estimado em aproximadamente 170 mil toneladas. É esta escassez que o torna tão especial.

Em tempos de alta volatilidade, os investidores tendem a recorrem ao metal. Como consequência da lei da oferta e da procura, seu preço sobe.

No ano passado o ouro obteve destaque, valorizando incríveis 55,9% em reais.

Além das incertezas com a crise sanitária, parte desse desempenho é decorrente da alta do dólar, já que a commodity é negociada primariamente na moeda americana.

Porém, desde agosto do ano passado, o preço do ouro caiu e, desde então, tem permanecido mais ou menos estável.

Será que investir em ouro agora é um bom negócio?

Com a dificuldade em prever o futuro e a indefinição da pandemia, o investimento nessa em ouro está na “moda”.

Assim como qualquer outro tipo de investimento, não considere investir somente por conta de uma dica ou para seguir um “efeito manada”.

Primeiro, avalie se esse ativo é adequado a sua carteira e qual o melhor momento de aportar.

Quais fatores influenciam na cotação do ouro?

Para saber quando investir em ouro é preciso entender os fatores que influenciam em sua cotação e aproveitar o melhor momento.

Existem três pontos-chave que impactam no valor de mercado do ouro e devem ser analisados: a inflação, a cotação do dólar e o cenário econômico.

O preço do ouro no Brasil é calculado a partir da cotação da unidade da onça-troy, o equivalente a cerca de 31 gramas de ouro, na Bolsa de Valores de Nova Iorque, e o valor do dólar comparado ao real na cotação do Banco Central.

Desse modo, qualquer desequilíbrio em um desses fatores pode fazer com que o preço do metal mude drasticamente.

Como os Milionários Investem? Conheça os 10 Passos para ser um Investidor de Sucesso.

Inflação

A inflação é considerada como o primeiro fator a afetar o preço do ouro, uma vez que o metal é tido como uma proteção contra o aumento da inflação.

Em um ambiente inflacionário, com o valor do papel-moeda em queda, aumenta a procura por moedas estáveis e investimentos seguros. Consequentemente, o preço do ouro sobe.

Taxas de juro

As taxas de juros possuem uma correlação negativa com o preço do ouro.

Dessa forma, taxas de juros extremamente baixas favorecem o ouro e outros metais preciosos, já que os outros ativos estão oferecendo baixos retornos.

O contrário também é verdadeiro. Portanto, taxas de juros mais altas significam menor preço do ouro.

Cotação do dólar

A cotação do dólar impacta no preço do ouro, pois este é cotado na moeda norte-americana globalmente.

Assim, quando o preço da moeda sobe, o ouro também sobe.

Cenário econômico

Sempre que um grande evento com impacto mundial, tal como a pandemia causada pelo coronavírus, mais pessoas recorrem à segurança do ouro e seu preço sobe.

Altas e baixas do ouro em meio à pandemia

O ano de 2020 ficou marcado pela imprevisibilidade e incertezas causadas em grande parte pelo novo coronavírus e a maneira como os efeitos da pandemia castigaram as economias e mercados mundiais.

Nesse cenário volátil, com uma série de restrições e dificuldades para ter uma recuperação, o investimento em ouro tornou-se uma fonte confiável e segura para evitar perdas.

Além disso, os juros baixos e o temor da inflação também fizeram com que mais investidores procurassem um porto seguro.

Consequentemente, o preço do metal subiu.

Em agosto, pela primeira vez na história, a onça superou os US$ 2 mil, quase R$ 12 mil na cotação da época.

A valorização do ouro em 2020 foi de 55,9%, tornando- se o melhor investimento do ano.

Parte desse desempenho é decorrente também do aumento do dólar, que teve alta de 29,7% no período.

Porém, desde então o metal enfrenta uma série de obstáculos inesperados e registra o pior desempenho em 2021, segundo o índice Bloomberg Commodity.

O principal deles é a resiliência do dólar e o aumento dos rendimentos dos Treasuries, títulos do Tesouro Americano.

O que poderia indicar a recuperação do impacto da pandemia ainda é um caminho de incertezas, principalmente com a segunda e terceira onda de covid-19.

Historicamente o preço do ouro se beneficia em momentos economicamente desafiadores.

Portanto, apesar da recente desvalorização do ouro e valorização dos mercados de renda variável por todo o globo, percebe-se um potencial positivo em sua perspectiva de longo prazo.

Ao analisarmos os tempos de crise atravessados no passado, identificamos essa visão de “porto seguro” do ouro, fazendo dele um ativo de proteção bastante interessante.

Como essa commodity costuma ser significativamente descorrelacionada de outras classes de ativos, tende a funcionar como uma proteção aos riscos.

Dessa forma, investir um percentual da carteira em ativos mais defensivos e atemporais como o ouro acaba por beneficiar o portfólio como um todo.

Como Começar Investir? Baixe Grátis o Livro Digital "Como Começar a Investir do Zero".

Quando investir em ouro?

Para investir em ouro é necessário observar os mercados financeiros e a evolução dos preços do ouro para entender se os preços estão destinados a subir ou cair.

Como o ouro tem o seu preço balizado pelos mercados internacionais, é a oferta e demanda quem determina a valorização ou não do ouro.

Na prática, quem estuda esse mercado, acompanha as análises para saber qual a hora de comprar e vender com o preço mais interessante.

Além da evolução dos preços, para entender quando investir em ouro é necessário fazer uma análise fundamentalista olhando para os fatores que determinam esses preços

Para ouro, os principais fatores que podem indicar quando investir em ouro são:

  • Aumento da inflação;
  • Baixa do dólar americano em relação a outras moedas;
  • Situação econômica mundial incerta;
  • Quedas nos índices do mercado de ações;
  • Períodos de incerteza econômica.

Com o ouro é visto como um porto seguro, em todas as situações descritas acima ele representa um investimento interessante.

Porém, como toda proteção, o investimento em ouro funciona de modo semelhante a um seguro de carro, no qual não adianta comprar depois de bater o veículo.

Por isso, o investidor precisa ficar atento ao "timing" para não acabar pagando caro demais pelo metal.

O ouro é um ativo muito volátil, sendo difícil prever o seu preço.

Ao invés de tentar achar o melhor momento de compra, o ideal é fazer alocações de forma paulatina para pegar o preço médio e não entrar em um dia só.

Para quem o investimento em ouro é indicado?

Investir em ouro é indicado, principalmente, para investidores com perfil arrojado que pensam em longo prazo e buscam diversificar a carteira de investimento com um ativo mais seguro para momentos de crise.

Em geral, é indicado uma alocação de 5 a 10% de ouro no total de sua carteira.

Como os Milionários Investem? Conheça os 10 Passos para ser um Investidor de Sucesso.

Motivos para investir em ouro hoje

Após a forte valorização do metal no ano passado e início de 2021 em queda, o investidor pode ficar em dúvida se ainda é um bom momento para investir em ouro.

Enquanto alguns especialistas dizem que o tempo de investir já passou, outros acreditam que o metal volte a subir com o passar do tempo.

O Goldman Sachs, por exemplo, disse no final de janeiro que, com as perspectivas de estímulo adicional e manutenção dos juros pelo Federal Reserve, o metal “continua sendo um investimento atraente para o investidor de médio a longo prazo”.

Para o Commerzbank, “o comportamento do ouro no momento se assemelha ao de um tsunami: na primeira fase, a água recua (o preço do ouro cai) e, na segunda fase, retorna com ainda mais violência”.

Veja alguns dos motivos pelos quais investir em ouro é um bom negócio:

Oferta escassa

O estoque global de ouro é limitado, sendo estimado em aproximadamente 170 mil toneladas.

Segundo o World Gold Council, todo o ouro produzido no mundo cabe em 2,5 piscinas olímpicas.

Incerteza

Com a manutenção do cenário de incerteza, o ouro continua como uma opção para diversificar e proteger o portfólio.

Juros baixos pelo mundo

A manutenção de taxas de juros baixas, até negativas, faz com que o custo de oportunidade de investir em ouro fique muito atrativo.

Alta impressão de dinheiro

Boa parte dos bancos centrais do mundo cortou juros e imprimiu uma quantidade imensa de dinheiro desde o início da pandemia.

Se por um lado a moeda acaba perdendo valor, o preço do que é escasso (ouro) ficará mais alto.

Como os Milionários Investem? Conheça os 10 Passos para ser um Investidor de Sucesso.

Investir em ouro é um bom negócio?

O ouro costuma brilhar aos olhos de investidores em momentos de crise por funcionar como uma reserva de valor.

Por ser considerado um investimento mais seguro, ajuda a proteger a carteira da volatilidade do mercado.

Mas atenção, seguro não significa estável.

Muito pelo contrário, o preço do ouro pode sofrer muitas oscilações. Por isso, o investimento em ouro tende a ser mais indicado para objetivos de longo prazo.

Também pode ser útil para investidores moderados e agressivos que buscam diversificar e proteger (hedge) o patrimônio.

Mas antes de correr para investir no metal, aposte na diversificação de ativos que atendam as expectativas e os apetites de risco de cada perfil de investidor.

Para saber se vale a pena investir ou não em ouro, o recomendado é que você analise seus objetivos, necessidades e perfil.

Aproveite e faça aqui o teste de perfil online e descubra os melhores ativos para você.