Está procurando um lugar para morar mas não sabe o que é melhor, morar de aluguel ou fazer um financiamento de casa ou apartamento? 

Comprar ou alugar um imóvel é a dúvida de muitas pessoas, principalmente quando é preciso recorrer a um financiamento imobiliário para conquistar a casa própria.

Nesse caso, é melhor financiar ou continuar morando de aluguel e investir a diferença?

Mas alugar não é jogar dinheiro fora? Isso é verdade ou até onde é verdade?

Com certeza, a compra ou não de um imóvel próprio é uma das decisões mais importantes tomadas ao longo da vida, já que os custos de ter e manter uma casa, seja ela comprada ou alugada, são altos.

Então, é normal que gere dúvidas entre fazer um financiamento ou consórcio, alugar ou ficar mais um tempo na casa dos pais?

Para tomar a melhor decisão é preciso planejamento e análise de alguns pontos que vão além do valor final de cada alternativa.

Tanto a compra de um imóvel quanto o aluguel tem vantagens e desvantagens, a depender da situação financeira, do momento e dos planos de cada consumidor. 

Para te ajudar a tomar essa decisão tão importante, veja quais os fatores que devem ser considerados para fazer a melhor escolha. 

Vantagens de alugar um imóvel

Alugar um imóvel pode ser vantajoso por alguns motivos pessoais e até financeiros, dependendo de como se lide com o planejamento.

Flexibilidade

A primeira vantagem do aluguel é a flexibilidade, tanto na vida pessoal como em um momento econômico difícil.

Para quem não sabe se vai se estabelecer em determinada cidade ou bairro, um imóvel alugado proporciona a mobilidade de mudar de endereço com mais rapidez e menos burocracia. 

Em momentos econômicos e financeiros de incertezas, o aluguel permite que se busque um local menor para reduzir os custos.

Praticidade

Por mais burocrático que seja o processo de locação, ele ainda é mais simples e rápido do que o de financiamento e compra de uma casa ou um apartamento. 

Valor

Em algumas situações, pagar aluguel pode ser vantajoso, desde que o valor pago seja inferior ao valor que gastaria nas parcelas de financiamento.

Com a diferença, é possível investir e gerar alguma rentabilidade para que esse montante seja usado tanto para a compra de um imóvel ou outras metas e objetivos financeiros que se tenha.

Para quem está em dificuldades financeiras, achar um aluguel mais baixo e que consiga pagar é mais vantajoso do que comprometer boa parte do orçamento com uma parcela de financiamento.  

Desvantagens do aluguel

Alugar uma casa ou apartamento também tem suas desvantagens, como possíveis transtornos com o proprietário e até mesmo em falta de controle no orçamento que te impedem de guardar dinheiro para outros fins.

Instabilidade

Se por um lado alugar um imóvel traz a sensação de liberdade para mudanças, por outro pode gerar instabilidade, uma vez que o local não é seu de fato.

Existem casos em que o proprietário pode pedir que o locatário deixe a propriedade. Nesse caso, você terá que refazer sua morada em outro local.

Limitações 

Quem mora em um imóvel alugado normalmente tem limitações para fazer mudanças na estrutura e deixar a casa ou apartamento como realmente gostaria. 

Valor que não se transforma em algo real

Morar de aluguel permite que se invista a diferença da parcela de um financiamento para conquistar o sonho da casa própria ou outra meta.

Porém, para quem não tem um bom planejamento, isso pode simplesmente não acontecer.

Nesse caso, você só está "gastando" e não está se comprometendo com seus sonhos e seu futuro financeiro.

Banner will be placed here

Vantagens de um financiamento imobiliário

Comprar uma casa, mesmo que por meio do financiamento imobiliário é vantajoso quando:

  1. Se tem certeza que o imóvel vai ser bem aproveitado pela família;
  2. A parcela não foge muito do que se pagaria em um aluguel;
  3. A parcela do financiamento não compromete seriamente o orçamento;
  4. A família tem o desejo de ter o imóvel próprio.

As vantagens do financiamento imobiliário são grandes quando se está programado para isso.

Além de sair do aluguel, o financiamento permite a compra de um patrimônio sem precisar ter o valor total à vista e com o pagamento das prestações a longo prazo.

Condições facilitadas

O financiamento muitas vezes é a única possibilidade de realizar o sonho da casa própria.

Além de não precisar dispor de todo o valor do imóvel, ele permite o pagamento das prestações em até 35 anos.

Imóvel próprio

A casa própria propicia mais segurança para a família. Como o imóvel que será todo seu poderá construir ou realizar as reformas que quiser. Bem como vender ou alugá-lo, obtendo retorno financeiro.

Possibilidade de liquidação antecipada

Por mais que o financiamento imobiliário permita o parcelamento por longos períodos, isso não significa, necessariamente, que você deva esperar até o final das parcelas.

Dependendo da sua organização e condições financeiras, é possível antecipar as prestações ou até mesmo liquidar o financiamento antes.

Desvantagens de financiar um imóvel

Apesar de "facilitar" a compra do imóvel, o financiamento também tem algumas desvantagens que podem pesar na hora de escolher financiar ou não um bem.

Por mais que o prazo de pagamento possa ser uma vantagem, ele também é uma desvantagem, uma vez que compromete a renda por muito tempo. Além disso, é difícil prever as condições financeiras no futuro.

Isso sem contar com as altas taxas que fazem com que, ao final do financiamento, você pague muito mais pelo imóvel.

O financiamento imobiliário requer um bom planejamento financeiro. Manter uma reserva de emergência para eventualidades é altamente recomendado.

Taxas de juros altas

Uma desvantagem clara do financiamento de imóveis é o pagamento de juros elevados.

Ao optar por essa modalidade, o investidor gasta mais dinheiro para finalizar a compra do que gastaria em um Consórcio para Comprar um Imóvel ou economizando e investindo para pagar à vista.

Burocracia

As instituições financeiras exigem diversos documentos e comprovantes de renda para aprovar o crédito. Esse processo pode ser um tanto demorado e burocrático.

Além disso, seu Score de crédito conta muito e pessoas com o nome sujo não conseguem aprovação.

Renda comprometida

A taxa de juros e o longo prazo do financiamento fazem com que parte da renda fique comprometida com o pagamento das parcelas.

Alugar para comprar à vista é a melhor opção?

Se você está considerando comprar ou alugar um imóvel já deve ter ouvido que aluguel é como jogar dinheiro fora, já que o valor pago não trará retorno. Porém, essa afirmação não é totalmente verdade. 

Dependendo dos juros praticados pelo mercado, o aluguel pode ser mais vantajoso e funcionar como um meio para adquirir a casa própria em menos tempo do que com um financiamento.

Como o aluguel, geralmente, sai mais barato mensalmente que o financiamento, você investir essa diferença de valor.

Por meio dos investimentos certos é possível rentabilizar seu dinheiro e adquirir uma propriedade própria no futuro.

Então, morar de aluguel e poupar o dinheiro vale mais a pena do que financiar?

Não há uma resposta única. Vai depender muito do seu momento de vida e objetivos.

Alugar algo mais barato agora e juntar dinheiro para comprar a casa própria no futuro pode ser uma boa opção para quem ainda não tem o valor para comprar à vista.

No entanto, nem todas as pessoas possuem essa organização financeira.

​​A ideia defendida pelos consultores financeiros é que o consumidor que se preparou para dar uma entrada de 20% do valor de um imóvel e financiar o restante faça a seguinte troca: 

Em vez de comprar agora, ele aluga um imóvel cuja o aluguel seja de 0,3% a 0,5% do preço da casa ou apartamento. 

Como o valor do aluguel será menor que a parcela de um financiamento, a diferença mais o valor da entrada, é investida.

Dessa forma, poderá juntar o dinheiro para comprar a casa própria no futuro, à vista. 

Pensando assim, o aluguel é uma ferramenta para auxiliar você a ter o seu imóvel próprio mais rápido e mais barato. 

No entanto, especialistas em psicologia financeira acreditam que, embora alugar e investir a diferença seja matematicamente mais favorável, essa opção não se encaixa na realidade de todas as pessoas.

O cidadão comum ainda tem dificuldade de se controlar financeiramente e provavelmente não conseguiria poupar e investir regularmente por tantos anos.

Banner will be placed here

Financiar ou Alugar, o que levar em consideração

A decisão entre comprar ou alugar imóvel é muito particular e deve levar em conta uma série de questões inerentes à vida pessoal que vão além de momentos econômicos.

No entanto, não podemos desconsiderar completamente o fator financeiro.

Para descobrir se é melhor alugar ou alugar, o primeiro passo é buscar informação sobre como está a situação econômica do país, a variação dos preços de aluguéis, as taxas de juros para financiamento de imóveis e quais são as projeções para os próximos meses e anos.

Além disso, quem optar por investir a diferença para no futuro comprar a casa própria, deve avaliar os melhores investimentos e conhecer seu perfil de investidor para que seu dinheiro seja aplicado com sabedoria.

Mais importante que tudo isso é analisar o seu momento de vida e os sonhos da família

Você e sua família têm o sonho da casa própria? É um objetivo relevante? Ter um imóvel próprio é algo que vai trazer mais qualidade e qualidade de vida para vocês?

Avalie desde os seus objetivos profissionais até o tamanho da família e a probabilidade de mudanças futuras.

Para quem pretende passar por transformações importantes a curto prazo, o aluguel pode ser a opção ideal. 

Já para aqueles que têm o objetivo da casa própria, a paz de espírito que possuir um imóvel só seu dinheiro nenhum pode comprar.

Dicas para quem vai financiar a casa própria 

Se você chegou a conclusão de que financiar agora, com a possibilidade de mudar logo para a casa própria é o melhor para sua família, veja algumas dicas para fazer um financiamento imobiliário sem erro:

Quanto maior o valor da entrada, melhor 

Se optar por financiar a casa própria, o ideal é dar o maior valor possível de entrada.

As instituições financeiras exigem, em média, 20% do valor do imóvel de entrada, mas se programe para pagar mais.

Quanto maior a entrada, menor o valor financiado e consequentemente o menor número de parcelas e os juros que terá que pagar. 

Pesquise financiamentos 

Os financiamentos imobiliários são oferecidos por diversas instituições financeiras. Para escolher o melhor banco para financiamento, o lema é pesquisar.

Faça uma simulação de financiamento imobiliário, observando não apenas as taxas de juros, mas o custo efetivo total (CET) e as condições.

Considere o impacto na renda 

Um financiamento é uma dívida longa, por isso, avalie o impacto da parcela na renda da família, de modo que não prejudique demais a qualidade de vida.

A recomendação é nunca comprometer mais de 30% da renda mensal familiar líquida com a prestação da casa própria.

Tente pagar mais rápido 

Tenha como objetivo pagar o financiamento o mais rápido que puder. 

Se possível, procure amortizar a dívida para reduzir o valor. Se for o caso, pode utilizar o FGTS para quitar. 

Dicas para quem vai alugar 

Se você acredita que o aluguel é a melhor opção agora, seja por questões financeiras, de mobilidade ou com o intuito de economizar para comprar a casa própria futuramente, veja algumas dicas para aproveitar bem o dinheiro pago:

Aluguel que caiba no seu bolso

Se optar pelo aluguel, defina um valor que cabe no seu bolso e que não comprometa seu orçamento e seus investimentos.

Especialistas recomendam que os gastos com moradia não ultrapassem 30% do orçamento líquido. Isso inclui aluguel, condomínio, IPTU e despesas com manutenção e limpeza.

Aproveite para investir 

Opte por um aluguel mais baixo, dessa forma, terá mais dinheiro para investir mensalmente.

Essa é a principal vantagem do aluguel, permitir que invista para seu futuro.

Se seu sonho for ter a casa própria, os investimentos são o melhor meio para viabilizar isso.

Caso comprar um imóvel não esteja nos seus planos, os investimentos realizam seus outros sonhos financeiros, como viagens, faculdade dos filhos, aposentadoria, entre outros.