O que são Títulos de Emissão Bancária?

Os títulos de emissão bancária, como o próprio nome já diz, são emitidos pelos bancos comerciais, cujo objetivo é adquirir capital para financiar seus empreendimentos/projetos.

Esses títulos consistem em ativos de renda fixa, em que os bancos, ao comercializarem, captam recursos junto ao seu público. Podemos citar os principais exemplos de títulos de emissão bancária, são eles:

Esses títulos geram uma obrigação ao devedor (banco), portanto, não se configuram títulos de propriedade privada, como acontece com grande parte dos títulos emitidos por companhias privadas.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Pois bem, isso quer dizer que quem adquire esses tipos de títulos não passam a deter parcela da empresa.

Essa modalidade de emissão bancária pode ser positiva para o investidor, tendo em vista algumas de suas particularidades, dentre elas:

  • Diversidade de opções: contratos pré-fixados e pós-fixados;
  • Rentabilidade oferecida pelos bancos menores;
  • Fundo garantidor de crédito contra falência das instituições.

O primeiro ponto quer dizer que o retorno pago pelos bancos a quem adquire esses títulos pode ocorrer de duas maneiras: forma pré-fixada ou pós-fixada.

Agora, o leitor deve estar se perguntando: o que isso quer dizer?

Pois bem, quer dizer que, no primeiro caso (pré-fixada), o comprador do título (investidor) já sabe, antecipadamente, o valor que irá receber no momento de seu vencimento.

Já, no segundo caso (prefixado), o investidor não sabe, antemão, o valor que receberá na data do vencimento, pois dependerá de algum índice, sendo o Certificado de Depósito Interbancário, na maioria das vezes.

Vale lembrar que o Certificado de Depósito Interbancário (CDI), tem um desempenho muito semelhante ao da taxa Selic, que é a taxa básica de juros da economia.

Já, o último ponto (Fundo garantidor de crédito contra falência contra falência das instituições) trata-se de uma proteção oferecida ao comprador do título, que acarreta maior segurança ao investidor.

Como funcionam os Títulos de Emissão Bancária?

 Os títulos nada mais são que documentos que fazem valer a relação de empréstimo estabelecida no investimento.

Nessa relação fica firmado que o credor entregará uma certa quantia em dinheiro para que o devedor possa devolvê-lo no futuro, acrescido aos juros.

Antigamente o comprador adquire esses títulos em forma de papel, é por essa razão que surgiu sua denominação. Contudo, nos dias atuais sua comercialização se dá de forma eletrônica.

É importante dizer que cada título possui um agente econômico que o emite. Os mais famosos títulos de emissão bancária são:

  • CDB: Certificado de Depósito Bancário é um título de renda fixa que, como já dissemos, pode ser pós-fixado ou pré-fixado;
  • LCA: a Letra de Crédito do Agronegócio também diz respeito a um título de renda fixa, cuja taxa de juros é pré-fixada.
  • LCI: a Letra de Crédito Imobiliária, assim como o exemplo anterior, também é um título de renda fixa, em que a rentabilidade e data de vencimento são pré-determinadas.

No caso da LCA, vale lembrar que o montante do saldo captado é destinado às companhias do setor do agronegócio que necessitam de financiamentos.

Já, no caso da LCI, o capital captado precisa ser investido em iniciativas que estão ligadas ao setor imobiliário.

É importante dizer que tanto a LCA como a LCI possuem a possibilidade de retorno pré-fixada, pós-fixada ou mista.

Vantagens e desvantagens atreladas a esses títulos

Como já dissemos, uma vantagem atrelada aos títulos de emissão bancária está na sua variada gama de opções.

Além disso, esses títulos também são protegidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) em valores que chegam até 250 mil reais.

Por fim, esses títulos (no caso da LCI e LCA) são isentos de recolhimento de Imposto de Renda (IR).

Já, com relação às desvantagens, podemos apontar o tributo sobre o CDB, por exemplo, que pode chegar a 22,5%.

Além disso, algumas LCIs e LCAs, podem possuir prazos extensos para uma retirada com lucros, bem como aplicações mínimas muito altas, restringindo o acesso a alguns investidores.