O que é Taylorismo?

O Taylorismo pode ser classificado como um modelo de gestão, desenvolvido no início do século XIX. Tendo Frederick Taylor, um engenheiro mecânico norte-americano, como seu criador.

Graças a teoria de Taylor, assuntos como gestão e administração passaram a ganhar espaço nos meios acadêmicos e científicos. Tanto por essa teoria, quanto a de outros pensadores da época.

Esse modelo de gestão surge pela experiência de Taylor como operador e engenheiro de maquinários. Ao buscar formas de tornar melhor, mais eficaz e otimizado, os processos de produção industrial.

Através de suas ideias, o engenheiro trouxe inúmeras contribuições que serviram de base para diversos métodos criados ao longo da história. É possível até nos dias atuais, ver esses impactos.

O conceito de Taylorismo foi apresentado ao mundo por Frederick Taylor, devido aos seus livros que se tornaram ainda na época, muito famosos. São eles:

  • “A price-rate system” - de 1895;
  • “Shop management” - de 1903;
  • “Principles of scientific management” - de 1911.

O último livro trata dos princípios da administração científica e é considerado como seu livro de maior relevância. Logo, sendo aquele que mais contribui para o estudo dessa área.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Podemos dizer, que o Taylorismo foi uma das primeiras tentativas teóricas e práticas de aplicar conceitos científicos dentro da área conhecida hoje como engenharia de processos.

Isso significa que Taylor realizou diversas pesquisas, estudos e observações com metodologias científicas para entender como: 

  • Tornar processos operacionais mais eficazes; 
  • Aumentar a produtividade operária;
  • Otimizar fluxos de trabalho.

Mesmo que nos dias atuais sua metodologia não seja tão aplicável às necessidades modernas, suas contribuições permanecem. Um exemplo disso são as pausas no trabalho. 

Isso porque foi através de suas percepções que Taylor notou como os descansos são essenciais para a recuperação física e mental dos trabalhadores

De modo que ao voltar a cumprir sua jornada de trabalho, eles sejam capazes de manter a produtividade desejada.

Quais são os Princípios do Taylorismo?

De maneira geral, o Taylorismo é visto como um método de gestão com foco na eficiência e otimização dos processos. Para alcançar esse objetivo, Taylor desenvolveu 5 princípios que são:

  1. Planejamento: pode ser entendido como o pilar de base no qual, um método científico para a gestão do trabalho é escolhido e através do qual, os processos serão estruturados;
  2. Seleção: um princípio fundamental que determina que a escolha dos colaboradores deve ser feita considerando as habilidades necessárias para cada função, alcançando assim, bons resultados;
  3. Singularização: através desse princípio surgiu a ideia de especialistas pois, o princípio baseia-se na ideia de limitar o colaborador a uma função única para trazer mais eficiência a sua realização;
  4. Controle: supervisão rigorosa do fluxo de trabalho e seus processos, a fim de garantir sua qualidade, eficiência, produtividade e otimização além da teoria;
  5. Execução: elaboração com foco na ação, sobre como os processos devem ser tocados para alcançar a eficiência desejada.

Os principais objetivos propostos por Taylor, visavam alcançar a otimização da eficiência operacional. Assim, ele acreditava ser importante deixar os meios empíricos para trás, os substituindo por aqueles científicos.

Com isso, segundo ele, seria possível padronizar e automatizar ao máximo a produção. Outra de suas premissas era a da especialização com base nas aptidões do trabalhador, garantindo:

  • Correta execução das tarefas;
  • Eficiência produtiva.

O que torna necessário ainda o monitoramento dos colaboradores, ou seja, sua gestão. De modo a garantir que a execução do fluxo de trabalho andasse conforme o planejado.

Além de ser possível notar quais partes dos processos necessitavam de ajustes. Portanto, podemos dizer que a metodologia de Taylor tem forte fundamentação no conceito de racionalização do trabalho.

Vale destacar que todos os benefícios visados pelo engenheiro levavam ainda a um aumento nos lucros, pela redução dos custos na produção.

Qual a Relação entre Taylorismo e Fordismo?

Devido às inúmeras contribuições do Taylorismo no campo da gestão e da administração científica, esse acaba sendo associado ainda ao conceito de Fordismo.

Isso porque acredita-se que Henry Ford, também engenheiro mecânico estadunidense, adotou os princípios de Taylor no intuito de otimizar a indústria automotiva. 

Ford visava aumentar a eficiência e otimizar a produção de veículos, e a partir da teoria de Taylor, ele desenvolveu o conceito de linha de montagem

Usada até hoje, essa metodologia tem em seu processo fortes características de:

  • Especialização dos colaboradores em tarefas limitadas;
  • Aumento e otimização da eficiência produtiva.

Pode-se dizer que ambas as metodologias tinham como objetivo alcançar uma maior produção em um tempo reduzido de trabalho. O que acontecia através da automatização da força de trabalho

Apesar de parecidos, a diferenciação entre ambos acontece pelo ritmo do trabalho em si. No Taylorismo o rendimento é avaliado e estimulado de forma individual. 

Já no Fordismo o ritmo se define pela rapidez das máquinas e esteiras. Mas apesar da suposição de que Ford se baseou nas teorias de Taylor, isso não é um fato, apenas especulações.

A associação entre ambos os conceitos é dada muito mais pela época em que surgiram, ambos no período contemporâneo, do que pelas bases e fundamentos das teorias em si.

De maneira que ambas se ligam  através da busca por eficiência que marcou o período. Algo  que pode-se dizer que até hoje causa influências em modelos de gestão mais atuais.