O que é Taxa de Juros?

A maioria das pessoas já ouviu falar sobre a taxa de juros, contudo, apesar de ser um termo muito popular, grande parte dessas pessoas não conhecem o funcionamento da taxa de juros.

A taxa de juros pode ser entendida como um prêmio, ou melhor, uma remuneração para quem realiza um investimento ou disponibiliza um empréstimo, por exemplo.

O entendimento do juro deve ser feito analisando a relação do dinheiro no tempo, ou seja, é uma compensação pelo período de tempo que o dinheiro ficou investido ou emprestado.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Para facilitar a compreensão, imaginemos o seguinte exemplo:

Um indivíduo que pega um valor de R$ 10.000,00 emprestado junto ao banco, por doze meses, terá uma taxa de juros que incidirá sobre o valor desse empréstimo.

Vamos supor que a taxa de juros cobrada pelo banco seja de 10%. Nesse caso, o juro que irá incidir sobre o valor do empréstimo.

Ao final do período de doze meses, o tomador do empréstimo terá que pagar um montante de R $11.000,00 ao banco.

Ou seja, o indivíduo terá que pagar R $1.000,00 de juros pelo empréstimo obtido pelo banco.

Portanto, a diferença entre o montante que será pago ao banco e o valor do empréstimo se refere aos juros que deve ser pago pelo tomador do empréstimo.

Tipos de juros

Compreendido o seu conceito, é importante dizer que existem diversos tipos de taxa de juros. Explicaremos cada uma delas na sequência:

Juros Simples: Os juros simples não têm o seu valor alterado com o passar do tempo, ou seja, ele irá incidir apenas sobre o valor inicial do empréstimo ou investimento.

Juros Compostos: Ao contrário dos juros simples, os juros compostos continuam agindo durante o tempo de duração do empréstimo ou investimento, por esse motivo é conhecido como “juros sobre juros”.

Dessa forma, a taxa irá incidir sobre o valor inicial somado aos juros do mês anterior. Por exemplo:

Um investidor aplica uma quantia de R$ 10.000,00, durante doze meses, cujo juro (composto) é de 1% ao mês.

Ao término do primeiro mês, o montante gerado pelo investimento será de R$ 10.100,00, ou seja, o valor da aplicação somado a 1% da taxa ao mês.

Contudo, ao final do segundo mês, a taxa de juros irá incidir sobre o valor de R$ 10.100,00, e não mais sobre o valor inicial da aplicação.

É nesse sentido que o cálculo irá percorrer até o término do período de aplicação.

Devemos dizer que esse tipo de juros, quando se trata de um empréstimo, pode acabar complicando a saúde financeira de muitas pessoas, que veem sua dívida aumentando com o decorrer do tempo.

Juros Mora: Os juros mora, ou moratória, recaem de acordo com o período de atraso do valor acordado, ou seja, é um tipo de indenização pelo não pagamento do valor que foi acordado no prazo.

Juros Reais:  Os juros reais não incluem inflação e correção monetária no seu cálculo, diferentemente dos juros nominais.

Juros nominais: No cálculo dos juros nominais é levado em conta a inflação do momento, portanto, a maior parte dos financiamentos são calculados de acordo com esse tipo de juros.

Juros sobre o capital próprio: A base de cálculo desse tipo de juros se dá sobre o lucro obtido de uma empresa e, geralmente, parte desse valor é distribuído aos acionistas.

Juros rotativos: Diz respeito à cobrança devido ao atraso do pagamento de um financiamento ou do cartão de crédito.

Taxa Básica de Juros do Brasil – Taxa Selic

Devemos dizer que a Selic representa a taxa básica de juros, sendo considerado, pelo Banco Central, o principal instrumento de política monetária para combater a inflação.

A Selic, ou taxa básica de juros, é responsável por influenciar todas as taxas de juros do Brasil, como, por exemplo, as taxas de juros dos financiamentos, aplicações financeiras e empréstimos.

A denominação Selic advém da sigla Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, que diz respeito a uma infraestrutura, administrada pelo Banco Central, do mercado financeiro.

Os títulos públicos federais são transacionados nesse sistema. Portanto, devemos dizer que a Selic corresponde a taxa média dos financiamentos apurados no referente sistema.

Dessa forma, a Selic tem a responsabilidade de realizar, liquidar e registrar a custódia de títulos públicos federais.

É importante ressaltar que o Comitê Monetário do BC (COPOM) define, em reunião, uma meta para a Selic.

O Banco Central, para que a taxa Selic efetiva se alinhe com determinada meta, definida pelo COPOM, necessita operar no mercado de títulos públicos.