O que é Clube de Investimentos e Como Funciona na Prática
|

O que é Clube de Investimentos e Como Investir na Prática

Os clubes de investimentos são uma boa alternativa para investidores unirem forças para investir.

Por
Atualizado em 06/07/2020

O clube de investimentos é uma alternativa para participar da Bolsa de Valores mesmo sem ter muito conhecimento ou dispor de um capital elevado para investir.

Como ocorre nos fundos de investimento, nos clubes você se junta a outras pessoas para investir no mercado de capitais.

Porém, diferente do que acontece com os fundos, você pode montar o seu próprio clube de investimentos com amigos, familiares, colegas de trabalho ou pessoas com objetivos em comum.

Clube de investimentos é uma modalidade de investimento coletivo de pessoas físicas que se reúnem para aplicar na Bolsa de Valores.

Originalmente essa forma de investimento tinha como objetivo possibilitar o acesso do pequeno investidor ao mercado de títulos e valores mobiliários.

Muitos definem um clube como uma ferramenta de aprendizado para o investidor, já que este participa ativamente da política de investimentos.

Para isso, são realizados encontros e discussões periodicamente para debater as melhores oportunidades de investimento.

Como os recursos dos cotistas somados, há a possibilidade de retornos maiores do que se investisse individualmente.

Criado com o objetivo de auxiliar os profissionais da saúde a diversificarem suas aplicações, 

o clube de investimentos da Doc Concierge chegou a entregar a seus participantes um rendimento 58% superior ao registrado pelo Ibovespa no mesmo período.

Veja o que é clube de investimentos e como montar o seu.

O que é Clube de Investimentos

Clube de Investimento é um investimento coletivo de pessoas físicas no Mercado de Capitais composto por no mínimo 3 e no máximo 50 participantes.

Como nos fundos de investimentos, o patrimônio do Clube é dividido em cotas. Ao aplicar os recursos, o investidor se torna um cotista. 

A carteira de ativos do Clube de Investimento deve possuir, no mínimo, 67% do patrimônio aplicado em: 

  • Ações;
  • Bônus de subscrição; 
  • Debêntures conversíveis em ações, emitidas por companhias abertas;
  • Recibos de subscrição; 
  • Cotas de fundos de índices de ações (ETFs) negociadas em mercado organizado;
  • Certificados de depósitos de ações.

O restante pode ser aplicado em outros tipos de valores mobiliários emitidos por companhias de capital aberto, cotas de fundos de investimento, títulos públicos, entre outros.

Os clubes de investimentos são regulados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na Instrução nº 494/2011 e no Regulamento de Clubes da B3, onde se encontram registrados. 

Além do seu regimento interno (Estatuto Social).

Banner will be placed here

Como funcionam os Clubes de Investimento

Assim como um fundo, um clube de investimento é registrado sob a forma de condomínio.

Os participantes somam os próprios recursos, dividem os custos e distribuem eventuais ganhos proporcionalmente a sua participação.

A administração do clube de investimento ficará por conta de uma instituição autorizada pela CVM, que poderá ser:

  • Corretora de títulos e valores mobiliários (CTVM);
  • Distribuidora (DTVM);
  • Banco múltiplo.

Este administrador será responsável pelo registro do clube, cadastro e identificação dos participantes, além da execução dos investimentos e de todas as transferências financeiras realizadas.

Por lei, nenhum cotista pode ser titular de mais de 40% do total das cotas do Clube.

É vedada também a negociação de cotas na Bolsa de Valores.

O clube precisa ter um estatuto que estabeleça suas regras de funcionamento.

Como qualquer outro investimento em Renda Variável, o retorno dependerá da valorização das cotas, que é diretamente influenciado pelas oscilações do mercado.

Gestão do Clube de Investimento

Assim como nos fundos de investimentos, nos clubes também existem um gestor responsável por tomar as decisões relativas à alocação de recursos.

Este pode ser pessoa física ou jurídica, sendo que o administrador e o gestor podem ser a mesma instituição.

A gestão da carteira de ativos do clube de investimentos também poderá ser feita por um ou mais cotistas, desde que aprovados pelos demais participantes.

A política de investimentos e as estratégias de gerenciamento de risco serão definidas em assembleia geral entre os cotistas.

Resgate de cotas

O resgate de cotas deverá constar no estatuto do clube, com prazo fixado entre o pedido de resgate e a data da conversão das cotas em dinheiro.

A orientação da CVM ainda salienta que o pagamento ao investidor deve ser feito por meio de cheque, crédito em conta corrente ou ordem de pagamento.

E que o prazo que não pode ultrapassar cinco dias úteis, a contar da conversão das cotas.

Vantagens de um Clube de Investimentos

O clube de investimentos possui algumas vantagens em relação a  outras modalidades de investimento coletivo:

Influência direta na gestão

No clube de investimentos os cotistas participam diretamente da gestão da carteira e demais decisões.

Flexibilidade

Como geralmente é formado por investidores com interesses em comum, o clube de investimentos pode se ajustar mais facilmente os investimentos ao perfil de seus participantes.

Menos taxas

As taxas de administração e manutenção do clube são mais baixas.

Não existem custos com auditorias, encargos de fiscalização da CVM, e dispensa a necessidade de informes aos cotistas sobre suas operações.

Desvantagens de um Clube de Investimentos

Embora tenha sido criado para facilitar o acesso de pequenos investidores à Bolsa, após a Instrução 494 da CVM, houve uma queda acentuada no número de clubes de investimento.

Isso se deva à principal desvantagem da nova regulamentação: menos participantes.

Limite de participação

A nova regra da CVM reduziu o número máximo de investidores para um mesmo clube de 150 para 50. 

Com isso, o custo para cada cotista se elevou, desmotivando-os a continuar com a aplicação no clube.

Patrimônio mínimo

Apesar de não existir um patrimônio mínimo exigido para a participação de um clube de investimentos, para compensar os custos recomenda-se ter um patrimônio líquido mínimo de R$ 150 mil. 

Com valores menores que isso, o ideal é investir diretamente.

Fundos de investimento X Clube de investimento

Clube de investimento e fundo de investimento são duas modalidades de investimento coletivo, em forma de condomínio, onde cada participante adquire cotas.

Porém, o clube de investimentos é uma operação menos burocrática e mais restrita.

O clube precisa ter no mínimo três pessoas físicas para ser formado e não pode ter mais do que 50 participantes por grupo.

Além disso, nenhum participante poderá ter mais de 40% do total de cotas.

Já os fundos de investimento não possuem limite máximo de participantes nem de cotas.

Geralmente, o clube de investimentos é mais informal, formado por amigos, familiares e colegas.

É também um ótimo instrumento de aprendizado para o investidor e um canal de acesso ao mercado de capitais. 

Com encontros periódicos para debate, o clube de investimentos dá mais poder de decisão e gerenciamento ao investidor.

Já nos fundos de investimentos o cotista não participa da gestão.

Outra distinção é que as cotas do clube não podem ser negociadas em mercados organizados, como a bolsa de valores, assim como os fundos são.

Principais diferenças entre clube de investimento e fundo de investimento:


Clube de investimentosFundo de investimentos
Limitação de participantes50 pessoasnão possui
Registro na CVMnãosim
Negociação na Bolsanãosim

Como Montar um Clube de Investimentos?

Para montar um clube de investimentos é preciso um grupo de pelo menos 3 interessados.

A partir disso, o grupo deverá encontrar um administrador, que poderá ser uma corretora, um banco de investimento ou uma distribuidora de valores.

Esta instituição será responsável por cuidar de toda a documentação, dos registros legais e zelará pelo bom funcionamento do clube.

O próximo passo é confeccionar, junto com os participantes do clube, um estatuto interno onde estarão definidos pontos como:

  • Valor de aplicação inicial para cada participante;
  • Política e valores de aportes mensais;
  • Prazo de funcionamento do clube;
  • Políticas de investimento;
  • Taxa de administração, caso haja, e sua respectiva base de cálculo;
  • Tipo de remuneração do administrador da carteira;
  • Cláusulas de dissolução ou encerramento do clube;
  • Política de conduta dos participantes e procedimentos em caso de morte ou incapacitação dos cotistas;
  • Critérios de cálculo da cota;
  • Detalhes de como se darão as reuniões e decisões do clube, convocação, assembleias.

O clube deverá fornecer o nome e seu estatuto para que a CVM aprove sua fundação.

Após isso, o aporte inicial de cada um dos cotistas participantes é transferido para o clube e se transforma em cotas proporcionais ao capital aplicado.

Com o clube criado, basta convidar novos interessados para entrar no clube, lembrando que o máximo é 50 participantes.

Taxas e custos do clube de investimentos

Os clubes de investimentos possuem uma taxa de administração, relativa ao administrador, que varia conforme o tipo de clube, estratégia e patrimônio.

Além disso, pode haver cobrança de taxa de performance relacionada ao desempenho do gestor, quando este é um profissional é contratado para a função. 

Essas taxas devem constar no Estatuto do clube. 

Tributação do clube de investimentos

Uma das vantagens do clube de investimento é que os impostos não incidem sobre todas as operações em que houver lucro.

O cotista só paga 15% de Imposto de Renda sobre o rendimento líquido no momento do resgate das cotas.

Quer Investir em Boas Ações? Baixe Grátis o Relatório com as 3 Melhores Ações para Investir Hoje.

Clube de Investimentos Vale a Pena?

O clube de investimentos é uma forma de investir na Bolsa de Valores para quem tem poucos recursos ou não possui tantos conhecimentos sobre a renda variável.

Ao participar de um clube de investimentos o investidor tem um maior envolvimento com a dinâmica do mercado.

Conhecerá mais sobre tomada de decisões, contribuindo assim para seu aprendizado.

Para que o clube aproveite as oportunidades do mercado de capitais, é importante que haja afinidade entre os integrantes e harmonia rumo ao objetivo comum.

A participação em clubes de investimento vale a pena pelo aprendizado e contato direto com as decisões.

Porém, é preciso avaliar se o valor para o investimento compensa.

Depois que o número máximo de investidores reduziu de 150 para 50, o investidor precisa apresentar um patrimônio superior a R$ 150 mil para valer a pena.

Caso contrário, existem outras opções de investimento que compensam mais, incluindo os próprios fundos de investimentos.

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE