O que é Take Over?

Um take over ocorre quando uma empresa faz uma oferta bem-sucedida para assumir o controle ou adquirir outra. As aquisições podem ser feitas através da compra de uma participação majoritária na empresa-alvo.

Os take overs também são comumente feitos por meio do processo de fusão e aquisição. Em uma aquisição, a empresa que faz a oferta é o adquirente e a empresa sobre a qual deseja assumir o controle é chamada de alvo.

Os take overs são normalmente iniciados por uma empresa maior que busca adquirir uma menor. Eles podem ser voluntários, o que significa que são o resultado de uma decisão mútua entre as duas empresas.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Em outros casos, podem ser indesejáveis, caso em que o adquirente vai atrás do alvo sem seu conhecimento ou, algumas vezes, sem seu consentimento total.

Em finanças corporativas, pode haver uma variedade de maneiras de estruturar uma aquisição.

Um adquirente pode optar por assumir o controle das ações em circulação da empresa, comprar a empresa inteira imediatamente, fundir uma empresa adquirida para criar novas sinergias ou adquirir a empresa como uma subsidiária

Como funciona o Take Over?

Os take overs são bastante comuns no mundo dos negócios. No entanto, eles podem ser estruturados de várias maneiras. Se ambas as partes estão de acordo ou não, muitas vezes influenciará a estruturação de uma aquisição.

Lembre-se, se uma empresa possui mais de 50% das ações de uma empresa, é considerado o controle acionário.

O controle acionário exige que uma empresa contabilize a empresa controlada como subsidiária em suas demonstrações financeiras, e isso exige demonstrações financeiras consolidadas.

Uma participação de 20% a 50% é contabilizada de forma mais simples por meio do método de equivalência patrimonial.

Se ocorrer uma fusão ou aquisição total, as ações geralmente serão combinadas sob um símbolo. 

Formas de Take Over

Os take overs podem assumir muitas formas diferentes. Um take over bem-vindo ou amigável geralmente será estruturado como uma fusão ou aquisição.

Em geral, tudo corre bem porque os conselhos de administração de ambas as empresas costumam considerar isso uma situação positiva. A votação ainda deve ocorrer em uma aquisição amigável.

No entanto, quando o conselho de administração e os principais acionistas são a favor da aquisição, a votação da aquisição pode ser realizada com mais facilidade.

Normalmente, nesses casos de fusões ou aquisições, as ações serão combinadas sob um símbolo. Isso pode ser feito trocando ações dos acionistas do alvo por ações da entidade combinada.

Um take over indesejável ou hostil pode ser bastante agressivo, pois uma das partes não é um participante voluntário.

A empresa adquirente pode usar táticas desfavoráveis, como um ataque ao amanhecer, em que compra uma participação substancial na empresa-alvo assim que os mercados se abrem, fazendo com que o alvo perca o controle antes que perceba o que está acontecendo.

Um take over reverso ocorre quando uma empresa privada assume uma empresa pública. A empresa adquirente deve ter capital suficiente para financiar a aquisição.

Um take over progressivo ocorre quando uma empresa aumenta lentamente sua participação acionária em outra.

Uma vez que a participação acionária chega a 50% ou mais, a empresa adquirente é obrigada a responder pelos negócios do alvo por meio de relatórios de demonstrações financeiras consolidadas.

Os take overs graduais também podem envolver ativistas que compram cada vez mais ações de uma empresa com a intenção de criar valor por meio de mudanças na gestão.