O que é Social Democracia?

Social Democracia é uma ideologia política que defende intervenções do Estado para promover o bem-estar e justiça social dentro de um sistema capitalista.

A social democracia é também chamada Estado de bem-estar social, sendo considerada uma ideologia política de centro-esquerda.

Neste regime político, o Estado e os sindicatos exercem um importante papel para a regulação econômica, garantindo melhores condições de trabalho, uma distribuição de renda mais igualitária, além do compromisso com a democracia.

Podemos dizer que a social democracia, atualmente, domina a política dos países desenvolvidos, como os EUA, Alemanha, Japão, entre outros.

É um regime que também tem crescido nas últimas décadas em países em desenvolvimento como o Brasil.

Inclusive, a Constituição Federal de 1988 foi instituída com base nos preceitos da social-democracia.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona a Social Democracia?

A social democracia surgiu no século XIX, dentro do movimento operário, sendo considerada uma variante do socialismo

Entretanto, apesar de muitos confundirem esta ideologia política com o socialismo (ou comunismo marxista), a social democracia não exclui o capitalismo.

Inclusive, há aqueles que argumentam que a social democracia é uma maneira de resguardar o sistema capitalista contra um possível colapso.

Isso porque, embora seja um dos sistemas econômicos de maior sucesso na história humana, o capitalismo tem as suas falhas,chamadas de falhas de mercado.

Embora se considere o mercado como mecanismo de alocação de recursos mais eficiente já inventado pela humanidade, nem sempre ele funciona corretamente para todas as coisas.

Muitos criticam, por exemplo, o sistema de saúde privado por excluir grande parte da população de baixa renda. O mesmo vale para o sistema educacional.

Nestes casos, considera-se que saúde e educação não são setores que funcionam bem sobre as leis de mercado, visto que o objetivo de lucro, muitas vezes, são conflitantes com os valores que deveriam reger estes campos.

Para resolver este problema, a social democracia defende que o Estado deve intervir nestes setores que o mercado não consegue garantir o acesso universal aos bens e serviços.

Dessa forma, é comum países regidos pela social democracia oferecerem saúde e educação gratuita ou subsidiada para a sua população.

Neste regime político, o Estado também atua regulando os direitos trabalhistas, visando garantir um nível mínimo para a qualidade das condições de trabalho e remuneração para os trabalhadores.

Além disso, o Estado também pode atuar regulando outros setores, como o sistema financeiro e outros.

O objetivo é garantir um nível de demanda agregada e emprego para a população, além de combater crises econômicas.

Ao fazer isso, o objetivo é garantir que a sociedade como um todo tenha acesso aos bens e serviços básicos de subsistência e bem-estar.

Críticas à Social Democracia

Apesar de parecer algo positivo, a social democracia enfrenta fortes críticas quanto à sua forma de atuação.

O principal argumento contra esse regime ideológico é que a interferência e regulação do Estado gera grandes distúrbios econômicos.

Estes distúrbios atrapalham o funcionamento dos mecanismos de mercado, causando ineficiência de alocação e a maioria dos problemas econômicos que a sociedade enfrenta, que ironicamente são problemas que a social democracia visa conter.

Quando o Estado interfere nos mercados, a ineficiência gerada atrapalha o desenvolvimento econômico, gerando desemprego e crises.

Muitos economistas criticam ainda a social democracia por causa da elevada carga tributária requerida para garantir os bens e serviços fornecidos pelo Estado.

Muitas vezes, o excesso de gasto público gera desequilíbrios fiscais e inflação, causando problemas para a sociedade.

Isso, inclusive, anula os benefícios que esta ideologia busca gerar em termos de bem-estar social.

Seja como for, o embate entre economistas heterodoxos (que defendem a social democracia) e os economistas ortodoxos (que criticam este modelo) está longe de ter um fim.

Ambos os lados apresentam argumentos convincentes para defender seus ideais, de modo que a sociedade se mantenha constantemente dividida quanto ao melhor modelo econômico e social a seguir.