O que é mercado eficiente

Mercado eficiente é uma teoria que afirma que as ações listadas em Bolsa de Valores são sempre negociadas pelo seu valor justo.

De acordo com a teoria do mercado eficiente é impossível que investidores comprem ações subvalorizadas ou supervalorizadas, uma vez que o preço das ações possuem um valor justo em qualquer hipótese.

Para aqueles que acreditam na teoria do mercado eficiente, a única forma de um investidor conquistar retornos acima da média é através da compra de investimentos com maior grau de risco.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como surgiu a teoria do mercado eficiente

A teoria do mercado eficiente é atribuída a uma pesquisa de Eugene Fama, detalhada em seu livro "Efficient Capital Markets: A Review of Theory and Empirical Work", lançado em 1970.

Eugene Fama é um economista americano, vencedor do Prêmio Nobel de Ciências Econômicas em 2013, justamente devido a sua contribuição para a sociedade através da teoria do mercado eficiente.

No seu livro Eugene Fama explica que  um investidor não consegue alcançar por muito tempo, retornos superiores à média do mercado e aos seus principais índices, como o Ibovespa.

Eugene Fama ocupa atualmente, o cargo de professor no departamento de economia e negócios da Universidade de Chicago.

Teoria do mercado eficiente na prática

Na prática, a teoria do mercado eficiente é controversa e gera muita polêmica entre seus defensores e investidores que não conseguem ver qualquer fundamento no que a teoria ensina.

Por um lado, aqueles que defendem a teoria do mercado eficiente argumentam que a busca por ações subvalorizadas através de tendências (análise técnica) ou indicadores (análise fundamentalista) é inútil.

Os defensores do mercado eficiente acreditam que não há espaço para lucros excessivos no mercado de ações, uma vez que todos os títulos já estão precificados de forma justa e precisa.

Ainda, de acordo com os pressupostos do mercado eficiente, aqueles que superam o mercado o fazem não por habilidade, mas por sorte, devido às leis da probabilidade.

Por outro lado, os investidores que não acreditam na teoria do mercado eficiente, argumentam através de fatos e exemplos práticos, que é possível vencer o mercado por meio de análises e indicadores.

Um exemplo muito utilizado pelos críticos a teoria do mercado eficiente é o de Warren Buffett, um dos maiores investidores mundiais do mercado de ações na atualidade.

Warren Buffett garante que formou a sua ampla carteira de investimentos e patrimônio ao investir com consciência na Bolsa de Valores, sobretudo com base na análise fundamentalista e valuation de ações.

Além disso, os críticos à teoria de mercado eficiente utilizam fatos históricos, como a bolha imobiliária americana, para evidenciar que os preços das ações podem desviar significativamente de seus valores justos.

Tipos de mercado eficiente

Por ser considerada muito controversa, a teoria do mercado eficiente foi subdividida em três grupos ao longo do tempo, são eles:

Eficiência Forte: Os que defendem um mercado de eficiência forte, acreditam que todas as informações em um mercado, públicas ou privadas são contabilizadas no preço de uma ação. 

Sendo assim, a análise fundamentalista e a análise técnica não  podem ser utilizadas para obter ganhos superiores.

Eficiência Semi Forte: Por sua vez, para aqueles que defendem uma eficiência de mercado semi forte apenas às informações públicas são calculadas no preço atual das ações. 

Sendo assim, é possível que informações que não são de conhecimento público possam gerar alguma interferência no preço dos ativos.

Eficiência Fraca: Por fim, com base na eficiência fraca, todos os preços e fatos anteriores relacionados a uma ação refletem no seu preço atual. Sendo assim, a análise técnica não pode ser usada para prever e vencer o mercado.