O que é sinistro?

Sinistro é um acidente que causa danos e/ou prejuízos a um bem segurado, permitindo ao cliente fazer o pedido de assistência à seguradora.

Por exemplo, se uma pessoa bateu seu carro e o tipo de acidente está coberto pelas cláusulas da apólice, então o seguro poderá ser acionado para cobrir os gastos com o reparo.

Desta forma, este acidente é considerado como sinistro.

Por outro lado, se o veículo for roubado e a apólice do seguro não cobre esse tipo de ocorrência, então este caso não pode ser classificado como sinistro.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Tipos de sinistro

No geral, podemos chamar de sinistro todos os danos causados pelas situações cobertas na apólice.

Os danos passíveis de indenização pelo seguro podem ser classificados como parcial ou integral.

A perda parcial acontece quando o bem segurado pode ser reparado.

Já o sinistro integral, também chamado de perda total, ocorre quando o bem segurado não pode ser recuperado, seja por motivo de roubo, colisão, incêndio ou desmoronamento (em caso de imóveis).

O que fazer em caso de sinistro?

Quem tem um automóvel sabe como é fácil se envolver em acidentes. 

Em caso de sinistro, tenha em mente que alguns procedimentos podem ajudar a ter a melhor solução do problema, e também garantir a agilidade por parte da seguradora.

Tire o carro da via

Avalie a situação para saber o que fazer assim que o acidente tenha ocorrido.

Se ninguém se ferir e os veículos poderem se movimentar, devem ser imediatamente levados para um local onde não obstruam o tráfego nem comprometam a segurança de outros veículos. 

Se não for possível tirar o carro do local por causa dos danos sofridos com a batida, é necessário contatar o guincho da companhia de trânsito da cidade ou da seguradora.

É bom também sinalizar a área com o triângulo, posicionado a uma distância de pelo menos 30 metros para evitar novas colisões. 

Além disso, é preciso ligar o pisca-alerta.

O não cumprimento destes procedimentos pode render multa de R$130,16 e quatro pontos na CNH, conforme estabelecido no Código de Trânsito Brasileiro

Faça o boletim de ocorrências

Apesar de o Boletim de Ocorrência não ser necessário para chamar o guincho, é mais prudente fazer o registro. 

O boletim de ocorrência é um dos documentos imprescindíveis para que a seguradora possa viabilizar a indenização.

Quando não há vítimas, o boletim pode ser feito em qualquer unidade da PM ou pela internet, e deve relatar a cronologia do acidente, com os dados dos veículos (modelo e placa), dos motoristas (nome e RG) e das testemunhas, se houver.

Ligue para o seguradora

Em seguida, entre em contato com a sua seguradora e realize o Aviso de Sinistro

Neste aviso você terá que descrever o ocorrido para ser orientado sobre a documentação necessária para dar andamento ao processo.

Geralmente neste processo é pedido o documento do carro, cópias do RG, CPF, carteira de habilitação e registro de ocorrência.

Se você tiver contratado assistência 24h, a seguradora também dará suporte no local do incidente.

Vale lembrar que o ideal é fazer o Aviso de Sinistro o mais rápido possível, pois este documento é essencial para dar andamento no seu processo junto à seguradora.

O que é um seguro?

Um seguro é um contrato feito entre uma pessoa ou empresa e uma seguradora, que consiste em um instrumento que protege de um eventual prejuízo (sinistro) causado por várias coisas possíveis.

Esse contrato estabelece que alguma pessoa, bem material, patrimônio ou outro objeto – chamado de segurado – possuem cobertura contra determinados riscos.

Os riscos possíveis que são cobertos pelo seguro devem estar especificados na apólice do seguro.

Em outras palavras, o seguro é um mecanismo em que o contratante paga para que uma empresa (seguradora) assuma o risco de uma situação negativa acontecer.

O mais comum é o seguro de carro. Ao contratar um seguro, o proprietário deverá pagar uma taxa mensal. 

Em troca terá assegurado o seu veículo contra casos de roubo ou acidente.

Caso algo ruim aconteça com o carro, caberá à seguradora arcar com o prejuízo, pagando o conserto ou a compra de um carro novo ao segurado.

Neste caso, o pagamento recebido pela seguradora é referente ao valor estimado do risco de haver um prejuízo. 

Quanto maior a probabilidade do risco se concretizar, maior será o valor do seguro.

Para que a seguradora consiga lucrar, é necessário que o valor cobrado pelo seguro seja aquele em que o retorno esperado da operação seja elevado o suficiente para valer a pena assumir o risco.

Esse valor é chamado de prêmio do seguro

Ou seja, se nenhum risco jamais se concretizar, a seguradora ganhará todo o valor pago pelo segurado. 

Já no caso de algum risco se concretizar, a seguradora poderá perder mais do que ganha com o contrato do seguro.