Quem é Florian Bartunek?

Florian Bartunek é um dos gestores mais renomados do Brasil, estando à frente da gestora de ativos Constellation Asset.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Sua importância também se deve por ser sócio de nomes de grande relevância no mundo dos investimentos, como o famoso Jorge Paulo Lemann e o fundo americano Lone Pine Capital.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

A história de Florian Bartunek

Florian Bartunek nasceu em 21 de abril de 1969.

Estudou administração de empresas na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro, e iniciou a carreira no mercado financeiro no banco Pactual, em 1989.

Nessa época, o banco Pactual era um pequeno banco de investimentos que tinha entre seus sócios Paulo Guedes, Ministro da Economia do governo Bolsonaro.

Bartunek atuou no banco na mesma época em que outros relevantes personagens da instituição, como André Esteves e Roberto Sallouti.

Atualmente e respectivamente, Esteves e Sallouti são sócio e CEO do que depois veio a se tornar BTG Pactual (BPAC11).

No início de sua carreira, Bartunek foi um analista de investimentos, tendo se inspirado em investidores de grande importância, como George Soros.

Nos cinco anos iniciais trabalhando no banco Pactual, de um total de oito, Bartunek passou à condição de sócio, por meio da aquisição de ações.

Durante todo o período ele foi chefe de research, trader proprietário, responsável pelo asset management e gestor de todos os fundos.

Ainda no início dos anos 90 foi gestor do Infinity, considerado o fundo offshore mais rentável do mundo entre 1991 e 1996.

Em 1999, Bartunek saiu do Pactual para fundar a Utor Asset Management

A empresa foi criada para gerir os recursos do trio Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, então donos do banco Garantia.

A experiência deu tão certo que, em 2002, Bartunek se associou à Lemann para levar a mesma estratégia para todos os investidores do mercado, criando a Constellation.

Nos últimos três anos, os fundos da Constellation renderam entre o dobro e o triplo do Ibovespa, que teve retorno de cerca de 40% no período.

Lições de Florian Bartunek

Como em todos os ramos do conhecimento, é sempre bom prestar atenção nas palavras das pessoas experientes e de sucesso.

Isso não é diferente para o mundo dos investimentos.

Neste caso, Bartunek tem muito a ensinar para os investidores iniciantes, que estão entrando agora no mundo da bolsa de valores.

Segundo Bartunek, estudar e ler foram seus diferenciais. “No mercado financeiro e em outros também as coisas vão evoluindo e, se você não se atualiza, fica para trás”, aponta.

Contando mais de três décadas de vivência, a primeira lição que Bartunek quer ensinar aos investidores novatos é que o mercado é, ao mesmo tempo, mais complicado e mais fácil do que parece.

“Gostaria que tivessem a percepção de que o mundo dos investimentos não é só para o 'bambambam', o magnata. Que também podem cuidar melhor do seu dinheiro”, diz. 

Entretanto, a humildade é fator fundamental para evoluir: “Ao mesmo tempo, precisam admitir que sabem de menos e que, para conseguir bons ganhos, precisam estudar e se dedicar.”

Em sua opinião, o crescente interesse do brasileiro pela bolsa de valores tem ainda a vantagem de nos tornar cidadãos melhores. 

Quem investe em ações começa a notar como as ações do governo afetam o seu patrimônio e a sua vida. 

“Conhecer a lógica do mercado financeiro ajuda não só a ser um investidor melhor, mas também um empresário e um estudante melhor.”

Quando questionado sobre qual as melhores empresas para investir, Bartunek afirma que o grande diferencial das empresas de excelente desempenho é o de estar em um mercado com sólidas barreiras à entrada.

Mercados com barreiras à entrada são aqueles em que há dificuldade para o estabelecimento de novas empresas, de modo que aquelas que já estejam estabelecidas adquirem vantagens competitivas.

Todo setor apresenta barreiras à entrada, alguns maiores e outros menores. Um exemplo que ele cita de setor com elevada barreira à entrada é o de bebidas.

Neste caso, a imensidão territorial que demanda o desenvolvimento de uma rede de distribuição super sofisticada como a da cervejaria Ambev, e atrapalha os planos de rivais estrangeiros como a Heineken.

Entretanto, o fator das barreiras à entrada está cada vez mais difícil de ser estabelecido. Na opinião de Bartunek, isso se deve por causa da tecnologia. 

Os motoristas de táxi antigamente achavam que estavam protegidos pela licença de operação. Até que veio a Uber. 

A TV Globo acreditava que sua hegemonia nunca seria perturbada. Mas a Netflix transformou a maneira como os espectadores lidam com o entretenimento audiovisual.

“Este mundo está muito mais perigoso para as empresas, e interessante para o investimento”, afirma Bartunek.

Outras dicas valiosas que o gestor dá aos investidores é:

  • Só compre ações de companhias bem administradas, com donos ou executivos confiáveis.
  • Não analise apenas o preço, mas também a qualidade da companhia. Boas empresas se tornam baratas com o tempo.

Por fim, Bartunek é defensor do método value investing, ou seja, investir em valor, cuja filosofia é a base da análise fundamentalista.

Caso queira entender um pouco mais sobre os métodos de análise fundamentalista, saiba que temos um texto completo que aborda este tema bem aqui.