Uma das perguntas que surgem quando se decide comprar um bem material dos sonhos, como a casa própria, é se deve recorrer a um empréstimo ou financiamento imobiliário.

Como Saber a Hora de Entrar e Sair dos Investimentos? GI Wealth faz Gestão para Investimentos Superior a R$ 300 mil.

Idealmente, a resposta seria comprar à vista, porém, sabemos que essa, infelizmente, não é a realidade da maioria da população. Então como conseguir realizar esse sonho? 

Existem muitas linhas de crédito oferecidas nos bancos e financeiras. As duas com as melhores taxas são o financiamento imobiliário e o empréstimo consignado.

Em ambos os casos, você estará pegando dinheiro emprestado de uma instituição financeira para pagar posteriormente em determinado número de parcelas com acréscimo de juros.

No entanto, antes de entrar em uma dívida, uma das regras básicas é pesquisar as opções oferecidas nos melhores bancos e financeiras, bem como analisar as condições como prazo, taxa de juros e valor das parcelas. 

A melhor alternativa é aquela que oferece as melhores taxas e que não comprometa seu orçamento mensal.

Mas, atenção às mudanças da economia que podem alterar as ofertas e condições de contratação. 

Um exemplo disso foi o recente aumento da taxa Selic, que elevou os juros cobrados pelos empréstimos e financiamentos.

Descubra a melhor opção de crédito e o que você precisa considerar na hora de escolher entre um financiamento imobiliário ou empréstimo consignado para realizar seus sonhos de consumo.

O que é financiamento?

O financiamento é uma operação financeira para obter crédito onde uma instituição fornece recursos para outra parte para realizar um determinado objetivo.

Ou seja, para realizar um financiamento, é preciso especificar o destino do dinheiro, como comprar um imóvel,  um terreno, trocar de carro e reformar a casa.

O dinheiro precisa ter um destino certo e, se aprovado o financiamento, ele será encaminhado diretamente para este objetivo. 

Esse tipo de crédito é utilizado para objetivos de grande valor, como, por exemplo, a compra de uma casa.

A garantia está diretamente ligada ao bem que se pretende adquirir (alienação fiduciária). Nesse caso, em caso de descumprimento do pagamento acordado, a instituição pode pegar o bem.

O que é financiamento imobiliário?

O financiamento imobiliário, é uma linha de crédito com o objetivo específico de adquirir um imóvel. 

O prazo de quitação do financiamento imobiliário também costuma ser maior e pode levar até 30 anos.

Outro ponto importante é em relação ao comprometimento orçamentário, onde o valor das parcelas não pode ultrapassar 30% da renda familiar mensal. 

O que é empréstimo?

O empréstimo bancário é um contrato firmado entre o cliente e a instituição financeira, onde o primeiro recebe determinada quantia com a promessa de pagar no futuro acrescido de juros.

Diferentemente dos financiamentos, os recursos obtidos no empréstimo não precisam ter destinação específica.

Existem algumas opções de empréstimos, cada qual com condições de contratação diferentes. As principais, são:

  • Empréstimo pessoal: sem garantia, oferecido com base no seu histórico financeiro;
  • Empréstimo com garantia de imóvel: coloca seu imóvel como garantia e transforma até 60% do valor em crédito para usar como quiser;
  • Empréstimo com garantia de veículo: coloca seu veículo como garantia e libera crédito de até 80% do valor para usar como quiser;
  • Empréstimo com garantia de investimento: coloca as aplicações financeiras dos clientes como garantia, como é o caso dos fundos de renda fixa, poupança e CDBs;
  • Empréstimo consignado: descontado diretamente no contracheque, holerite ou benefício do INSS.

Antes de optar por uma modalidade, pesquise todas as opções que contemplam o seu perfil e quais oferecem as condições mais vantajosas e alinhadas com as suas necessidades.

O que é empréstimo consignado?

O empréstimo consignado, também conhecido como crédito consignado, é uma modalidade de crédito pessoal, onde as parcelas são descontadas diretamente no contracheque, holerite ou benefício do INSS. 

Ele é mais comum para funcionários públicos, aposentados e pensionistas, que com a renda comprovada, podem usá-la como fonte direta de pagamento.

Como as parcelas são descontadas diretamente do salário ou da aposentadoria, as instituições têm a confiança de que vão receber os pagamentos e oferecem taxas de juros mais baixas.

Onde Investir na Queda da Bolsa? Baixe a Lista de 3 Ações para Investir Agora.

Diferença entre empréstimo consignado e financiamento imobiliário

Financiamento e empréstimo são modalidades de crédito que se diferem principalmente quando a finalidade, praticidade, juros e tempo de pagamento.

Em geral, o financiamento imobiliário e o crédito consignado são conhecidos por oferecerem as melhores taxas.

Em ambos, o cliente precisa passar por uma análise de crédito antes que ele seja concedido pela instituição.

Veja as principais diferenças entre financiamento imobiliário e empréstimo consignado para você saber escolher a melhor opção para sua necessidade.

1 – Finalidade

Essa é a grande diferença entre financiamento e empréstimo.

Enquanto o financiamento tem uma finalidade específica e será usado para um objetivo definido, o empréstimo não precisa ser informado à instituição financeira.

No caso do financiamento imobiliário, os recursos são transferidos diretamente para viabilizar a construção ou compra do imóvel escolhido. 

No caso do empréstimo, o valor cai na conta do contratante, que pode usá-lo de acordo com seus próprios planos. 

2 – Praticidade

Por conta da finalidade específica, o financiamento é mais burocrático. 

É preciso comprovar o imóvel e realizar procedimentos que podem demorar um pouco mais. Isso torna o empréstimo uma modalidade de crédito mais prática.

3 – Juros

Esse é o ponto que favorece bastante o financiamento imobiliário e o que justifica toda burocracia.

Por ter um objetivo específico, as taxas de juros do financiamento costumam ser menores. 

Outro ponto que favorece os valores mais baixos é que o bem, nesse caso o imóvel, fica alienado à instituição.

O Custo Efetivo Total (CET), que inclui todos os juros e outras taxas embutidas no financiamento, está em média 8,99% ao ano.

Apesar das sucessivas altas na taxa Selic, alguns bancos tentam segurar a elevação dos juros do financiamento imobiliário. 

O financiamento imobiliário no Itaú Unibanco, por exemplo, passou de 7,3% para taxas a partir de 8,3% ao ano. 

O financiamento imobiliário no Santander está a uma taxa de juros que parte de 8,99% ao ano + TR.

A Caixa também atualizou as taxas de juros que partem de 8% a 8,99% ao ano. A linha pós-fixada com correção pelo IPCA, tem taxa de 2,95% a 4,95% + IPCA. 

Já o financiamento imobiliário no Banco do Brasil tem taxas a partir de 8,99% ao ano mais TR.

As taxas para o crédito consignado também mudaram. Com o reajuste, a tarifa máxima do empréstimo pessoal vai saltar de 1,80% para 2,14% ao mês. 

Uma média de juros de 16,14% ao ano, segundo o Banco Central.

O que é melhor?

Uma vez que o empréstimo consignado e o financiamento imobiliário são as duas modalidades de crédito que oferecem as menores taxas, é comum que as pessoas fiquem em dúvida entre um e outro.

Para escolher entre eles é importante que você tenha dois pontos bem claros: o destino do dinheiro e as condições específicas para contratar cada um.

Dependendo da finalidade que você for dar ao dinheiro, deverá escolher um ou outro. 

Se precisar do dinheiro para quitar alguma dívida, não terá outra opção senão recorrer a um empréstimo

Por outro lado, se você quiser comprar um imóvel, a melhor opção é o financiamento imobiliário. Não só pelas taxas de juros, mas também porque dificilmente conseguirá um empréstimo para uma quantia tão elevada. 

Além disso, com o financiamento de um imóvel comercial ou residencial, os prazos de pagamento são bem longos, chegando a mais de 20 ou 30 anos.

Para outras finalidades, que não seja a compra de um imóvel, ou de um carro, deverá recorrer ao empréstimo.

No caso do empréstimo consignado, nem todos podem utilizá-lo. Essa modalidade é destinada, em geral, para funcionários públicos, aposentados e pensionistas do INSS.

Se esse não for o seu caso, deverá analisar outras modalidades de empréstimo disponíveis e suas taxas.

Vale a pena pegar empréstimo para quitar um financiamento imobiliário?

Se você está cogitando pegar dinheiro emprestado para quitar o saldo devedor de um financiamento, seja de imóvel ou veículo, repense.

Não vale a pena pegar um empréstimo para quitar um financiamento, já que um financiamento imobiliário tem taxas de juros e Custo Efetivo Total mais baixos que qualquer empréstimo pessoal. 

Por isso, contrair uma nova dívida sairá mais caro que manter os pagamentos do crédito imobiliário. Se você quer diminuir sua dívida, há outras maneiras de amortizar o financiamento imobiliário e pagar menos juros.

Uma das maneiras é recorrer aos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Esse recurso vale para financiamentos feitos no âmbito do SFH (Sistema Financeiro de Habitação) e pode compor até 80% do valor de cada prestação por um período de 12 meses (que pode ser renovado a cada ano). 

Você pode ainda recorrer à portabilidade, migrando sua dívida para outra instituição financeira com taxa de juros e Custo Efetivo Total menores.

Mas a melhor forma de pagar o financiamento imobiliário com mais facilidade, é elaborar um eficiente planejamento financeiro para quitar a dívida o quanto antes. 

Comece cortando despesas desnecessárias e destine esse dinheiro para amortizar uma parte do seu financiamento. 

Além de cortar gastos, busque por recursos extras para ajudá-lo. Seja um trabalho freelancer, horas extras no trabalho ou o próprio dinheiro do 13º salário. 

Vender um bem mais caro, como um carro, também pode ser uma alternativa para reduzir o valor e o tempo da dívida.

Antes de recorrer a qualquer dívida cara, como empréstimos, financiamentos, crédito e cheque especial, tenha um bom planejamento para que isso não comprometa ainda mais seu orçamento.

A melhor forma de realizar seus sonhos é não antecipando-os. Para isso, comece a economizar e investir agora mesmo para seu futuro.

Não sabe por onde começar? Baixe o livro digital "Como Investir Começando do Zero", totalmente grátis e não deixe sua saúde financeira para depois.