A elétrica AES Brasil (TIET11) atualizou sua projeção de investimentos para o período entre 2021 e 2025 para cerca de R$ 2,4 bilhões, ante R$ 1,5 bilhão estimados anteriormente, após fechar contrato para fornecer energia à Ferbasa (FESA4).

A informação foi divulgada pela companhia nesta quinta-feira (4).

Anunciado no último dia 25 de fevereiro, o acordo de 20 anos com a Ferbasa prevê o desenvolvimento de um parque eólico no complexo Cajuína, no Rio Grande do Norte, que terá 165 megawatts (MW) de capacidade instalada.

"A companhia estima que o início de construção ocorrerá já em 2021 e que o Capex dispendido será de R$ 4,9 milhões/MW instalado", disse a controlada da norte-americana AES Corp em fato relevante publicado nesta quinta.

"Dessa maneira, a AES Brasil atualizou suas projeções referentes à previsão de investimentos para o período de 2021 a 2025", acrescentou, detalhando o aporte de 1,95 bilhão de reais para expansão no período, o que inclui R$ 918 milhões no complexo eólico Tucano e R$ 1,03 bilhão no Cajuína.

A AES Brasil, também conhecida como AES Tietê, ainda prevê investimentos de R$ 400,5 milhões em modernização e manutenção, além de contabilizar R$ 17,9 milhões em juros de capitalização.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

Resultado da AES Tietê no Quarto Trimestre de 2020

O resultado da AES Tietê (TIET11) no quarto trimestre de 2020 (4t20), divulgado no dia 24 de fevereiro, apresentou um lucro líquido de R$ 602,6 milhões, alta de 470,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O Ebitda da AES Tietê atingiu R$ 1,1 bilhão no 4t20, apresentando crescimento de 363,5% na comparação com o 4t19.

A margem Ebitda da AES Tietê totalizou 219,2% no 4t20, apresentando crescimento de 219,2 ponto percentual na comparação com o 4t19. 

A Margem líquida da AES Tietê atingiu 113,2% no 4t20, apresentando crescimento de 92,7 ponto percentual na comparação com o 4t19.

As ações da AES Tietê (TIET11) acumulam alta de 0,87% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e queda de 6,86% nos últimos 12 meses.

Fonte: Reuters