O que é Taxa de Saída?

A Taxa de Saída é um valor que incide sobre os fundos de investimento, sendo cobrada em resgates antecipados. Desse modo, representando uma possível perda dos retornos esperados do investimento.

Isso porque sua cobrança é realizada quando o pedido de resgate é feito antes do seu vencimento, às vezes, interferindo na rentabilidade total que a aplicação possui.

Essa taxa pode ser entendida como um meio de penalizar o investidor que faz o resgate do seu dinheiro antes da data estipulada. 

Ou seja, a taxa de saída age como um estímulo para que investidores mantenham seus Fundos de Investimentos por períodos mais longos. Normalmente, sendo aplicada nos:

No entanto, independentemente do seu tempo, algumas instituições cobram a taxa para que o investidor possa realizar seu resgate. É preciso se atentar a isso antes de escolher seus fundos.

Por exemplo, para a Previdência Privada isso acontece porque a taxa é usada para cobrir todos os valores de gestão do investimento. Aqueles referentes à seguradora e à administradora.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Para que Serve a Taxa de Saída?

A taxa de saída serve como um estímulo aos investidores, os incentivando a manter seus fundos de investimento no longo prazo. Ou seja, até o prazo previsto desde o início.

Por isso sua cobrança se reduz com o tempo em que a aplicação é mantida pelo investidor. Quanto maior for o tempo dele no fundo, menor será a cobrança da taxa.

Em muitos casos, chegando até mesmo a ser zerada. Por isso, ela costuma ser chamada ainda de taxa de carregamento, já que varia em função do tempo.

Isso ocorre quando ela é cobrada apenas no resgate, pois, quando cobrada no momento de aplicar no fundo, ela é chamada de taxa de entrada. 

Em todos os casos, a taxa de saída incide sobre o valor a ser resgatado ao invés do valor do fundo. Tendo sua rentabilidade comprometida porque a cobrança varia de acordo com: 

  • Tempo de antecipação para o resgate; 
  • Fundo de investimento em si.

Como funciona a Taxa de Saída?

Se por um lado a taxa de saída serve de estímulo, por outro ela funciona como uma penalidade aplicada pela gestão do fundo de investimento. 

De modo que o fundo não tenha perdas pela saída antecipada de um cotista. Esse tipo de taxa é ainda mais usado do que a taxa de entrada

Isso acontece porque nela o investidor consegue escolher resgatar sua cota de forma antecipada. Basta que ele pague o valor aplicado nesta ação.

A taxa de saída se comporta diferente de outras aplicações e fundos. Neles nem sempre existe uma taxação quando é feita uma retirada antes do prazo de vencimento.

A única coisa a ser cobrada é a alíquota no Imposto de Renda que encontra-se mais elevada. Ou então, o que ocorre é a queda de sua rentabilidade. 

O intuito é o mesmo: desestimular o investidor de resgatar antes do vencimento. Para evitar isso e não realizar nenhuma cobrança, existem ainda fundos que não autorizam um resgate antecipado.

Como é feita a cobrança da Taxa de Saída?

Essa taxa é cobrada a partir do momento em que acontece a solicitação de resgate do investimento por parte do investidor. Assim, a porcentagem é definida pelo regulamento do fundo.

Todas as taxas demais pré acordadas, também são aplicadas nesta etapa. Além disso, a taxa de saída varia ainda pelo valor total do resgate, existindo dois possíveis cenários:

  • Para alguns fundos de Previdência Privada a taxa será aplicada seja qual for o período que acontece o resgate e incide sobre o valor total resgatado;
  • Para alguns fundos de investimentos quanto maior for o tempo de aplicação menor será a taxa de saída, podendo então chegar a zero.

Após pagar a taxa de saída, o investidor terá a lucratividade de seu investimento definida, considerando-se os descontos. Portanto, antes de solicitar um resgate é importante realizar projeções.

Mas, o ideal é observar com atenção as regras do fundo antes de investir nele. Pois, essa é a única maneira possível de evitar surpresas desagradáveis.