O que é Risco Econômico e como funciona

Risco Econômico

O que é Risco Econômico. Significado, conceito, para que serve e como funciona.

O que é Risco Econômico?

Risco econômico se refere à possibilidade de questões macroeconômicas (a economia como um todo) afetarem o retorno de investimentos financeiros e em ativos reais.

Sobre as condições macroeconômicas que compõem o risco econômico, podemos citar vários fatores como:

  • Mudanças na política ou regulamentação governamental;
  • Flutuações nas taxas de câmbio;
  • Condução da política monetária;
  • Condução da política fiscal;
  • Instabilidade política;
  • Entre outras coisas mais.

Vejamos um pouco mais sobre o risco econômico e como isso pode afetar nossos investimentos.

Banner will be placed here

Entendendo o Risco Econômico

Como visto, há vários fatores que compõem o risco econômico.

No geral, o risco econômico se refere a todo evento que pode afetar seus investimentos que não estão diretamente relacionados ao negócio em si, mas à economia como um todo.

Portanto, antes de fazer um investimento ou iniciar novos projetos, é importante considerar o risco econômico para determinar a probabilidade de riscos potenciais serem compensados ​​pelos benefícios.

Por exemplo, em um empreendimento imobiliário, no qual uma construtora constrói casas para a venda, os riscos econômicos são diversos.

Neste caso, podemos citar o risco de uma recessão econômica, que irá diminuir a renda disponível da população para a compra de casas.

O aumento do desemprego poderá elevar a inadimplência entre aqueles que compraram casas e optaram pelo pagamento parcelado.

A queda do crédito, derivada do aumento do risco no sistema financeiro, impacta negativamente a demanda, o que dificulta novas vendas.

Há também o efeito do aumento de oferta de imóveis, resultante do pânico que acomete os investidores. Isso eleva a oferta de imóveis e, consequentemente, resulta em queda nos preços.

Tudo isso são efeitos macroeconômicos que devem ser levados em conta como risco econômico na hora de planejar o investimento.

Risco Econômico no mercado financeiro

O risco econômico é algo muito importante que todo investidor do mercado financeiro e de capitais deve ficar atento.

O risco econômico costuma também ser chamado de risco sistêmico, que é quando eventos macroeconômicos ruins derrubam os preços de todos os tipos de ativos financeiros.

Basicamente, o risco de mercado pode ser dividido em risco do ativo e risco sistêmico.

O risco do ativo está associado aos perigos relacionados a um ativo específico, como a ação de uma empresa.

Este último pode ser chamado também de risco não sistemático, risco específico, risco diversificável ou ainda risco residual.

Neste caso, o risco de mercado desta ação é referente aos processos que giram ao redor da empresa, como:

  • Estrutura de concorrência;
  • Regulação do setor;
  • Gestão do negócio;
  • Governança corporativa;
  • Expectativas quanto a demanda;
  • Mudança tecnológica,
  • Entre outras coisas mais que possam afetar a dinâmica da empresa em particular.

Para amenizar o risco do ativo, o investidor pode diversificar sua carteira de ativos, de modo a diluir o risco de prejuízo de cada empresa no desempenho da carteira de investimento como um todo.

o risco sistêmico é mais amplo, pois abrange fatores que afetam o desempenho de todos os mercados, e não apenas um setor específico.

Neste caso, o risco sistêmico não pode ser eliminado por meio da diversificação, embora possa ser coberto de outras maneiras, como a compra de opções para fazer proteção. 

As fontes desse tipo de risco de mercado incluem eventos mais gerais, como recessões, turbulências políticas, mudanças nas taxas de juros, desastres naturais e ataques terroristas. 

O risco sistêmico, ou de mercado, tende a influenciar todo o mercado ao mesmo tempo. 

No geral, o risco de mercado existe devido às mudanças de preço. O desvio padrão das mudanças nos preços de ações, moedas ou commodities é conhecido como volatilidade de preços

A volatilidade é avaliada em termos anualizados e pode ser expressa como um número absoluto (como R$10,00), ou uma porcentagem do valor inicial (como 10%).

Os investidores podem utilizar estratégias de hedge para se proteger contra a volatilidade e o risco de mercado.

Visando se proteger de riscos específicos, os investidores podem comprar opções de venda (puts) para se proteger contra um movimento negativo.

Já aqueles que queiram se proteger do risco de mercado (risco sistêmico), podem preferir comprar opções de venda de índice.

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE