Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia no final de fevereiro, as empresas globais perderam US$ 59 bilhões ao serem pressionadas por sanções e cortando operações comerciais no país, informou o Wall Street Journal na sexta-feira.

Quase 1.000 empresas ocidentais, segundo pesquisadores de Yale citados pelo jornal, se comprometeram a sair completamente da Rússia ou cortar alguns de seus negócios no local. 

Ativos anteriormente valiosos estão se tornando inúteis, o que significa que as empresas precisam fazer baixas contábeis à medida que diminuem de valor. Esses podem abranger varejistas, restaurantes, bancos e muito mais. 

A gigante do fast-food McDonald's (MCDC34), por exemplo, deve registrar uma cobrança contábil de mais de US$ 1,2 bilhão depois de vender seus restaurantes a um licenciado local. 

A empresa de aeronaves Aercap Holdings NV teve que arcar com uma cobrança contábil de US$ 2,7 bilhões em maio, depois que mais de 100 de seus aviões ficaram presos no país, informou o jornal.

No mesmo mês, a gigante do petróleo BP PLC viu um encargo contábil de US$ 25,5 bilhões em suas participações russas e uma baixa de US$ 13,5 bilhões em ações da Rosneft, embora ainda não tenha anunciado se vai vender seus ativos russos. 

Enquanto isso, a IBM (IBMB34) e a Microsoft (MSFT34) devem demitir centenas de funcionários na Rússia à medida que as empresas de tecnologia saem do país. 

“Como resultado das mudanças nas perspectivas econômicas e do impacto em nossos negócios na Rússia, tomamos a decisão de reduzir significativamente nossas operações na Rússia”, disse um porta-voz da Microsoft ao Insider anteriormente.

E mais problemas financeiros aguardam empresas com vínculos com a Rússia também, com mais sanções, grandes vendas e paralisações chegando. Analistas esperam mais consequências econômicas à medida que a guerra continua na Ucrânia.

Ainda assim, os pesquisadores de Yale sustentaram que os mercados estão "recompensando as empresas por deixarem a Rússia", já que os ganhos no preço das ações para as empresas que saem do país superaram "o custo de imparidades únicas para empresas que baixaram o valor de seus ativos russos". ."

Outras grandes corporações que estão saindo do país em guerra incluem Goldman Sachs, Uniqlo, Ikea e Spotify, entre outras. 

Fonte: Business Insider