O que é contrato de opção?

Contrato de opção é um contrato negociado no mercado de capitais que assegura as condições, direitos e deveres de negociação de um ativo financeiro em uma data futura.

Um contrato de opção estabelece um preço predefinido (preço de exercício) e uma data de vencimento em que a negociação poderá ou não ocorrer, a depender da situação.

Há dois tipos de contratos de opções:

  1. Opções de venda, também chamados de put;
  2. Opções de compra, também chamados de call

Os dois tipos de contratos podem ser comprados para especular sobre a direção das ações ou índices de ações, ou vendidos para gerar receita.

As opções também servem como um importante mecanismo de proteção para as carteiras de investimentos, prática que é chamada de hedge.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona um contrato de opção?

Contrato de opções são instrumentos negociados no mercado financeiro que dão o direito ao seu titular de comprar ou de vender um determinado ativo por um valor determinado em uma data específica do futuro. 

Esse instrumento é um tipo de derivativo, pois o preço de uma opção “deriva” do preço do ativo a que está atrelado.

No Brasil, o mais comum são as opções de ações.

Dessa forma, a pessoa que comprou uma opção de compra (call) de uma ação terá o direito de exercer a compra do ativo a um preço determinado em uma data futura (data de vencimento).

A vantagem dessa negociação é que, mesmo que a ação suba no período, o valor com que o detentor da opção pagará será o que está estipulado no contrato de opção.

Uma vez que a opção pode ser negociada no mercado, se o preço da ação subjacente sobe ocorrerá do preço da opção de compra também subir.

Com isso, o detentor do contrato de opção poderá decidir entre duas situações:

  1. Segurar o contrato até o vencimento e exercer seu direito de compra do ativo no preço estabelecido;
  2. Vender a opção de compra no mercado a um preço maior e embolsar o lucro.

Como se pode perceber, a compra e venda de opções é uma forma de se expor a uma ação sem precisar despender o valor total de sua compra, isso porque o preço de uma opção é bem mais barato do que uma ação.

Geralmente, o preço de uma opção dentro do dinheiro varia entre 0,5% a 3% do preço de uma ação.

Um contrato de opção está dentro do dinheiro quando o seu preço de exercício está próximo do preço do ativo no mercado.

Protegendo os investimentos com contrato de opção

Outra utilidade dos contratos de opções é a possibilidade de evitar perdas caso o mercado caia fortemente, como em períodos de crise financeira ou outros eventos inesperados.

Para isso, basta comprar contratos de venda (puts) no mercado. 

O contrato de venda, ao contrário das opções de compra, asseguram o direito do possuidor de vender uma ação ao preço preestabelecido.

Mesmo que a ação caia 100%, o possuidor do contrato terá o direito de vender a ação ao preço de exercício.

Isso é uma forma muito eficiente de fazer o hedge da carteira e se precaver quando há o receio de algum evento negativo.

Sendo assim, um contrato de opção de venda serve como uma espécie de seguro contra fortes oscilações do mercado.

Como todo seguro, fazer o hedge da carteira tem seu custo, geralmente na ordem de 0,5% a 3% da carteira, a depender da estrutura de proteção montada pelo investidor.

De qualquer forma, em certas situações, pode ser melhor perder 3% do que arriscar uma baixa de metade da carteira, por exemplo.

Vendendo contratos de opção

Vimos um pouco sobre as funcionalidades da compra de contratos de opção. Agora é hora de entender o outro lado da negociação.

Isso porque, para comprar um contrato de opção deve haver alguém disposto a vender esse direito de compra ou venda de uma ação.

Neste caso, todo direito é acompanhado de um dever. Ou seja, caso eu queira ter o direito de negociar um ativo a um determinado preço específico, outra pessoa terá que assumir um dever com essa negociação.

Por assumir uma tarefa, a pessoa que vende um contrato de opção deve ser remunerada por isso.

Portanto, é para o vendedor do contrato de opção que vai o dinheiro pago na compra do direito.

Consequentemente, em um contrato de opção de compra, caso a ação suba fortemente, o investidor que vendeu a call deverá vender o ativo ao portador do contrato.

Por outro lado, caso a ação caia fortemente, o vendedor da put precisará comprar do detentor do contrato os ativos ao preço estabelecido.

É por isso que as corretoras exigem garantias para os vendedores de contratos de opções. Essas garantias podem ser dinheiro, ações ou títulos de renda fixa.

Bem, aqui explicamos o básico sobre a negociação de opções. 

Caso tenha se interessado e queira saber mais sobre esse tipo de derivativo, saiba que temos um artigo completo explicando o assunto.