O que é Agravação de Risco

Agravação de Risco é o nome que se dá à situação na qual o risco vivido pelo beneficiário de um seguro de vida foi artificialmente incrementado. 

As razões para existir uma agravamento no risco podem tanto serem intencionais, premeditadas, visando a aplicação de um golpe, como serem por pura negligência ou descuido.

Quando o risco é agravado, a seguradora se reserva o direito de não pagar o prêmio acordado, pois no seu entendimento o segurado expôs sua vida de forma irresponsável.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona Agravação de Risco

Todo contrato de seguro, seja seguro de vida, seguro contra acidentes ou de equipamentos, possui em suas cláusulas a explicação de quais são os riscos cobertos pela seguradora.

Neste contrato também é estipulado as condições necessárias que precisam ser cumpridas para que o risco seja considerado válido.

Estas condições incluem as responsabilidades do indivíduo segurado, dos cuidados que este precisa tomar para que a garantia não se perca.

Uma vez que todas as condições estejam pré-determinadas em contrato com a anuência de ambas as partes, entende-se que o descumprimento das cláusulas desobriga a seguradora de ressarcir o segurado.

Portanto, seja por descuido ou má-intenção, se o segurado não se atentar às suas responsabilidades, ele pode ser acusado de estar causando uma agravação de risco.

As seguradoras não são responsáveis por arcar com os custos de uma situação que poderia ter sido evitada pelo segurado, caso este tivesse tomado mais cuidado.

Só o que pode ser feito, e apenas de antemão, é a negociação de um acordo mais abrangente com a seguradora, estipulando condições menos exigentes e específicas a serem cumpridas.

Agravação de Risco e sinistro

O maior risco que qualquer segurado pode correr se chama sinistro. Ou seja, quando o segurado perde a sua vida.

Nestes casos, o beneficiário do seguro são as pessoas que o segurado anteriormente estipulou. E, portanto, a seguradora deverá indenizar este ou estes indivíduos.

No entanto, mesmo quando o seguro serve para resguardar a vida de um indivíduo, ainda assim é necessário que algumas etapas sejam cumpridas.

Quando se trata de uma grande quantia acumulada que poderia beneficiar a terceiros, a seguradora precisa tomar muito cuidado. 

A última coisa que uma seguradora iria querer é que situações análogas começassem a ocorrer com outros segurados, pois a seguradora simplesmente não teria dinheiro para ressarcir a todos.

Portanto, o que a seguradora faz antes de pagar o prêmio estipulado, é averiguar se este sinistro não foi premeditado, ou se ele não poderia ter sido evitado.

Em outras palavras, a seguradora não indenizará os beneficiários caso verifique-se que:

  • A pessoa segurada cometeu suicídio;
  • A pessoa segurada estava sob efeito de entorpecentes e fora do seu estado mental habitual;
  • A pessoa segurada foi assassinada por um dos beneficiários.

Por fim, não é errado concluir que o seguro só funciona com a contribuição de muitos em detrimento do infortúnio de poucos. Caso contrário, seria um modelo de negócios insustentável. 

Importância de entender Agravação de Risco

Entender a importância da Agravação de Risco é fundamental para qualquer indivíduo que esteja considerando contratar um seguro, seja para si mesmo ou um objeto.

O fato é que seguros, na maioria das vezes, ainda mais se eles forem bem abrangentes, não são um serviço barato de se contratar.

Isso significa que se o segurado não estiver ciente das suas obrigações e responsabilidades, ele pode estar simplesmente alienando a si mesmo e perdendo dinheiro.

As seguradoras são altamente cuidadosas ao decidir se o segurado realmente terá direito ao prêmio acordado. É claro que eles possuem um prazo de 30 dias para fazer isso.

O que é tempo suficiente para escrutinar todas as possibilidades do ocorrido e, se for constatado a Agravação de Risco, o segurado não terá direito a nada.