O que é Síndrome de Burnout?

Burnout é uma síndrome conceituada como resultante do estresse crônico no local de trabalho que não foi administrado com sucesso. 

Essa síndrome está incluída na 11ª Revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-11) como um fenômeno ocupacional.

É também chamado de "síndrome do esgotamento profissional”. Em tradução livre para o português, burnout significa esgotamento.

O conceito surgiu nos Estados Unidos em meados dos anos 1970.

O burnout é caracterizado por três dimensões básicas:

  • sensação de esgotamento ou exaustão de energia;
  • aumento da distância mental do trabalho, ou sentimentos de negativismo, ou cinismo relacionados ao trabalho;
  • eficácia profissional reduzida.

O esgotamento se refere especificamente a fenômenos no contexto ocupacional e não deve ser aplicado para descrever experiências em outras áreas da vida.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona a Síndrome de Burnout?

O termo "Burnout" é usado para designar algo que deixou de funcionar por exaustão de energia. 

Segundo a Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, pode-se dizer que o termo descreve uma síndrome com características associadas, que representam uma resposta aos estressores laborais crônicos.

Em artigo de 1998, os autores Maslach e Goldberg levantaram as principais características do Burnout.

No estudo, foi visto que pessoas afetadas pelo Burnout mostraram sinais de exaustão emocional, despersonalização e reduzida realização profissional.

Esses sintomas vieram em decorrência de uma má adaptação do indivíduo a um trabalho prolongado, altamente estressante e com grande carga tensional.

Geralmente o Burnout foi avaliado nas categorias profissionais que envolvem o cuidado e o lidar com pessoas

As principais profissões que sofrem dessa síndrome são: professores, profissionais da enfermagem, policiais, bombeiros, médicos, dentre outros.

Os efeitos da Síndrome do Burnout interferem em todas as esferas da vida do indivíduo, com prejuízos pessoais e profissionais.

As consequências afetam inclusive o ambiente de trabalho, na medida em que os efeitos se refletem na produtividade, nos custos com o tratamento de saúde dos funcionários, na contratação e no treinamento de novos profissionais.

O surgimento do Burnout ocorre de maneira lenta e gradual, acometendo o indivíduo progressivamente. 

Geralmente há três estágios estabelecidos para o surgimento e instalação desta síndrome.

Em um primeiro momento, as demandas de trabalho são maiores que os recursos materiais e humanos, o que gera um estresse laboral no indivíduo. 

Nesse momento, o que é característico é a percepção de uma sobrecarga de trabalho, tanto qualitativa quanto quantitativa. 

No segundo momento, evidencia-se um esforço do indivíduo em adaptar-se e produzir uma resposta emocional ao desajuste percebido. 

Aparecem, então, sinais de fadiga, tensão, irritabilidade e até mesmo ansiedade, o que exige uma adaptação psicológica do sujeito, a qual reflete no seu trabalho, reduzindo seu interesse e sua responsabilidade pela função. 

Por fim, em um terceiro momento, ocorre o enfrentamento defensivo, ou seja, o sujeito produz uma troca de atitudes e condutas com a finalidade de defender-se das tensões experimentadas.

Isso ocasiona comportamentos de distanciamento emocional, retirada, cinismo e rigidez.

Como é o tratamento da síndrome de burnout?

O tratamento da síndrome de burnout pode ser feito por meio de dois métodos complementares:

  1. Tratamento psiquiátrico, com uso de medicamentos para tratar os sintomas.
  2. Tratamento psicológico, através de terapia e acompanhamentos constantes.

No primeiro, o psiquiatra pode indicar o uso de remédios antidepressivos, como Sertralina ou Fluoxetina, por exemplo.

O objetivo é ajudar a ultrapassar a sensação de inferioridade e de incapacidade e a ganhar confiança, que são os principais sintomas manifestados pelos portadores da Síndrome de Burnout.

Já o tratamento psicológico é feito através do acompanhamento constante de um psicólogo.

Essa parte do tratamento é muito importante, pois o terapeuta ajuda o paciente a encontrar estratégias para combater o estresse. 

O objetivo aqui é encontrar estratégias para superar a síndrome de Burnout. Essas estratégias podem ser: 

  • Reorganizar o tempo e a quantidade de trabalho, diminuindo as horas de trabalho ou as tarefas que é responsável;
  • Aumentar o convívio com amigos e outras pessoas de fora do ambiente de trabalho, para se distrair do estresse do trabalho;
  • Fazer atividades relaxantes, como ir ao cinema ou sair com os amigos, por exemplo;
  • Fazer exercício físico, como caminhada, academia ou pilates, por exemplo, para libertar o estresse acumulado.

O ideal é que o paciente faça ao mesmo tempo as várias técnicas para que a recuperação seja mais rápida e eficaz.