A lista recém divulgada da revista Forbes 30 Under 30 dos Estados Unidos 2022 lista alguns empreendedores com menos de 30 anos que revolucionam o mundo das finanças. Este ano conta com a presença de uma brasileira.

Luana Lopes Lara, de 25 anos, é uma das homenageadas na 10ª lista Forbes Under 30 americana que tem como objetivo identificar os jovens inovadores, pioneiros e disruptores.

A jovem co-fundou a Kalshi, plataforma que permite aos usuários fazerem apostas sobre qualquer tipo de evento, com o colega de MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) Tarek Mansour, também de 25 anos. 

Esta é a primeira empresa deste tipo a ser aprovada pelas agências reguladoras na história dos EUA.

A lista 30 Under 30 da Forbes 2022 na categoria Finanças conta com fundadores da Fintech, negociadores de Wall Street e empreendedores do mundo cripto.

As plataformas e serviços de criptoativos tiveram uma forte presença na lista. Onze das empresas apresentadas estão envolvidas com ativos digitais, um recorde.

Um exemplo é Antonio Juliano, o fundador e CEO da Dydx, plataforma de negociação de derivativos de criptomoedas voltada para investidores profissionais de fora dos EUA. 

Outro exemplo é Elena Nadolinski, fundadora e CEO da Iron Fish, empresa de criptomoedas com foco em privacidade. 

O aquecido mercado de tokens não fungíveis (NFTs) colocou Alex Atallah, o cofundador e CTO da OpenSea, no caminho de se tornar um dos mais novos bilionários das criptomoedas.

Muitos dos nomes da lista também vieram de fintechs, como Scott Kazmierowicz e Michael Spelfogel, fundadores da Cardless, que permite às marcas lançarem seus próprios cartões de crédito. 

Já os jovens que atuam em serviços financeiros tradicionais representam um terço da lista.

Os nomes da lista Forbes Under 30  foram escolhidos entre quase mil nomeações e avaliados por um conjunto de jurados renomados no segmento de finanças.

Veja alguns dos jovens empreendedores do setor financeiro na lista Forbes Under 30 dos EUA de 2022.

Luana Lopes Lara e Tarek Mansour

  • Idades: 25 e 25 anos
  • Cofundadores da Kalshi

Luana Lopes Lara e Tarek Mansour, colegas do MIT, criaram a plataforma Kalshi em 2018. 

Kalshi permite que os usuários criem uma pergunta e façam apostas em eventos futuros, como quantos americanos receberão uma vacina contra a Covid ou se este ano será o mais quente já registrado.

O dinheiro apostado pelos perdedores é dividido entre os usuários que acertaram a resposta, na proporção do palpite de cada um.

A empresa abriu as portas em 2018, mas a licença federal para funcionar só saiu em 2020

Embora apostar seja uma atividade legalizada nos Estados Unidos, em geral só é possível fazer palpites sobre eventos esportivos. 

Os bilionários Charles Schwab e Henry Kravis investiram US$ 40 milhões na startup junto com a firma de capital de risco Sequoia. 

Desde seu lançamento, em julho de 2021, a Kalshi já processou US$ 10 milhões em negociações.

Ambika Acharya

  • Idade: 27 
  • Cofundador da Weav

Ambika Acharya cofundou no início de 2020 a Weav, uma startup que agrega dados de vendas para pequenas empresas e os torna facilmente acessíveis, permitindo que os credores consigam avaliar em segundos o risco de conceder um empréstimo.

A empresa de tecnologia e serviços de pagamento americana Brex foi o primeiro cliente da Weav, usando-a para potencializar seu recurso de pagamentos instantâneos. 

Em agosto de 2021, a Brex comprou a Weav por US$ 50 milhões. 

Caroline Ellison e Sam Trabucco

Em agosto de 2021, o fundador bilionário da Alameda, Sam Bankman-Fried, promoveu os negociantes Caroline Ellison e Sam Trabucco a co-CEOs para que ele pudesse se concentrar em sua bolsa de criptomoedas FTX

Ao cobrar pontos básicos sobre o volume de US$ 5 bilhões por dia, a empresa de comércio quantitativo ganha cerca de US$ 3 a 4 milhões por dia. 

Ao investir essa receita em plataformas de blockchain como Uniswap e Compound, que conectam credores e devedores, a Alameda gera um adicional de 7% a 50% anualizado dependendo do ativo. 

Banner will be placed here

Alex Atallah

O engenheiro de software Alex Atallah trabalhou na Palantir e em duas startups em estágio inicial antes de fundar a OpenSea no início de 2018. 

A OpenSea é o maior mercado para os consumidores comprarem e venderem tokens não fungíveis (NFTs). 

O aquecimento do mercado de NFTs no ano de 2021 levou a empresa a atingir US$ 300 milhões em receita, ante menos de US$ 1 milhão no ano passado. 

Clinton Bembry

Clinton Bembry fundou a Slingshot, um portal único para acessar plataformas de negociação de DeFi em setembro de 2020.

Em vez de cobrar taxas sobre o volume, a empresa está experimentando o modelo de Robinhood, que cobra dos market pelo encaminhamento dos pedidos. 

A empresa agora está fechando um investimento avaliado em US$ 100 milhões e permite que os usuários auditem as negociações em um blockchain público. 

Antes da Slingshot,  Bembry que é formado em ciência da computação na Universidade de Minnesota, fundou a Toshint Capital, uma criptografia de proteção de US$ 30 milhões, e ajudou a construir a Astro Wallet comprada pela Coinbase em dezembro de 2019. 

Scott Kazmierowicz e Michael Spelfogel

  • Idades: 25 e 25 anos
  • Cofundadores da Cardless

Depois de trabalhar em bancos de investimento e pesquisa de cartão de crédito, Scott Kazmierowicz e Michael Spelfogel  notaram que não havia nenhuma empresa voltada para marcas de médio porte que quisessem lançar seus próprios cartões de crédito. 

Então, eles fundaram a Cardless em 2019, criando um software que permite às marcas lançarem seus próprios cartões. 

Eles criaram cartões para times de esportes profissionais como Boston Celtics, Cleveland Cavaliers e Miami Marlins. 

A Cardless arrecadou mais de US$ 50 milhões e está avaliada em US$ 315 milhões, de acordo com a PitchBook.

Antonio Juliano

  • Idade: 28 anos
  • Fundador do dYdX

Em 2017, após passagens como codificador na Coinbase e Uber, Antonio Juliano fundou a Dydx, uma plataforma de negociação de derivados de criptomoedas voltada para traders profissionais de fora dos EUA. 

A média, em volume diário de negociação, é de cerca de US$ 2 bilhões. Durante alguns dias em setembro, a Dydx ultrapassou a Coinbase, que movimenta cerca de US$ 5 bilhões.

A startup, que hoje tem 19 funcionários, trouxe uma receita de US$ 75 milhões nos primeiros nove meses de 2021 e espera chegar a US$ 125 milhões em receita para o ano inteiro e US$ 80 milhões em lucro líquido.

Akash Magoon

  • Idade: 25 anos
  • Cofundador da Nayya

Akash Magoon teve passagem pela Amazon Web Services e pela consultoria de dados Enigma antes de fundar a Nayya em 2019. 

A startup ajuda os consumidores a escolher o plano de seguro de saúde mais econômico, encontrar farmácias de baixo custo e usar contas de poupança de saúde com economia de impostos com mais frequência.

A empresa possui 400 clientes, incluindo a Guardian Life Insurance, uma das maiores seguradoras de vida da América. 

Nayya está a caminho de atingir US$ 7 milhões em receita em 2021 e está avaliada em US$ 230 milhões.

Alex Nesbitt

Alex Nesbitt é diretor da BC Partners, que ajudou a assinar e fechar negócios importantes, como a fusão entre a Cyxtera Technologies, uma das maiores empresas de data center nos EUA, com a SPAC (empresa de aquisição de propósito específico) Starboard Value Acquisition Corp. 

A operação de abertura de capital movimentou US$ 3,4 bilhões.

Antes de ingressar na BC, ele foi associado da Oak Hill Capital, onde ajudou na aquisição da Mercer Advisors, uma consultora de investimentos com US$ 16,5 bilhões em ativos sob gestão em 2019.

Hannah Buchan

Hannah Buchan é sócia da Beehouse, uma empresa de investimento de US$ 300 milhões focada na indústria legal da maconha.

A companhia já investiu dezenas de milhões de dólares em private equity, ações e negócios de dívida. 

Como primeira contratação da empresa, ela atuou nos conselhos de várias das empresas em que eles investiram. 

Antes de ingressar na Beehouse, Buchan foi analista de banco de investimento no Goldman Sachs.

Fonte: Forbes