O que é OPEP

OPEP é a sigla para a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, uma organização fundada em 1960 cujo objetivo é coordenar e unificar políticas de exportação e circulação de petróleo no mundo.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Em outros termos, OPEP é uma organização internacional formada por países que são reconhecidos como grandes produtores de petróleo.

Atualmente, ela é composta por treze países membros que estão espalhados pela África, América do Sul, Oriente Médio e Ásia, embora sua sede esteja estabelecida em Viena, na Áustria.

Para se ter uma ideia da força dessa organização, em 2018, os então membros representavam 44% da produção global de petróleo e 81,5% das reservas de petróleo encontradas no mundo.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Origem OPEP

A OPEP nasceu no dia 14 de setembro de 1960 através da atuação de cinco países fundadores, Irã, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita e Venezuela, em um evento conhecido como Conferência de Bagdá.

O objetivo dos membros, naquele momento, era criar uma organização que pudesse aumentar seus poderes de negociação perante as empresas que compram e distribuem o petróleo pelo mundo.

Ao longo do tempo, os outros países foram se inserindo na organização, como a Líbia (1962), Emirados Árabes (1967), Argélia (1969), Nigéria (1971), Gabão (1975), Angola (2007), Guiné Equatorial (2017) e Congo (2018).

História OPEP 

A OPEP passou, ao longo de sua história, por inúmeros eventos econômicos e políticos de grande magnitude, exercendo inclusive papel importante em crises e negociações.

O primeiro a ser destacado foi a Crise Petrolífera de 1973, na qual os países membros da OPEP resolveram anunciar um embargo em razão da insatisfação com o domínio de algumas empresas do petróleo.

Nesse contexto, os membros da OPEP pararam de exportar petróleo para o Ocidente, desencadeando uma série de consequências negativas para o mercado e para a economia internacional.

Os anos de 1979 e 1980 também presenciaram uma crise do petróleo. No entanto, nesse caso, uma revolução islâmica, denominada Revolução Iraniana, reduziu toda a produção de petróleo do país.

Em consequência, a economia mundial sentiu a queda da participação do Irã, mas também a elevação brusca do preço, com filas em postos e elevada procura pelos seus derivados.

Por fim, outro importante evento protagonizado pela OPEP foi a Guerra do Golfo, na qual o Iraque entrou em conflitos bélicos com o Kuwait, fechando a principal passagem de petróleo no mundo, o golfo pérsico.

Qual importância da OPEP 

A economia mundial ainda é muito dependente do petróleo como fonte de energia e matéria-prima. Em razão disso e do alto percentual de participação da OPEP, qualquer evento negativo pode desestabilizar economias.

Vale recordar que a OPEP foi fundada justamente para coordenar políticas relacionadas ao petróleo e aumentar a força dos produtores no mercado internacional.

Além de desestabilizações, é possível também que alterações nos preços dos barris de petróleo sejam resultado de mudanças na condução econômica ou política de algum membro da OPEP.

Dessa maneira, em síntese, a OPEP foi ganhando muita importância na geopolítica mundial, sendo protagonista em conflitos envolvendo o petróleo.

Impactos da OPEP no Brasil

Como dissemos acima, qualquer mudança na política econômica ou conflito que envolva países membros da OPEP pode desencadear efeitos negativos na economia mundial, inclusive no Brasil.

Esse impacto poderia ser sentido na bolsa de valores, nos preços dos combustíveis derivados de petróleo e também no valor do câmbio.

Por exemplo, se algum evento desencadear uma alta mundial do petróleo, com toda certeza haverá uma oscilação na bolsa de valores, principalmente nas ações que envolvem petrolíferas, como a Petrobras.

Nesse caso o câmbio também sofreria um forte impacto, pois o barril de petróleo interfere na cotação do dólar, que é a moeda base para as economias mundiais.