No ano passado Pequim foi a cidade com mais bilionários do mundo. Em 2022, Nova York recuperou sua coroa. 

Com 107 moradores bilionários, valendo mais de US$ 640 bilhões, a Big Apple é o lar de mais membros do seleto clube do que qualquer outra cidade do planeta. 

À medida que Nova York prosperava, problemas nos mercados da Ásia no ano passado fizeram Pequim e outras cidades chinesas caírem de posição em meio à repressões regulatórias do governo da China nos setores de tecnologia.

Apenas Xangai subiu um lugar no ranking, para o 5º lugar. Pequim caiu para o 2º lugar, Shenzhen caiu para o 6º e Hangzhou saiu do top 10. 

Ao todo, as cidades chinesas da lista das 10 maiores do ano perderam um total de 29 bilionários e cerca de US$ 375,6 bilhões em riqueza desde o ano passado. 

Ainda assim, a China tem mais cidades no top 10 do que qualquer outro país, superando os EUA, que é o vice-campeão com Nova York e São Francisco.

Mas os Estados Unidos ainda lideram com o maior número de bilionários, com 735 super-ricos no valor coletivo de US$ 4,7 trilhões, incluindo Elon Musk, que pela primeira vez lidera a lista de bilionários do mundo

A China (incluindo Macau e Hong Kong) continua em segundo lugar, com 607 bilionários no valor coletivo de US$ 2,3 trilhões.

Nenhuma cidade experimentou uma queda maior do que Moscou, que caiu da 4ª maior cidade bilionária em 2021 para a 7ª este ano. 

Sanções internacionais duras e mercados fechados fizeram com que 34 russos saíssem da Lista de Mais Ricos do Mundo de 2022, cerca de três quartos deles viviam em Moscou. 

A fortuna coletiva dos bilionários que vivem na capital da Rússia agora é de US$ 214,9 bilhões, abaixo dos US$ 420,6 bilhões do ano passado. 

Foi apenas uma década atrás que Moscou liderou a lista de cidades com o maior número de habitantes bilionários.

Se uns perdem, outros estão ganhando. É o caso de 4 países que conseguiram seus primeiros bilionários no ano passado: Barbados, Bulgária, Estônia e Uruguai.

A recém-chegada de maior destaque entre eles é a cantora e empresária dos cosméticos Rihanna, que se tornou a primeira bilionária de Barbados.

Outros, como Kristo Käärmann, da Estônia, e Andrés Bzurovski e Sergio Fogel, do Uruguai, também entraram na lista graças a um boom de suas fintechs. 

Käärmann cofundou a startup de pagamentos internacionais Wise em 2011 com o colega estoniano Taavet Hinrikus e se tornou bilionário em julho após o IPO da empresa na Bolsa de Valores de Londres

Já Bzurovski e Fogel, fundaram em 2016 a empresa dLocal, que agora ajuda gigantes como Amazon e Netflix a processar pagamentos de clientes internacionais, e abriu seu capital na Nasdaq em junho, tornando-os os primeiros bilionários a surgir do Uruguai.

Os irmãos búlgaros Georgi e Kiril Domuschiev vêm construindo suas fortunas há décadas. Os novos bilionários fundaram um conglomerado de investimentos na era pós-comunista da década de 1990.

Apesar das posições das cidades com mais bilionários mudarem dentro do ranking, elas permanecem basicamente as mesmas. 

A única nova cidade a entrar na lista este ano foi a capital sul-coreana de Seul, que substituiu Hangzhou na 10ª posição. 

Dos 2.668 bilionários na lista de bilionários deste ano, quase um quarto deles vive em apenas 10 lugares.

Aqui estão as 10 cidades do mundo com mais bilionários:

1- Nova York

Bilionários na cidade: 107 

Alteração desde ano passado: +8

Patrimônio líquido total: US$ 640,4 bilhões (+ US$ 797,9 bilhões em relação a 2021)

Residente mais rico: Michael Bloomberg, com US$ 82 bilhões

Nova York ganhou oito novos moradores bilionários no ano passado, mais do que qualquer outra cidade da lista. 

A maioria está no setor financeiro, incluindo o fundador da Thrive Capital, Josh Kushner, e o titã de private equity Ramzi Musallam. 

Outros recém-chegados a Nova York incluem os primeiros bilionários das criptomoedas Devin Finzer e Alex Atallah, os cofundadores da startup de blockchain NFT OpenSea. 

Apesar da concorrência acirrada, o magnata da mídia Michael Bloomberg continua sendo o residente mais rico, respondendo por cerca de 13% da riqueza bilionária total da cidade.

2- Pequim

Bilionários na cidade: 83 

Alteração desde ano passado: -17

Patrimônio líquido total: US$ 310 bilhões (-US$ 174,3 bilhões em relação a 2021)

Residente mais rico: Zhang Yiming, com US$ 50 bilhões

O aumento das repressões regulatórias do governo desencadeou uma perda para os super-ricos da capital da China. Ao todo, os bilionários chineses perderam US$ 174,3 bilhões de seu patrimônio líquido coletivo desde 2021. 

Com isso, 17 bilionários saíram da lista, incluindo Kate Wang, fundadora da gigante vaping chinesa RLX Technology, e Will Wei Cheng, CEO da empresa de carona Didi Global, cujas fortunas caíram abaixo do limite de US$ 1 bilhão. 

Um raro vencedor em meio à turbulência foi Zhang Yiming, fundador da ByteDance, proprietária do TikTok, e o residente mais rico de Pequim, que está US$ 14,4 bilhões mais rico do que no ano passado.

3- Hong Kong

Bilionários na cidade: 68

Alteração desde ano passado: -12

Patrimônio líquido total: US$ 304,6 bilhões (-US$ 143,8 bilhões em relação a 2021)

Residente mais rico: Lee Shau Kee com US$ 32,6 bilhões

Outra cidade que teve um queda dramática no número de bilionários foi Hong Kong com menos 12 super-ricos em meio a um ano de tumulto no mercado e protocolos rigorosos do Covid-19. 

A indústria do turismo estagnada derrubou os bilionários dos cassinos Ina Chan e Lawrence Ho, bem como o magnata do hotel Zhao Tongtong, das fileiras super-ricas da cidade.

A cidade também perdeu os bilionários, Shing-bor Tang e Lee Man Tat, que morreram em 2021.

Como os Milionários Investem? Conheça os 10 Passos para ser um Investidor de Sucesso.

4- Londres

Bilionários na cidade: 66 

Alteração desde ano passado: +3

Patrimônio líquido total: US$ 324,1 bilhões (+ US$ 8 bilhões em relação a 2021)

Residente mais rico: Len Blavatnik, com US$ 32,5 bilhões

Londres subiu para o quarto lugar da lista de cidades com mais bilionários em 2022 ao relaxar as restrições da pandemia. 

Embora tenha tido um ganho líquido de três novos bilionários, a cidade recebeu seis novos membros do clube, incluindo os primeiros cidadãos búlgaros e estonianos já nomeados bilionários pela Forbes, todos com residência principal em Londres. 

Vlad Yatsenko, diretor de tecnologia da gigante do banco digital Revolut, e Denis Sverdlow, que fundou a fabricante britânica de veículos eletrônicos Arrival, são outros novos bilionários que vivem em Londres.

5- Xangai

Bilionários na cidade: 61

Alteração desde ano passado: -3

Patrimônio líquido total: US$ 187 bilhões (-US$ 72,6 bilhões em relação a 2021)

Residente mais rico: Liu Yongxing, com US$ 13,2 bilhões

Xangai perdeu menos bilionários do que outras cidades chinesas, mas ainda viu seu número estável de residentes super-ricos cair, de 64 para 61. 

Xu Yi e Chen Rui, executivos da gigante de mídia chinesa Bilibili, e Tony Zhao, CEO da Nasdaq negociada online plataforma de vídeo e comunicação, foram os 3 ex-bilionários que deixaram a lista.

Contrariando a tendência, a pessoa mais rica de Xangai, Liu Yongxing, presidente da empresa de agricultura e produtos químicos East Hope Group, mais que dobrou sua fortuna no ano passado para cerca de US$ 13,2 bilhões.

6- Shenzhen

Bilionários na cidade: 59 

Alteração desde ano passado: -9

Patrimônio líquido total: US$ 286,6 bilhões (-US$ 128,7 bilhões em relação a 2021)

Residente mais rico: Ma Huateng, com US$ 37,2 bilhões

A cidade de Shenzhen, conhecida como o “Vale do Silício da China” caiu para o sexto lugar depois de perder nove residentes bilionários no ano passado. 

Três deles eram investidores da empresa de vaping Smoore International, cuja participação despencou 64% quando o governo chinês ameaçou reprimir os cigarros eletrônicos.

A pessoa mais rica de Shenzhen, o presidente e CEO da Tencent, Ma Huateng, também foi atingido, com sua fortuna caindo mais de US$ 28 bilhões desde 2021.

7- Moscou

Bilionários na cidade: 53 

Alteração desde ano passado: -26

Patrimônio líquido total: US$ 214,9 bilhões (-US$ 205,7 bilhões em relação a 2021)

Residente mais rico: Vladimir Lisin, com US$ 18,4 bilhões

Moscou perdeu mais bilionários do que qualquer outra cidade da lista em meio às consequências da invasão russa da Ucrânia. 

A fortuna total também foi abalada com apenas dois, dos 53 bilionários, que não perderam dinheiro em relação a sua fortuna do ano passado.

Vladimir Lisin, presidente do fabricante de produtos siderúrgicos NLMK Group e a pessoa mais rica de Moscou, perdeu cerca de US$ 8 bilhões de sua fortuna pessoal. 

Vinte e seis outros saíram da lista dos bilionários, incluindo Oleg Tinkov, fundador do banco digital Tinkoff, os bilionários sancionados Andrei Molchanov e Dmitry Pumpyanskiy e Arkady Volozh, fundador do Yandex, o equivalente russo a mecanismos de busca como Google e Yahoo.

Como os Milionários Investem? Conheça os 10 Passos para ser um Investidor de Sucesso.

8- Mumbai

Bilionários na cidade: 51 

Alteração desde ano passado: +3

Patrimônio líquido total: US$ 301,3 bilhões (+US$ 36,3 bilhões em relação a 2021)

Residente mais rico: Mukesh Ambani, com US$ 90,7 bilhões

A metrópole indiana manteve o 8º lugar com um ganho líquido de três bilionários em relação ao ano passado. 

Equilibrado por três saídas, Mumbai recebeu seis novos bilionários no ano passado, incluindo Falguni Nayar, que se tornou a mulher mais rica da Índia, com um patrimônio líquido estimado em US$ 4,5 bilhões, depois de abrir o capital de sua varejista de beleza e moda Nykaa em novembro.

O morador mais rico da cidade, o presidente da Reliance Industries, Mukesh Ambani, responde sozinho por mais de 30% do patrimônio líquido coletivo dos bilionários de Mumbai.

9- São Francisco

Bilionários na cidade: 44 bilionários

Alteração desde ano passado: -4

Patrimônio líquido total: US$ 160,8 bilhões (-US$ 29,2 bilhões em relação a 2021)

Residentes mais ricos: Brian Chesky e Dustin Moskovitz, com US$ 11,5 bilhões

Saindo do oitavo lugar, San Francisco é o lar de quatro bilionários a menos do que no ano passado. 

Na verdade, a cidade recebeu um grupo de novos empreendedores ultra-ricos, como o cofundador da Grammarly, Max Lytvyn; e Henrique Dubugras e Pedro Franceschi, de 26 e 25 anos (respectivamente) cofundadores da fintech Brex. 

Mas as fortunas em queda de outros, como o cofundador da Affirm, Max Levchin, o RingCentral Vlad Shmunis e o CEO da Skillz, Andrew Paradise – cada um dos quais saiu da lista da Forbes – deixaram a cidade com uma perda líquida.

10- Seul

Bilionários na cidade: 38 

Alteração desde ano passado: +4

Patrimônio líquido total: US$ 108,3 bilhões (-US$ 13,8 bilhões em relação a 2021)

Residentes mais ricos: Kim Beom-su e Jay Y. Lee, com US$ 9,1 bilhões

A capital sul-coreana está de volta à lista pela primeira vez desde 2019. 

Três dos recém-chegados bilionários de Seul são self-made. O empresário de testes Covid-19 Cho Young-sik, o fundador da fintech Lee Seung-Gun e o magnata dos jogos Park Kwan-ho. 

Empatados como os moradores mais ricos da cidade estão Kim Beom-su, fundador do Kako, o maior aplicativo de mensagens da Coreia do Sul, e Jay Y. Lee, vice-presidente da Samsung Electronics, que valem cerca de US$ 9,1 bilhões cada.

Fonte: Forbes