Mercado de Minério de Ferro Pode Ter Déficit com Paralisação na Vale
| ,

Mercado de Minério de Ferro Pode Ter Déficit com Paralisação na Vale

UBS alerta que paralisação das operações da Vale no Brasil pode causar déficit de minério de ferro no mercado global.

Por
Atualizado em 10/06/2020

UBS alerta que paralisação das operações da Vale no Brasil pode causar déficit de minério de ferro no mercado global.

Segundo o UBS, se for mantida a paralisação do complexo da Vale (VALE3) em Itabira, estabelecida após funcionários da empresa contraírem Covid-19, a oferta de minério de ferro no mercado global deve cair e pode haver déficit.

O UBS prevê que os preços do metal, que dispararam após a determinação judicial do fechamento do complexo, devem se manter elevados até que a situação da produção e da oferta torne-se mais clara.

Atualmente, os contratos futuros estão acima de US$ 100 por tonelada de minério de ferro. Recentemente, a Marinha optou por afundar um dos navios da Vale levando minério de ferro para a China que encalhou na costa maranhense.

Como ser Sócio dos Melhores Negócios? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Empresas para Investir”.

Crescimento da demanda da China também impactou a escalada dos preços

Não foi apenas a paralisação das operações da Vale em Itabira, que responde por 10% da produção anual da empresa, que fez os preços do minério de ferro escalarem. O crescimento da demanda da China também teve um impacto importante.

Na economia do país asiático, o setor de construção civil está liderando a recuperação, aumentando a procura por aço e, consequentemente, o consumo de minério de ferro usado em sua produção pelas siderúrgicas.

Equilíbrio do preço está sobre o fio da navalha

De acordo com o relatório do UBS, o preço do minério de ferro está em equilíbrio porque oferta e demanda estão equiparadas no momento.

Porém, se as operações de Itabira permanecerem paralisadas e não houver queda na demanda, o déficit resultante – estimado em 5 milhões de toneladas – pode acabar com esse equilíbrio.

Enquanto o cenário não é confirmado, o UBS projeta cotação de US$ 86 para o segundo semestre. A projeção do National Australia Bank é de US$ 90 em 2020 e US$ 83 em 2021.

Notícias do Mercado Financeiro

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE