O que é Manufatura

Manufatura é o termo utilizado atualmente para designar todo e qualquer processo de produção que é responsável por transformar uma matéria prima em um produto acabado

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

A palavra Manufatura vem do latim manu e factura, significando fazer com as mãos em uma tradução literal. 

Entretanto, desde a Revolução Industrial, o emprego dessa palavra vem sendo realizado em outros contextos que não somente o da produção manual de produtos.  

Isso quer dizer que nos dias de hoje a Manufatura compreende não somente o artesanato e os processos manuais de produção, como também a produção realizada através de máquinas e outras tecnologias

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

História da Manufatura

A história da manufatura acompanha toda a história da humanidade desde seus primórdios. 

A transformação de matéria prima em produtos desenvolvidos foi um método essencial de sobrevivência para o ser humano desde a pré-história. Um grande exemplo disso é a produção de roupas e armas, realizada desde muito tempo.

Durante a Antiguidade, outro importante período para a história da humanidade, a realização de manufaturas também se fazia muito presente, especialmente quando consideramos o trabalho dos inúmeros artesãos especializados

Estes, através de suas habilidades, modificavam a matéria-prima existente e as utilizavam em diversos produtos, como, por exemplo, nas roupas produzidas a partir do algodão. 

Entretanto, com o passar do tempo e com o desenvolvimento de diversas tecnologias, o que se viu foi uma readequação do conceito de Manufatura. 

A partir da Revolução Industrial, não mais somente o trabalho desempenhado pelos artesãos poderia ser abarcado pelo conceito, como também todo e qualquer processo de produção

Nesse caso, tanto os produtos produzidos por seres humanos quanto os que eram produzidos através do intermédio de máquinas ou outras tecnologias desenvolvidas passaram a ser considerados manufaturas. 

Evolução da Manufatura

A partir da Revolução Industrial, o conceito de manufatura se dissocia exclusivamente da produção manual e passa a abranger outros tipos de produção, abarcando o conceito de transformação de matéria prima como um todo. 

Isso porque, nesse período, as máquinas passaram a ganhar um destaque muito grande na transformação e desenvolvimento de produtos. 

Com isso, a Manufatura passou a dar lugar à produção de bens que eram também originários de máquinas, o que permitiu um enorme desenvolvimento científico.

Esse desenvolvimento, que passou a garantir um aprimoramento constante e exponencial das tecnologias de produção, possibilitou a implementação gradual de uma fabricação em larga escala

Isto foi responsável por fundamentar um importante método de produção: o Fordismo, descrito e adaptado pelo engenheiro mecânico estadunidense, Henry Ford

Durante um tempo considerável esse modelo de produção, que era caracterizado pela produção em escala, mão de obra especializada e divisão do trabalho, foi o norteador da produção mundial, especialmente nos Estados Unidos. 

Entretanto, com o passar do tempo percebeu-se que a aplicação do Fordismo era insustentável em algumas realidades, visto que exigia um consumo muito alto de matéria prima e gerava também desperdício dos bens produzidos. 

Além disso, ele era uma engrenagem para a ocorrência de grandes crises, como a Crise de 1929, responsável por um desemprego geral da população e pela quebra da bolsa de valores

A partir dessas constatações, surgiram alguns outros importantes modelos de Manufatura, como, por exemplo, o Toyotismo

Manufatura e Toyotismo

O Toyotismo foi um modelo de produção desenvolvido pela Toyota Company, uma empresa japonesa muito conhecida atualmente. 

Em todo o contexto de escassez pós Segunda Guerra Mundial, a produção em escala e com muitos excedentes promovida pelo Fordismo não mais se aplicava a realidade de todos os países, como era o caso do Japão. 

Tendo isso em vista, foi desenvolvido um novo método de realização de Manufatura, onde acreditava-se no método Just-In-Time

Nele a produção não era realizada em larga escala, mas sim adaptada à demanda da população, evitando a formação de estoques e o desperdício de produtos.