O que é Livro Razão

Livro Razão é um registro feito no qual as transações que são realizadas no Livro Diário são registradas nas contas contábeis correspondentes.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Sendo assim, as mesmas informações que são encontradas no Livro Diário também são encontradas no Livro Razão, porém a forma como as informações são registradas se torna diferente.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Livro Razão e Livro Diário

Muitos investidores já estão acostumados a usar o Livro Diário, pois afinal, todas as transações financeiras de toda empresa são registradas lá.

Por sua vez, nem todos os empreendedores conhecem o Livro Razão que é muito utilizado no âmbito empresarial.

Esses dois livros acabam se complementando no fim das contas, porém existem algumas diferenças entre eles.

O Livro Razão, por exemplo, é apontado como uma versão mais crítica do Livro Diário, pois a maneira como os dados são apontados no primeiro citado é mais analítica.

Um dos motivos para isso ocorrer é que o Livro Razão separa as contas contábeis de maneira mais assertiva, o que facilita muito o processo contábil.

Essa é a principal característica entre os dois Livros citados que define bem, no fim das contas, qual a função de cada um.

Outrossim, é por meio dessa característica que é possível obter uma visão ampla sobre o patrimônio de uma empresa.

Por sua vez, o Livro Razão não precisa seguir necessariamente todas as formalidades que são aplicadas no Livro Diário. Um exemplo disso é a Junta Comercial que não é necessário nele.

Porém, apesar de possuírem algumas diferenças, eles também acabam apresentando algumas semelhanças entre si.

Como o fato de ambos possuírem o respeito pela ordem cronológica das transações, a qual é obedecida pelo método das partidas dobradas.

Registro no Livro Razão

Hoje em dia, não é exigido que o Livro Razão possua encadernação, porém ele deve conter alguns dados, como as assinaturas do representante legal da empresa.

Outrossim, o registro no Livro Razão deve apresentar alguns dados, os quais são:

  • Nome e código da conta contábil à qual a transação se refere;
  • Data de lançamento;
  • Histórico do lançamento, ou seja, descrição completa da transação;
  • Contrapartida, ou seja, a conta contábil que complementa o lançamento;
  • Débito e crédito, isto é, o valor a ser acrescido ou diminuído do saldo anterior da conta;
  • Novo saldo da conta;
  • Indicação da natureza do saldo da conta, que pode ser “D” (devedor) ou “C” (credor).

Por conta do Sistema Público de Escritura Digital (SPED), o registro pode ser feito por meio da Escrituração Digital Contábil (ECD), e por conta disso pode ser transmitida de maneira eletrônica.

Empresas que podem adotar o Livro Razão

Apesar do Livro Razão demonstrar um papel fundamental para o funcionamento pleno das mais diferentes empresas, ele não é obrigatório para o uso delas.

Ou seja, apenas as que adotam o regime de tributação pelo Lucro Real possuem a obrigação de realizar a escrituração no livro.

Outrossim, mesmo que a escrituração se demonstre obrigatória, não é necessário a sua autenticação pela Junta Comercial.

Livro Razão e Livro Caixa

Conforme dito anteriormente, os dois livros citados acabam demonstrando uma ligação entre eles muito forte.

Porém, há um outro livro do âmbito empresarial muito importante que vale ser citado: o Livro Caixa.

A principal diferença entre o Livro Razão e o Livro Caixa, é que um registra as transações financeiras e o outro as movimentações referentes ao caixa da companhia.

Sendo assim, as transações que aparecem descritas no Livro Razão, consequentemente vão acabar aparecendo no Livro Caixa, pois são transações financeiras.

Apesar de ambos os livros possuírem foco nas transações financeiras, eles não se limitam a isso, pois no Livro Razão por exemplo é exposto alguns outros dados, como a assinatura do representante legal da empresa.

Pelo fato de ser um pouco complexo o processo relacionado à contabilidade dos Livros envolvidos, é recomendado a assessoria contábil para os investidores mais leigos.