O grupo Iochpe-Maxion (MYPK3) vai investir R$ 100 milhões para aumentar a capacidade produtiva de sua fábrica em Cruzeiro (SP), onde produz rodas e componentes para o segmento de caminhões.

O investimento ocorre num momento de estabilidade nas vendas de caminhões, ante um mercado total de veículos que está caindo mais de 20% em relação a 2021. A aposta é que as vendas de pesados cresçam em 2023.

O presidente da companhia, Marcos Oliveira, diz que a ampliação vai possibilitar aumento de 20% na capacidade atual, com o incremento anual de 400 mil rodas para caminhões.

A produção de rodas para equipamentos agrícolas será ampliada em 110 mil unidades. "Também vamos investir em novas tecnologias e digitalização da fábrica", diz.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

No caso dos caminhões, Oliveira explica que há projeções de aumento de demanda tanto para transportes de longa distância como para o chamado last mile, usado por empresas de entregas de produtos adquiridos pela internet e que ficam armazenados em galpões próximos aos grandes centros.

As obras de ampliação serão concluídas no primeiro trimestre de 2023, para as rodas de caminhões, e no terceiro trimestre para agrícolas.

Oliveira informa que haverá contratações na fábrica, mas que vão ocorrer à medida que a capacidade for adicionada.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

A multinacional brasileira é líder global na produção de rodas automotivas e a maior em componentes estruturais nas Américas.

O mercado de caminhões vendeu de janeiro a abril 36,2 mil unidades, 1% a mais que em igual período de 2021. Já o de automóveis e comerciais leves teve queda de 22,7%, para 512,2 mil unidades.

Na soma total, incluindo ônibus, a queda é de 21,4%, segundo a Anfavea, a associação das montadoras.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

A Iochpe-Maxion tem 32 fábricas em 14 países, duas delas inauguradas neste ano, na Índia e na China.

Mesmo com a escassez de semicondutores, a empresa prevê um mercado de 2,2 milhões de veículos no Brasil, 7% a mais que em 2021.

Fonte: Estadão Conteúdo.