O que é ICAPM

ICAPM é um modelo de precificação intertemporal dos ativos financeiros que pressupõe que os investidores protejam posições de risco.

O ICAPM é uma extensão do modelo de precificação de ativos de capital (sigla em inglês, CAPM) e surgiu em 1973 criado por Robert Merton que recebeu o prêmio nobel de economia por isso. 

O CAPM é um modelo de investimento que tem a finalidade de auxiliar nos cálculos de retorno potencial do investimento com base no nível de risco. Já o ICAPM permite a proteção do investidor diante das incertezas do mercado, construindo uma carteira que protege contra o risco.

A palavra intertemporal presente no ICAPM diz respeito ao desenvolvimento de estratégias que mudam conforme as condições de mercado e de riscos

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona o ICAPM

O ICAPM é um modelo de cálculo financeiro que tenta prever o retorno esperado de um título. O CAMP pressupõe que os investidores estão mais preocupados com a volatilidade dos retornos de um investimento. 

Já no ICAPM se entende que o investidor participa do mercado financeiro por longos períodos e necessita de estratégias que vão se adaptando com o passar dos anos. Portanto, a palavra intertemporal é referente a oportunidade de investimento ao longo do tempo. 

Nesse modelo, observa-se que como o investidor possui investimentos de longos prazos esses podem mudar à medida que as expectativas de risco mudam, o que resulta em situações em que o investidor deseja fazer hedge, ou seja, uma espécie de seguro de investimento.

Com isso, podemos dizer que o modelo ICAPM tem resultados mais precisos comparados a outros tipos de modelos de precificação, pois tem uma visão dos comportamentos financeiros dos investidores. 

Podemos citar duas premissas do modelo matemático: 

  • A atuação dos investidores no longo prazo;
  • Construção de uma carteira dinâmica com a finalidade de se proteger do risco. 

Entretanto, o modelo não traz a definição do que são os riscos dos quais os investidores poderiam tentar se proteger e não relata o impacto que essa proteção tem nos cálculos dos preços dos ativos. 

Há diversos tipos de riscos considerados pelos investidores, como por exemplo a desvalorização das ações, a quebra da empresa emissora de ações e até mesmo a recessão econômica de um país. Entretanto, o modelo não consegue levantar esses fatores e nem quantificar seu impacto sobre a precificação. 

Diante disso, diversos especialistas pesquisam dados históricos da precificação dos ativos com a finalidade de identificar correlações entre os fatores de risco de risco e as flutuações de preços.  

ICAPM e os investimentos

Conforme citado acima, existem uma série de riscos nos investimentos e muitas vezes o investidor estabelece a ordem de probabilidade desses riscos ocorrem durante o período de investimento. Quanto mais provável um risco tem de ocorrer maior será o preço dos ativos que poderão proteger. 

Quando um risco tem uma menor probabilidade de ocorrer, provavelmente seu preço dos ativos que possam proteger desse risco iminente diminui

Em outras palavras, um investidor entende que ao aplicar parte do seu capital na renda variável constrói uma carteira composta por small caps e entende que os riscos mais prováveis sejam a falência das empresas, seguida pela recessão econômica e quebra da bolsa de valores por exemplo. 

Nessa situação, provavelmente a precificação dos ativos que protegem esse investidor das falências das empresas serão mais caros do que o preço dos ativos que o protegerá do risco da quebra da bolsa. 

Com isso, vale ressaltar que é necessário entender o mercado financeiro e conhecer os riscos de cada tipo de estratégia de investimento para então conseguir avaliar a precificação dos ativos de risco. 

Além disso, é importante que o investidor analise um conjunto de indicadores que poderão auxiliar na tomada de decisão de investir.