O que é Golden Parachute

Golden Parachute pode ser traduzido como Paraquedas de Dourado, é um termo utilizado para um conjunto de benefícios concedidos a executivos. 

Golden Parachute é um benefício concedido em contrato, em geral, para executivos de alto escalão para casos de fusão de empresas, momento em que há troca de gestão.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona o Golden Parachute

Com a fusão de empresas muitas vezes ocorre o remanejamento ou desligamento de diretores, que leva à quebra de contrato, por isso, alguns executivos optam pelo Golden Parachute.

O objetivo do Golden Parachute é amenizar os danos aos executivos ao deixar seu cargo dentro da empresa. 

Há alguns benefícios mais comuns incluídos nesse tipo de contrato, como por exemplo: 

  • Indenização de rescisão de contrato
  • Pagamento de fundo de pensão
  • Manutenção de seguro-saúde vitalício ou até a data acordada em contrato
  • Plano de remuneração por ações da empresa (Stock Options)
  • Pagamento de despesas jurídicas

Na elaboração do contrato, podem haver outras cláusulas de acordo com a preferência da empresa e do executivo. 

História do Golden Parachute

Na década de 80 nos Estados Unidos, o mercado de financiamento estava aquecido tornando-se possível a aquisição hostil de empresas por meio de junk bonds (ativos de alto risco).

Nesse contexto, nenhuma empresa estava a salvo de uma aquisição forçada, o que se tornou comum o desligamento de executivos. 

Em 1986, mais de um terço das maiores empresas dos EUA adotaram em contrato benefícios de pagamentos em dinheiro em caso de alterações no controle administrativo.

Para compensar a quebra de contrato, os Golden Parachute e muitos outros programas de benefícios como Golden Coffin (Caixão Dourado), foram criados nesse período.

Nessa época era comum acordos de Golden Parachute na faixa de milhares de dólares, com diversos tipos de benefícios e muitas vezes abusivos.

Contudo, na crise de 2008 muitas empresas estavam à beira do colapso e revisaram esses tipos de programas que sofreram diversas modificações.

Condições menos generosas, reformulação de cálculos e alguns mecanismos foram adotados na tentativa de barrar contratos abusivos.

O Golden Parachute voltou a ser utilizado em casos de fusão de empresas que tivessem alteração em cargos de executivos ou no controle da empresa.

Porém, se manteve a utilização em casos de má gestão, conduta indevida ou investigação criminal de executivos, o que divide especialistas no assunto.

Polêmicas do Golden Parachute

Desde o início, havia diversificação de tipos de acordos, algumas companhias tinham acordos de Golden Parachute muito restritivos, apenas para o CEO e em outras companhias havia acordos que se aplicavam a mais de 500 funcionários.

O alto pagamento desses pacotes de benefícios começou a ser questionado por acionistas que entendiam que eram pagos por recompensa de fracasso dos executivos.

No entanto, a prática de Golden Parachute continua e não há consenso sobre sua adoção. 

As principais vantagens estão ligadas a retenção de talentos dentro das empresas e atração de executivos. 

Opositores do Golden Parachute argumentam que executivos de alto escalão, possuem pagamentos e benefícios atrativos não sendo necessário a adoção desse tipo de programa. 

Nessa mesma linha, há quem diga que com a fusão de empresas muitos funcionários podem ser desligados e sofrerem com a quebra de contrato, porém a esses há pouco ou nenhum benefício semelhante.

É polêmico também o pagamento do Golden Parachute a executivos em processo de investigação de má conduta ou envolvidos em fraudes.

Casos de Golden Parachute

Em 2015, a Volkswagen pagou um acordo de indenização a Martin Winterkorn (ex-CEO) no valor de € 16,6 milhões após sua saída do cargo por fraude dos testes de controle de emissão de poluentes nos automóveis.

Em outro caso, a empresa UnitedHealth Group pagou um acordo de US$ 1,6 bilhão ao William MCGuire, antigo executivo que em 2006 foi acusado de fraudar o valor das ações da companhia.