O que é o Efeito Teste?

O efeito teste é a denominação de um tipo de fenômeno relacionado à nossa mente, que conecta a memória aos processos de aprendizado. Contudo, esse efeito não se trata de um viés cognitivo.

Como Saber a Hora de Entrar e Sair dos Investimentos? GI Wealth faz Gestão para Investimentos Superior a R$ 300 mil.

Esse efeito, cuja denominação em inglês é Testing Effect, diz respeito à tendência de maior probabilidade de nós, seres humanos, em lembrarmos-nos das informações que aprendemos quando nos esforçamos para recuperá-las.

Veja bem, da mesma forma que as informações que recebemos não são excluídas de nossa mente de uma hora para outra, elas também não se prendem com tanta facilidade.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Devemos dizer que o aprendizado está relacionado ao fato de conseguirmos reter as informações que aderimos no dia a dia, através do exercício mental.

Pois bem, o simples fato de estudarmos uma fórmula matemática não significa que aprendemos seu funcionamento, é necessário colocar em prática na hora de resolver algum exercício.

Portanto, é comprovado por meio de estudos que o aprendizado não é estático, ou seja, não basta simplesmente olhar para fórmula e deduzir que aprendeu.

Dessa forma, há uma ferramenta que facilita a acumulação do conteúdo em nossas mente, através do descarte de informações irrelevantes.

Dito isto, o efeito teste surgiu com o intuito de explicar esse processo de lembrança e esquecimento de nossas mentes.

Como esse efeito funciona?

Como já dissemos, quanto mais forçamos nossa mente para lembrar-se de informações que já foram captadas, maior a chance do sucesso de aprendizado.

Todos nós, que já estudamos para alguma prova, sabemos que uma boa maneira de gravarmos o conteúdo estudado é através da resolução de exercícios.

Ora, neste caso, o primeiro passo foi ter acesso com a informação, já, o segundo passo, foi relembrar essa informação através da resolução de exercícios, para que essas não caiam no esquecimento.

As pessoas que aprenderam outro idioma entendem muito bem esse efeito. Neste caso, a melhor maneira de aprender é praticando cada vez mais, todos os dias, se possível.

Até mesmo as pessoas que dominam e têm o conhecimento de outro idioma, se não praticarem com certa frequência, acabam se esquecendo de muitas coisas.

É por isso que as escolas aplicam provas após explicarem todo o conteúdo programado para determinado período.

A intenção neste caso não é apenas avaliar o aluno e, sim, fazê-lo (forçá-lo) relembrar das informações que ele teve acesso há certo tempo atrás, sem ajuda ou consulta.

Esses exemplos também podem ser levados para a vida profissional.

Se quisermos lembrar de algo sobre um projeto de nossa empresa, devemos forçar nossa mente, todos os dias, e não acostumá-la a recorrer aos lembretes.

O mesmo vale para quem está estudando sobre investimentos, caso esqueça-se de algo ou se confunda com as inúmeras siglas, deve-se recorrer ao efeito teste.

A relação do Efeito Teste com diferentes vieses cognitivos

Como já dissemos, esse efeito não é considerado um viés cognitivo, mas tem importante participação no que tange o funcionamento de outros vieses.

O viés cognitivo se caracteriza quando o cérebro toma decisões a partir de ideias e experiências já vividas, excluindo dessa maneira a avaliação dos fatores de forma racional e imparcial.

Ou seja, são atalhos que o cérebro utiliza para tomar decisões mais rápidas, porém levando a falhas na racionalidade e interferências no julgamento.

Isso acarreta uma falha no raciocínio lógico, aumentando as chances de tomar decisões erradas.

Veja bem, uma pessoa sob o efeito de seu viés pode diariamente recorrer a informações para lembrar e fortalecer seus argumentos.

Mas, a verdade é que a melhor coisa a fazer é ignorar os argumentos críticos de determinada crença, neste caso, colocando em uso do efeito teste.

O resultado disso é a maneira como nos expressamos e passamos nossas idéias para outras pessoas.