O que é o Efeito Ambiguidade?

Esse efeito é um tipo de viés cognitivo que, devido à falta de informação, ou Ambiguidade desta, afeta a tomada de decisão.

Neste efeito, as pessoas optam, por tendência, a selecionar opções cuja probabilidade de um desfecho favorável já é conhecida.

Opções cuja probabilidade do desfecho é desconhecida causam maior desconforto na sensibilidade das pessoas.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Portanto, podemos dizer que, frente a duas ou mais opções, o ser humano tem a tendência de escolher aquela que possui informações mais claras e simples.

Dito isto, é importante esclarecer que nem sempre as opções com informações mais claras, que são geralmente escolhidas, são as melhores, ou mais corretas.

Por isso podemos considerar esse efeito como um tipo de viés cognitivo. Pois, representa nada mais que as distorções na formação de opinião ou julgamento das pessoas.

Esse viés está estritamente relacionado à nossa mente, não tendo origem de anomalias físicas. Existem categorias específicas de vieses a depender do raciocínio errôneo a ser cometido.

O principal problema do Efeito Ambiguidade é quando instintivamente optamos por uma opção, basicamente, porque ela foi apresentada de maneira mais clara comparada às outras opções.

É muito importante que as pessoas saibam como controlar e diminuir a influência desses vieses em suas vidas.

Esse tema é muito importante, até porque o Efeito Ambiguidade está presente em várias áreas de nossas vidas, como por exemplo, nas finanças.

Dito isto, apresentaremos, na sequência, como esse efeito funciona, quais áreas de nossas vidas ele afeta, bem como as finanças, e como diminuir sua influência.                             

Como funciona o Efeito Ambiguidade?

Vamos tomar como exemplo, para melhor compreensão, uma pessoa participar de um processo seletivo, seja ele por meio de uma prova ou entrevista.

Todos sabem que, independente de como seja elaborado o processo seletivo, existem os mais concorridos e os menos concorridos.

Vamos imaginar que o candidato tenha duas opções de escolha:

A primeira diz respeito a uma prova cuja concorrência é muito alta ou a entrevista em uma grande empresa, onde o número de pessoas almejando uma vaga pode ser alto.

A segunda opção diz respeito a uma prova com concorrência não muito alta, ou a uma entrevista para uma vaga de emprego em uma empresa pequena.

Neste caso, a maioria das pessoas irá optar pela segunda opção, pois uma alta concorrência em uma prova ou o processo seletivo de uma grande empresa parece aumentar as dificuldades do candidato.

Contudo, nem sempre esta é a melhor opção a ser escolhida.

Ora, não existe nenhuma prova concreta que opte por fazer uma prova menos concorrida, ou escolher o processo seletivo da empresa menor facilitará o caminho do candidato.

Essa escolha está baseada apenas na imaginação das pessoas, e não em provas concretas.

Uma vez que, ao escolher fazer a prova cuja concorrência é menor, o candidato pode se deparar com um conteúdo muito mais difícil, ou com candidatos muito mais preparados, mesmo tendo menor concorrência.

Da mesma forma, não há nenhuma evidência concreta que indique que o processo seletivo de uma empresa maior será mais fácil do que o de uma empresa de pequeno porte.

O Efeito Ambiguidade no mundo das finanças

Devemos dizer que o Efeito Ambiguidade pode afetar tanto o consumidor como o investidor.

No primeiro caso, pode acontecer do consumidor, que esteja em dúvida entre dois ou mais produto, optar pelo que apresenta suas informações de uso de forma mais clara na embalagem.

A falta de informação, ou as informações escritas de forma confusa, faz com que o modo de uso do produto fique ambíguo, não transmitindo, para o consumidor, uma certeza de como usá-lo.

Portanto, a Ambiguidade nas informações passa a percepção de que o produto é difícil de ser usado, fazendo com que o consumidor opte pelo produto com informações mais claras.

Contudo, nem sempre os produtos que apresentam informações mais claras em suas embalagens são os produtos com maior qualidade.

Já, no mundo dos investimentos, as distorções estão diretamente relacionadas aos ativos.

O investidor, quando as informações da Bolsa de Valores trazem distorções (ambiguidade), irá preferir investimentos com maior facilidade para entender seu funcionamento, por exemplo, a poupança.