Copom Considera Início de Redução de Estímulo Extraordinário
|

Copom Considera Início de Redução de Estímulo Extraordinário

Membros do Copom sugeriram, na semana passada, considerar o início de redução de estímulo extraordinário.

Por
Atualizado em 26/01/2021

Alguns membros do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central sugeriram na reunião da semana passada que o colegiado “deveria considerar o início de um processo” de redução do estímulo extraordinário.

No entanto, o colegiado concluiu que os benefícios de aguardar novas informações a respeito da pandemia, da recuperação econômica e do quadro fiscal eram maiores do que os custos.

Por isso, o comitê optou por manter o estímulo extraordinário.

Banner will be placed here

É o que mostra a ata do colegiado divulgada nesta terça-feira (26), referente à última reunião.

Na ocasião, o Banco Central (BC) manteve por unanimidade a taxa básica de juros em 2% ao ano, mas abandonou o forward guidance – a intenção declarada pela autoridade monetária de não elevar a taxa básica de juros no curto prazo.

Segundo a ata, o cenário básico do BC mostra que “as projeções de inflação estão ao redor da meta no horizonte relevante”.

Mas os riscos fiscais, presentes no balanço de riscos, “geram um viés de alta nessas projeções, potencialmente justificando trajetória com elevação dos juros anterior à assumida sob esse cenário”.

“Os membros do Copom discutiram o impacto dessa assimetria no balanço de riscos no grau apropriado de estímulo monetário”, diz o texto.

“Em particular, alguns membros questionaram se ainda seria adequado manter o grau de estímulo extraordinariamente elevado, frente à normalização do funcionamento da economia observada nos últimos meses”.

Onde Investir na Atual Crise Econômica? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Ações para Lucrar na Crise”.

Estímulo Extraordinário

Desde que passou a defender o estímulo extraordinário, em maio do ano passado, o BC observou uma série de mudanças, de acordo com a ata.

Foram elas:

  • Inversão do choque desinflacionário dos primeiros meses de 2020;
  • Reversão da trajetória de queda das expectativas da inflação;
  • Redução da ociosidade da economia, levando a projeção do cenário básico a se aproximar da meta de inflação.

“Por conseguinte, esses membros julgam que o Copom deveria considerar o início de um processo de normalização parcial, reduzindo o grau ‘extraordinário’ dos estímulos monetários”, afirma.

Ainda assim, mesmo com “alguma normalização” da economia, o Copom acabou concluindo que “o ambiente de incerteza quanto à dinâmica prospectiva das principais variáveis econômicas permanece acima do usual”.

“As próximas divulgações serão muito informativas sobre a evolução da pandemia, da atividade econômica e da política fiscal. Sendo assim, os benefícios de se aguardar essas divulgações para decidir os próximos passos da política monetária se sobrepõem aos custos”, afirma.

“Por isso, o Copom julgou apropriado manter, neste momento, o grau extraordinariamente elevado de estímulo monetário.”

A ociosidade da economia foi outro ponto a respeito do qual membros do colegiado apresentaram em algum momento da reunião avaliações distintas.

Alguns dos integrantes “refletiram” que números do mercado formal de trabalho “sugerem” que a ociosidade “como um todo tem se reduzido mais rapidamente do que o previsto”.

“A maioria dos membros, entretanto, considerou que outros dados do mercado de trabalho não avalizam essa conclusão”, diz.

Onde Investir na Atual Crise Econômica? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Ações para Lucrar na Crise”.

Novos Riscos

Um ponto de destaque da reunião foi a possibilidade levantada pelo Copom de uma “reversão” da recuperação da atividade no Brasil.

Segundo o colegiado, os riscos ligados à evolução da pandemia e ao “arrefecimento dos efeitos” dos auxílios implantados durante a crise “podem implicar um cenário doméstico caracterizado por mais gradualismo ou até uma reversão temporária da retomada econômica”.

Sobre o setor externo, a avaliação é que “por ora” ele é favorável a emergentes.

Para o BC, existem de um lado novos riscos para a atividade econômica e os preços de ativos desses países: as novas variantes do coronavírus e “a recente discussão sobre ‘reflação’ nos Estados Unidos”.

Em sentido oposto, estão “amplos programas de imunização” contra a covid-19, nova rodada de estímulos fiscais “em alguns países desenvolvidos”.

Além disso, “a comunicação dos bancos centrais das principais economias desenvolvidas indicam que os estímulos monetários terão longa duração”.

“O Comitê concluiu que, por ora, a resultante desse conjunto de fatores é um ambiente favorável às economias emergentes”, diz.

Notícias do Mercado Financeiro

Fonte: Valor Econômico

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE