O que é club deal?

Club Deal é uma estratégia utilizada por fundos de private equity para adquirirem, de forma coletiva, uma determinada empresa, visando aumentar a sua força de mercado. 

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Os fundos de private equity são fundos de investimentos criados com o objetivo de comprar participação em empresas que possuem capital fechado. 

Essa modalidade é diferente da dos clubes de investimentos, que operam no mercado financeiro.

Ou seja, empresas de capital fechado são aquelas que não são negociadas na Bolsa de Valores, de modo que não há como adquirir as suas ações diretamente.

Ao contrário dos investimentos em ações, geralmente os investimentos de uma private equity leva os gestores a participarem ativamente do negócio adquirido. 

O objetivo é contribuir para a valorização da companhia, podendo vendê-la em um momento futuro com lucro em relação ao capital investido.

Os fundos de private equity costumam ter muita experiência na gestão de empresas. 

Assim, a participação ativa nas empresas é algo positivo para o crescimento e desenvolvimento de seus processos, 

As influências desses fundos nas decisões estratégicas e operacionais das empresas, na maioria das vezes, resultam em aumento de credibilidade junto ao mercado e, consequentemente, valorização.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Para que serve o club deal?

A principal utilidade para a formação de um club deal, a partir da aliança entre dois ou mais fundos de private equity, é simples: aumentar a força de capital.

O club deal permite que fundos de capital privado adquiram coletivamente empresas caras que normalmente não poderiam pagar.

Assim, com o aumento de volume no capital, os fundos podem buscar melhores companhias, embora também mais caras, reduzindo o risco do processo.

Além disso, outra vantagem é que esta aliança permite dividir o risco entre as empresas participantes.

Isso ocorre pois, como passarão a ser sócios, há uma tendência entre os participantes da operação de compartilhar o conhecimento sobre o setor e a empresa em questão.

Sendo assim, a cooperação, e não a competição, é um fator primordial nesse tipo de negociação.

Riscos do club deal

O principal fator de risco na formação de um club deal é o surgimento de atrito entre as partes que comprarão o novo negócio.

A convivência entre os participantes durante todo processo de aquisição, administração e saída do investimentos deve conter sinergias e ser alinhada. 

Todos os participantes devem focar nas expectativas futuras, a fim de selar o acordo de compra. 

Neste sentido, a união de fundos que realmente tenham ideais semelhantes é fundamental para evitar distorções.

Os demais problemas estão ligados ao mercado de aquisições como um todo.

Um club deal não está protegido dos vários cenários de risco como, por exemplo, questões regulatórias, conflitos de interesse ou mesmo empecilhos burocráticos.

Críticas ao club deal

A modalidade do club deal tem crescido bastante em popularidade nos últimos anos.

Entretanto, a sua prática tem recebido algumas críticas importantes por ser um risco ao bom funcionamento dos mecanismos de mercado. 

Os principais problemas encontrados são referentes aos conflitos de interesse e monopolização do mercado. 

Existem preocupações de que os club deal diminuam a o valor de negociação relativo aos negócios realizados entre os vendedores da empresa e os fundos de private equity.

Ou seja, o conluio de mais de um fundo de investimento tende a elevar o poder de mercado do club deal frente aos sócios das empresas.

Isso pois, o club deal, como tem o objetivo meramente de ganhar dinheiro frente a valorização do capital, forçará a negociação para ser realizada com o menor preço possível.

Com isso, a tendência é de perda de poder e de patrimônio por parte dos sócios fundadores das empresas.

A competição, que é tida como mecanismo primordial para o bom funcionamento dos mercados, tende a ser anulada neste formato de negociação.