O que é Ataque Especulativo

Ataque especulativo é um termo utilizado no mercado financeiro para designar um ataque por parte de investidores estrangeiros contra o câmbio de um determinado país a fim de desvalorizar a moeda local.

A investida é feita no mercado de câmbio e seu objetivo é desvalorizar a moeda local em relação a uma moeda de referência, a fim de prevenir prejuízos ou angariar lucros com a queda da moeda.

Esses ataques são fenômenos típicos da organização atual dos mercados financeiros internacionais, ainda mais em situações de maior mobilidade dos capitais e de imposição de regras de controle cambial.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona um ataque especulativo

Na maior parte dos casos, um ataque especulativo depende mais da atuação dos agentes financeiros do que dos fundamentos macroeconômicos e dos caminhos trilhados pela política econômica de um país.

Dito de outro modo, esse fenômeno decorre fortemente da leitura que os investidores estrangeiros fazem da situação econômica do país

Se os agentes desconfiarem da condução da política econômica e interpretarem como negativos os dados referentes à economia de um país, diante de uma pressão, um ataque especulativo poderá surgir. 

Outro fator que predispõe um ataque especulativo é a caracterização de determinada economia como pouco confiável, o que a torna mais propensa e mais vulnerável aos riscos de um ataque especulativo.

Normalmente, isso só acontece em casos de moeda supervalorizada e seu processo é bem simples: os agentes optam por vender a moeda local e comprar a moeda referência.

Ou, de outra maneira, basta comprar e revender ativos para antecipar o valor de mercado, lucrando no delay de seu ajuste e fazendo com que haja uma fuga em massa de capital estrangeiro do país.

Vale recordar também que raramente um ataque especulativo beneficia os investidores nacionais, pois evidentemente sua moeda ficará desvalorizada, tornando os produtos e o custo de vida mais caros.

Ataques especulativos no Brasil

O Brasil, como qualquer economia de mercado internacional, sofre uma série de ataques especulativos ao longo de sua história.

Nos anos oitenta e noventa, o Brasil esteve sujeito a vários episódios de ataques especulativos, com destaque para a crise cambial de 1999.

Naquele contexto, a economia estava extremamente desestabilizada em razão das crises financeiras internacionais e uma série de medidas econômicas desastrosas pioraram o cenário.

Contudo, a estratégia de alterar o regime cambial para o sistema de flutuação cambial não surtiu efeito e o Banco Central foi forçado a vender ainda mais reservas internacionais para manter o valor do dólar.

Exemplo de ataque especulativo

Pensemos em um evento hipotético de ataque especulativo a fim de ilustrar esse tipo de investida.

Um grupo de investidores estrangeiros avaliam que o Real está sobrevalorizado em relação ao dólar. Nessa situação, caso consigam originar um movimento maciço de compras de dólar no Brasil, um ataque estará iminente.

Formas de proteção contra ataques especulativos

Não há um remédio efetivo no combate aos ataques especulativos. Tampouco existe um conjunto de medidas que irão impedir essas investidas. 

No entanto, existem instrumentos de política monetária que podem prevenir uma economia de ataques especulativos. Não há receita, mas alguns deles são os mais importantes. Abaixo, listaremos alguns:

  1. Elevação da taxa de juros básica da economia
  2. Venda de swap cambial por parte do Banco Central
  3. Melhora geral dos indicadores econômicos nacionais e maior confiança do mercado
  4. Adesão ao tripé macroeconômico: superávit primário, metas de inflação e câmbio flutuante.

Vale ressaltar que a adesão ao sistema cambial flutuante não impede a ocorrência de ataques especulativos, entretanto, pode reduzir bastante a probabilidade de acontecer.

Isso se deve ao fato de que o sistema cambial fixo é muito mais vulnerável, em razão da necessidade de manutenção da paridade das moedas.