A economia dos EUA já está enfrentando dificuldades com novos dados do PIB mostrando vários trimestres de contração, mas pode o mundo pode enfrentar mais pressão à medida que os acontecimentos na China ameaçam se espalhar globalmente.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Há algumas semanas, a China registrou crescimento do PIB de 0,4% no segundo trimestre, ficando aquém do 1% projetado por analistas consultados pela Reuters. 

Foi o pior relatório desde que o país registrou uma contração de 6,8% no primeiro trimestre de 2020, quando começou a combater a pandemia. 

Além disso, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, acaba de desembarcar em Taiwan como parte de sua turnê asiática, a mais alta autoridade dos EUA a visitar a nação insular em 25 anos. 

Isso aumentou as tensões entre os EUA e a China, que vê Taiwan, uma democracia autônoma, como um território chinês. 

A China disse que veria a visita de Pelosi como um apoio à independência da ilha, e sua visita "levará a sérias consequências", segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian.

A China responde por grande parte das exportações dos EUA: o terceiro maior cliente em 2021, com US$ 151 bilhões, por meio de compras de bens como máquinas, oleaginosas e soja. 

As restrições da cadeia de suprimentos que prejudicam a economia da China estão entre os muitos fatores que levam a inflação nos EUA a níveis recordes e alimentam os temores de uma recessão iminente. 

Seja no próximo ano ou em uma década, se uma invasão chinesa de Taiwan levar a algo além de uma guerra comercial, as ramificações econômicas podem ser substanciais, para dizer o mínimo. 

Os economistas há muito debatem quando a China ultrapassará os EUA como a maior economia do mundo, algumas estimativas preveem 2030. 

Tensões sobre Taiwan estão aumentando 

Embora os desafios econômicos da China tenham impactado negativamente a economia dos EUA, um conflito político significativo pode piorar ainda mais as coisas, potencialmente colocando em risco as relações econômicas dos países. 

Tal conflito não é impensável, principalmente se as tensões aumentarem ainda mais em resposta à visita do presidente Pelosi a Taiwan na terça-feira.

Embora os EUA não tenham relações diplomáticas formais com Taiwan, o presidente Biden sugeriu que forneceria armas a Taiwan no caso de um ataque da China. 

Se os EUA agiriam além disso – potencialmente levando a um conflito militar – permanece incerto, mas o mundo pode receber a resposta em breve. 

Embora tenha havido especulações anteriores de que a China invadiria Taiwan em 2025 ou 2030, algumas autoridades americanas temem que isso possa ocorrer nos próximos 18 meses.

Afinal, o presidente chinês Xi Jinping não vê a economia como o único caminho para tornar a China a “grande potência” que ele espera que seja.

"É a ideia de a China se levantar, não mais se esconder e esperar, e ser uma potência mundial ser levada a sério", disse Gerard DiPippo, membro sênior do programa de economia do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, à Axios

"A economia faz parte disso, mas o lado não econômico está mais alto agora do que há dez anos."

Embora uma desaceleração econômica possa enfraquecer a China até certo ponto, é possível que essa mudança de foco para o "lado não econômico" possa realmente aumentar a probabilidade de um confronto com os EUA.

Quer saber como proteger os investimentos?

Apenas responda a 5 perguntas rápidas e então, baseado nas suas respostas, você receberá um aconselhamento gratuito.

Fonte: Business Insider