Um dia depois de a XP Investimentos ter divulgado seu balanço para o primeiro trimestre de 2022, a gigante brasileira sentiu a insatisfação dos investidores na Bolsa de tecnologia Nasdaq.

Após chegar a perder 15% pela manhã, os papéis fecharam em baixa de quase 7,5%.

Apenas na quarta-feira, 4, a perda de valor de mercado foi de US$ 985,6 milhões.

Em um ano, a baixa da XP no pregão de Nova York supera 40%.

De acordo com analistas, o desempenho ruim das ações foi motivado menos pelos resultados e mais pela indefinição da venda da fatia do Itaú e da Itaúsa na empresa.

A XP fechou o primeiro trimestre com lucro líquido de R$ 987 milhões, o primeiro resultado trimestral abaixo de R$ 1 bilhão desde o início de 2021.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

O sócio e diretor financeiro da XP, Bruno Constantino, comentou que o início do ano foi desafiador tanto pelo impacto da variante Ômicron na economia quanto pelo início da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Esses fatores alimentaram a volatilidade no mercado, especialmente o de ações, que concentra a maior parte das receitas da XP.

O banco americano JPMorgan apontou em relatório que a XP apresentou um resultado "tímido" no primeiro trimestre deste ano, com redução de rendimentos.

De acordo com a instituição, esse cenário, combinado com as vendas "intermináveis" de ações da Itaúsa e, em breve, do Itaú, foi o suficiente para os papéis desabarem ontem.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

Pressão

Os analistas do JP Morgan - Domingos Falavina, Kenneth B. Worthington, Guilherme Grespan, Yuri R.

Fernandes e Marlon Medina - afirmaram que, embora a XP tenha conseguido lidar relativamente bem com a volatilidade do mercado, a quantidade de ações da Itaúsa representa uma pressão extra gerada pelo seu volume excessivo.

Na última sexta-feira, o Itaú informou que adquiriu, por aproximadamente R$ 8 bilhões, uma participação de 11,36% da XP.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

Embora a transação fosse prevista no contrato original de investimento em 2017 - e o Itaú já tenha sinalizado que não pretende ficar com os papéis -, o mercado estava pronto para o rompimento da relação com o banco.

Até o começo do ano passado, o Itaú detinha uma participação de 46% na XP. Primeiro, vendeu 5% no mercado.

Para deixar de ser sócio da empresa de investimentos, cindiu os 41% restantes em uma nova empresa.

Depois disso, as ações acabaram sendo distribuídas, proporcionalmente, aos seus acionistas, sendo que a maior fatia ficou com a holding Itaúsa, que controla o banco, de cerca de 19%.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

Já neste ano, a Itaúsa também vendeu parte de sua posição e já embolsou R$ 1,8 bilhão, detendo atualmente cerca de 11%.

Diante dessa nova compra, o UBS BB citou a possibilidade de a XP organizar a recompra de algumas das ações detidas por Itaúsa e Itaú, aliviando essa condição.

Em teleconferência com analistas e investidores, a XP sinalizou essa intenção e que teria dado início a conversas com o banco.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

Analistas do Credit Suisse destacam que, embora os executivos da XP tenham apontado para uma recuperação dos mercados em março como um indicador de melhora, o cenário permanece desafiador e os riscos continuam para a companhia.

Fonte: Estadão Conteúdo.