O que é Winner Takes All?

Winner Takes All é um termo usado na economia e administração para se referir a um mercado em que o participante que tiver o melhor desempenho conquistará todo o mercado.

Em tradução livre, Winner Takes All significa o vencedor leva tudo.

Uma vez que o melhor competidor abocanhou todo o mercado, ou seja, quando o vencedor ganha tudo, podemos dizer que se estabeleceu ali um monopólio.

O monopólio é uma estrutura de competição em que há apenas uma empresa participante. 

Isso ocorre quando apenas uma companhia consegue oferecer um produto ou serviço ao mercado, de modo a criar uma barreira contra os demais competidores.

Porém, com o avanço da tecnologia, essas barreiras estão cada vez menos resistentes.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona o Winner Takes All?

Winner Takes All é um termo usado para classificar o resultado de alguns tipos de mercado em que a empresa que for mais eficiente, ou tiver um diferencial, conseguirá levar todo o mercado.

Essa empresa levará tudo, ao menos até que uma próxima empresa apareça com capacidades superiores.

Caso isso aconteça, a nova empresa irá tomar todo o mercado para si, enquanto que a companhia que era dominante até então sairá do mercado.

No geral, mercados do tipo Winner Takes All levam ao surgimento de monopólios, que são estruturas de competição no qual apenas uma empresa domina e participa.

Entretanto, vale destacar que o mercado tipo Winner Takes All não leva à criação de monopólios padrões, os quais tendem a prevalecer de forma definitiva.

Mesmo que as empresas vencedoras consigam obter ganhos imensos ao capturar todo o mercado para si, isso não significa que elas terão pouca concorrência.

Isso porque, hoje em dia, com o avanço tecnológico, as inovações podem mudar radicalmente o cenário do mercado.

Nada impede que uma empresa que hoje é vencedora perca tudo amanhã.

Podemos dizer que, ao mesmo tempo em que a tecnologia permite que o vencedor pegue todo o mercado, ela também mantém viva a ameaça constante do surgimento de novos competidores que poderão, por sua vez, levar tudo em uma próxima oportunidade.

Winner Takes All na prática

Muito tem sido dito que a prevalência de mercados do tipo Winner Takes All está se expandindo à medida que a tecnologia diminui as barreiras à concorrência.

Um bom exemplo de mercado em que o vencedor leva tudo pode ser visto no surgimento de grandes empresas multinacionais, como a Amazon

No passado, uma grande variedade de lojas locais existia em diferentes regiões geográficas. 

Hoje em dia, entretanto, com o melhoramento dos sistemas de transporte, telecomunicações e tecnologia da informação, ocorreu um processo de eliminação das restrições à competição.

Foi isso que permitiu grandes empresas como a Amazon se expandir para todos os quatro cantos do mundo.

Antes da internet, era preciso ir em comércios locais para adquirir os produtos de interesse, de modo que a localização geográfica se constituía como uma importante barreira à entrada.

Porém, com o avanço da internet, das tecnologias de marketplace e logística, é fácil ter acesso a outras opções de compra, de modo que a barreira geográfica praticamente foi destruída.

Outro exemplo de mercado do tipo Winner Takes All é o mercado de serviços de streaming de música.

Atualmente, temos que o Spotify é o dominante desta área, com mais de ⅓ de participação do mercado.

Em condições normais, isso levaria a um aumento de margens de lucro e de preços do serviço.

Entretanto, não é isso que vemos, pois há sempre a ameaça de que outras plataformas possam entregar serviços melhores, inovadores e mais eficientes.

O mercado de redes sociais é outro exemplo sobre como o vencedor leva tudo, mas, mesmo assim, não pode se acomodar.

Até há pouco tempo atrás, o Facebook e o Instagram eram as principais plataformas usadas pelas pessoas para compartilhar vídeos e fotos.

Porém, com o surgimento do TikTok vários jovens têm migrado para a nova rede social.

Obviamente que o Facebook continua forte no mercado, mas se a empresa acomodar e não acompanhar as tendências dos consumidores poderá desaparecer em pouco tempo.