O que é White Paper?

White paper é um documento publicado por uma empresa, governo ou organização internacional para informar sobre algum tema importante, como a solução de um problema, oferta de produto ou serviço. 

Em tradução para o português, white paper significa livro brando ou documento branco.

No âmbito estatal, os livros brancos são usados ​​como método de apresentação de políticas e legislação do governo e de avaliação da reação pública.

Já sobre o uso no mundo empresarial, o white paper é usado quando uma empresa quer promover um determinado produto, serviço, tecnologia ou metodologia e influenciar as decisões de clientes ou investidores atuais e potenciais.

No geral, os white papers têm pelo menos 2.500 palavras e são escritos em um estilo mais acadêmico.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

White Paper como ferramenta de marketing

Os white papers podem ser um instrumento interessante para o marketing.

Isso porque é uma boa forma para atrair ou persuadir clientes em potencial a aprender mais sobre ou comprar um determinado produto, serviço ou tecnologia. 

Eles são projetados para serem usados ​​como uma ferramenta de marketing antes da venda, e não como um manual do usuário ou outro documento técnico desenvolvido para fornecer suporte ao usuário após a compra.

Por ser considerado um documento importante, o white paper é usado no marketing por ser bastante efetivo na missão de chamar a atenção do público alvo.

Muitos white papers são elaborados para fins de marketing business-to-business (B2B), como entre um fabricante e um atacadista ou entre um atacadista e um varejista. 

O white paper é usado para informar e persuadir a outra empresa de que uma determinada oferta, como um produto ou tecnologia, é superior para resolver um problema comercial específico ou abordar um determinado desafio.

No marketing B2B , há três tipos principais de white papers

  1. Background: explicam as características técnicas de uma oferta específica; 
  2. Listas numeradas: destacam dicas ou pontos sobre uma oferta; 
  3. White papers sobre problemas/soluções: apresentam uma solução aprimorada para um desafio comercial ou técnico comum.

Os white papers são diferentes de outros materiais de marketing. 

Enquanto os outros materiais possam ser chamativos e incluir argumentos de venda óbvios, um white paper tem como objetivo fornecer evidências persuasivas e factuais de que uma oferta específica é um método superior de abordagem ou solução de um problema ou desafio. 

No marketing empresarial, o White Paper é indicado para estratégias de marketing de conteúdo mais avançadas.

Ou seja, deve ser aplicado em clientes que já passaram algum tempo com a sua empresa (em outras palavras, costuma trazer mais valor em conteúdos de fundo de funil ), recebendo conteúdo de valor, mas sem ser tão focado.

Na prática, esse conteúdo tem um importante papel relacionado ao tráfego de um site ou e-commerce: trazer quem talvez não voltasse. 

É muito comum que usuários façam visitas esporádicas após consumir um conteúdo de decisão, mas não realizam nenhuma conversão e acabam se perdendo. 

Nesse estágio final do funil, o White Paper pode gerar bons leads.

White paper governamental

O termo “white paper” não é muito usado no Brasil quando nos referimos "a divulgação de anúncios por parte do governo".

Entretanto, em diversas nações, “white paper” é o nome informal de um documento parlamentar que anuncia uma política governamental. 

No Reino Unido, estes são majoritariamente publicados como "documentos de direção".

Os white papers são publicados pelos governos para apresentar uma política ou propor uma linha de ação em um tema de preocupação atual. 

Além disso, o white paper pode ser usado também para realizar uma consulta quanto aos detalhes de uma nova legislação.

Isso manifesta uma clara intenção de parte do governo para aprovar a nova legislação. 

Na União Europeia, “White Paper” contém um conjunto argumentado de propostas de ação comunitária em um âmbito específico. 

Neste sentido, são estabelecidos pela Comissão Europeia em o marco dos comitês consultivos que compreendem aos membros da Comissão, dos representantes nacionais de grupos de interesses e das administrações nacionais.