O que é Vantagem Comparativa?

A Vantagem Comparativa é uma teoria formulada pelo seu idealizador, o economista inglês, David Ricardo que surgiu através do seu livro “The Principles of Political Economy and Taxation” no ano de 1817.

A teoria da vantagem comparativa está diretamente ligada ao custo de oportunidade enfrentado por um país para a fabricação de um produto ou bens.

Até a criação da teoria de Vantagem Comparativa, os países adotavam a filosofia de que deveriam produzir o que faziam de melhor, não se preocupando com a relação de custos, gerando a vantagem absoluta.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Porém o importante na teoria comparativa não é a vantagem absoluta de produção, mas o custo de oportunidade que cada país possui. O conceito é importante para o funcionamento do mercado comercial internacional.

Segundo David Ricardo os países devem produzir aquilo que apresenta menor custo de oportunidade. Para fabricar um produto, o país abre mão de fabricar outro. Esse método é conhecido como custo de oportunidade.

Aplicando a Vantagem Comparativa, verificamos uma relação comercial entre um país A que produz um produto X tendo menos custos de produção em relação ao país B.

O país B investe menos recursos na produção de um produto Y em relação ao país A, sendo assim, seguindo a teoria de David, os países deveriam se concentrar onde possuem a maior capacidade produtiva.

Com isso, devem passar a comercializar esses produtos entre si, gerando a vantagem comparativa, sendo menos custoso para ambos países.

Desse modo, o conceito do economista inglês passou a ser analisado por outros especialistas que discordam e outros que concordam em partes sobre a teoria.

O que é Custo de Oportunidade?

O custo de oportunidade é a teoria que mensura o custo daquilo que se deixa de fazer quando é preciso realizar uma escolha de qualquer tipo.

Estes são os custos implícitos, relativos aos insumos que pertencem a uma empresa ou país e que não envolvam desembolso.

Eles são estimados a partir do que poderia ser ganho na relação custo de produção contra custo de importação.

O custo de oportunidade, custo monetário, englobam o custo econômico de pais na relação de mercado que ele possui com outros países.

Os custos de oportunidade ocorrem pelo facto dos recursos poderem ser usados de formas alternativas.

O custo de oportunidade se encaixa perfeitamente no conceito que melhor explica a vantagem comparativa criada por David Ricardo.

Isso porque o conceito explicita os custos de produção de cada país e qual é qual produto gera menos custos, sugerindo a importação dos produtos com grande custo de produtividade local e exportem os com menores custos de produtividade local.

Críticas a Vantagem Comparativa

Segundo alguns economistas e especialistas, eles não acreditam na total efetividade da teoria criada por David Ricardo.

Isso se deve porque acreditam que nem todos países obtêm vantagem no conceito da Vantagem Comparativa, devido a vários fatores, entre eles o preço de cada produto produzido.

Com isso, os países que se especializarem na produção de um produto mais barato ficarão em desvantagem no mercado em relação a outros países, com bens de maior valor.

Isso iria gerar uma desigualdade econômica mundial difícil de reparar. Retardando o crescimento econômico daquele país.

Outra crítica feita ao método, é de que um país que desenvolve mais de um produto pode reduzir os custos de oportunidade com a fabricação dele ao longo do tempo, não sendo necessário apenas a especialização na fabricação de um produto.

Por esses motivos, muitos economistas rejeitam o conceito adotado em 1817 pelo inglês David Ricardo sobre a teoria da Vantagem Comparativa.

Mesmo com todas essas críticas dos especialistas, a Vantagem Comparativa serve para refletir a dinâmica de mercado comercial mundial e a relação de custo de produção contra importação externa.