O que é Valor Contábil?

A definição de Valor Contábil é o montante pelo qual um determinado ativo ou passivo de uma empresa, como maquinários, insumos, patrimônios tangíveis e intangíveis está reconhecido no balanço.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

O Valor Contábil também pode ser denominado de Valor Residual ou Valor Escrito. Existem dois métodos que fazem parte do cálculo do valor contábil, que são a amortização e a depreciação.

Para saber o valor contábil de um ativo ou passivo, é considerado o valor original de compra e a subtração da sua amortização, exaustão acumulada ou valor de depreciação.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

O conceito de valor contábil pode ser utilizado por qualquer organização para qualquer tipo de ativo fixo.

A produção de máquinas exemplifica o que são ativos elegíveis para este processo.

Por exemplo, ao longo do tempo, a máquina vai tornando-se obsoleta, devido a atualizações e versões mais tecnológicas dela, além do uso continuado do equipamento no modelo de produção.

A correta operação do valor contábil calculado para máquinas e equipamentos ajuda a tornar muito mais precisa a tarefa de apurar o ativo da empresa.

Isso é útil quando os documentos fiscais são elaborados corretamente, visto que os incentivos fiscais podem ser muito úteis para o negócio.

Amortização, Depreciação e Exaustão acumulada

Amortização: A amortização contábil é o método que verifica quando os bens intangíveis de uma organização são desvalorizados. Desta forma, a amortização registra a desvalorização de bens materiais seguindo a lógica que se assemelha ao da depreciação.

A amortização acaba fazendo o material ser desvalorizado com a redução no tempo do contrato que ainda restava para ser utilizado. As despesas e custos fazem o material ser avaliado pela amortização.

O processo de amortização do ativo ajuda ainda mais a encontrar o valor líquido apurado do ativo de acordo com as condições econômicas atuais, resultando em uma imagem realista do valor real atualizado do ativo. O processo se dá mensalmente.

Depreciação: A depreciação contábil é um recurso que visa atribuir o custo financeiro a um ativo tangível como máquinas e equipamentos, edifícios, móveis e veículos, de uma empresa que sofre do processo de depreciação durante a vida útil.

As empresas utilizam esse método para avaliar a longo prazo seus ativos, considerando perdas, custos, planejamento fiscal e contábil.

O processo sempre começa com o valor original ou inicial do ativo em questão. Esse número, então, deve ser ajustado com base no valor da depreciação que atualmente é permitido sob a estrutura tributária existente.

Em muitos casos, isso significa que há um percentual de depreciação que pode ocorrer dentro de um determinado ano civil, com base no uso normal do bem.

Exaustão Acumulada: A exaustão acumulada representa a perda de valor que os ativos das empresas sofrem, decorrente de sua exploração.

O termo é utilizado para apontar o esgotamento do valor do ativo utilizado, no decorrer do tempo, sendo ele a médio ou longo prazo.

Este cálculo também é relacionado à quantia patrimonial da companhia associada aos recursos minerais e florestais, o que é um processo limitado devido ao esgotamento natural.

A exaustão acumulada é parecida com a depreciação dos bens de uma empresa, já que todos possuem uma vida útil, se desgastam perdem sua função.

A diferença entre a exaustão e a depreciação é que a depreciação é utilizada em casos de recursos renováveis como a energia eólica, já a exaustão acumulada é utilizada em recursos não-renováveis.

Valor de Mercado e Valor Contábil

É preciso entender que Valor de Mercado e Valor Contábil não são, necessariamente iguais. O valor contábil é aquele ativo reconhecido pela empresa eu seu balanço.

Enquanto o valor de mercado de um ativo é baseado sobre oferta e demanda e valor percebido desse ativo.

O valor contábil e o valor de mercado de um ativo podem variar substancialmente.

O valor de mercado de uma ação nem sempre corresponde ao valor contábil da empresa. Afinal, os investidores compram e vendem as ações.