VALE3: MP Rejeita Prestação de Contas da Fundação Renova
| ,

VALE3: MP Rejeita Prestação de Contas da Fundação Renova

O MP de Minas Gerais rejeitou contas prestadas pela Fundação Renova referentes ao exercício de 2019.

Por
Atualizado em 22/02/2021

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) rejeitou as contas prestadas pela Fundação Renova referentes ao exercício de 2019.

A fundação atua na reparação dos danos da tragédia do rompimento de uma barragem da Samarco no município mineiro de Mariana, ocorrida em 5 de novembro de 2015.

A entidade foi criada conforme termo de transação e ajustamento de conduta (TTAC) firmado pela Samarco, controladoras Vale (VALE3) e BHP Billiton, o governo federal e os governos de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Na decisão, tomada nessa sexta-feira (19), o MP acolheu o parecer da Controladoria do Centro de Apoio Operacional do Terceiro Setor que constatou:

  • Falta de autonomia da entidade;
  • Desvio de finalidade;
  • Salários exorbitantes de dirigentes;
  • Relações empregatícias espúrias, entre outras irregularidades.
Banner will be placed here

De acordo com o parecer, foram encontradas inconsistências em relação ao modelo de governança da fundação, como pagamentos de valores exorbitantes na remuneração de seus dirigentes, a exemplo da diretora de Planejamento e Gestão.

A diretora é citada duas vezes nos registros empregatícios da Relação Anual de Informações Sociais da entidade, com remunerações diferentes, nos valores de R$ 639.8 mil e R$ 375.6 mil, totalizando uma remuneração anual superior a R$ 1 milhão.

A promotoria verificou ainda que a declaração retificadora das contas referentes ao exercício de 2019, a Fundação Renova não apresentou a solução para as irregularidades contábeis apontadas na análise feita pela Controladoria do Centro de Apoio Operacional do Terceiro Setor.

Para o Ministério Público, os salários dos dirigentes da entidade são “absurdamente desproporcionais ao rendimento médio de mercado para as respectivas profissões, o que gera perplexidade em se tratando de instituição sem fins lucrativos e com finalidade de reparar gravíssimos danos causados por suas instituidoras e mantenedoras à vida humana, à saúde, ao meio ambiente e à sociedade em geral”.

Ainda de acordo com o MP, foi constatada a falta de autonomia e independência da fundação por meio da entrada em seus quadros de pessoas que trabalhavam pra a mantenedoras da Renova.

“É grave o fato de a Fundação Renova ter sido criada para funcionar como uma instância extrajudicial de acesso à justiça na reparação integral dos danos causados pelas instituidoras e mantenedoras e funcionar sem a autonomia devida e com sérios e graves desvios de finalidade”, diz o MP.

Em nota, a Renova declara que não foi notificada da decisão do Ministério Público e que seus processos são acompanhados e fiscalizados por auditorias externas independentes.

“Os processos da instituição são acompanhados e fiscalizados, permanentemente, por auditorias externas independentes. Além disso, os documentos relacionados à atuação da Fundação Renova e a prestação de contas de suas atividades são publicados em seu site”, diz a fundação.

Como ser Sócio dos Melhores Negócios? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Empresas para Investir”.

Fundação Renova

Criada em 2016, a Fundação Renova atua na reparação dos danos das vítimas do rompimento de uma barragem da Samarco, no município mineiro de Mariana.

A tragédia deixou 19 mortos e causou impactos sociais, econômicos e ambientais em diversos municípios da Bacia do Rio Doce, até a foz no Espírito Santo.

O modelo de reparação adotado pela Renova tem sido alvo de críticas e acabou sendo rejeitado pelo governo mineiro e pelo MPMG, nas negociações para a reparação das famílias atingidas por outro rompimento de barragem de Brumadinho, em 2019.

Na época da criação da fundação, o Ministério Público estadual e o federal (MPF) foram contra os termos negociados.

O rompimento da barragem da Vale causou 270 mortes e impactou diferentes cidades por onde passa o Rio Paraopeba.

Fechado no início do mês, o acordo de R$37 bilhões adotou outro modelo de governança para a reparação.

Como ser Sócio dos Melhores Negócios? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Empresas para Investir”.

Resultado da Vale no Terceiro Trimestre de 2020

O resultado da Vale (VALE3) no terceiro trimestre de 2020 (3t20), divulgado no dia 28 de outubro, apresentou um lucro líquido de R$ 15,6 bilhões, alta de 141,7% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O Ebitda da Vale atingiu R$ 30,9 bilhões no 3t20, apresentando crescimento de 66,2% na comparação com o 3t19.

A margem Ebitda da Vale totalizou 53,3% no 3t20, apresentando crescimento de 7,6 pontos percentuais na comparação com o 3t19. 

A Margem líquida da Vale atingiu 26,0% no 3t20, apresentando crescimento de 10,1 pontos percentuais na comparação com o 3t19.

As ações da Vale (VALE3) acumulam alta de 3,93% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 94,22% nos últimos 12 meses.

Notícias do Mercado Financeiro

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE