Vale a Pena Investir nos Junk Bonds da Ásia Depois da Evergrande?
SIMULE AGORA
| ,

Vale a Pena Investir nos Junk Bonds da Ásia Depois da Evergrande?

O que estrategistas e gerentes de portfólio dizem sobre comprar títulos de alto rendimento da Ásia agora.

Por
Atualizado em 22/11/2021

Os Junk Bonds asiáticos têm sido os favoritos entre os investidores institucionais nos últimos anos, mas será que depois da crise de dívida da Evergrande eles ainda valem a pena?

Esses títulos de alto rendimento, conhecidos no Brasil como “títulos podres“, são títulos de dívida que acarretam maiores riscos de inadimplência e, portanto, taxas de juros mais altas para compensá-los.

Os títulos imobiliários da China constituem a maior parte dos junk bonds da Ásia

À medida que a crise da dívida da Evergrande se desenrolava, outras incorporadoras imobiliárias chinesas também começaram a mostrar sinais de tensão. Algumas não pagaram os juros, enquanto outras deixaram de pagar suas dívidas.

Dada a incerteza do mercado de junk bonds da China, a CNBC perguntou a cinco estrategistas e gerentes de portfólio: 

Você aconselharia os investidores a comprar títulos de alto rendimento da Ásia?

Aqui estão as respostas de 5 estrategistas entrevistados pela CNBC:

1. Evite alavancagem 

Os investidores devem “evitar o uso de alavancagem de quaisquer títulos ou fundos de títulos neste momento”, recomenda Martin Hennecke da St. James’s Place, uma empresa multinacional britânica de gestão de fortunas.

Ele se refere à prática de tomar dinheiro emprestado para investir. Saiba como analisar a alavancagem em fundos imobiliários.

Para Hennecke, a previsibilidade dos retornos em títulos de alto rendimento “não é tão clara … e tal estratégia pode acabar sendo um risco muito maior do que o previsto.”

“A recente liquidação acentuada de altos rendimentos asiáticos, juntamente com o provável calote ou reestruturação de alguns, é um bom exemplo disso”, disse ele à CNBC.

Hennecke também disse que os investidores devem diversificar globalmente para gerenciar os riscos do setor e do país.

“Por último, mas não menos importante, os investidores devem ser aconselhados a diversificar entre as classes de ativos também, observando que os juros fixos como uma classe de ativos geralmente são vulneráveis ​​não apenas ao risco de inadimplência, mas também aos riscos de taxas de juros e inflação”, disse ele. 

As crescentes pressões sobre os preços estão “indiscutivelmente em alta e, em minha opinião, possivelmente ainda subestimadas hoje”, acrescentou.

Mas isso não significa que os investidores devam ignorar completamente os títulos de alto rendimento.

“Dito isso, os junk bonds asiáticos já foram vendidos de forma acentuada, gerando rendimentos muito mais altos e, desde que se esteja ciente do risco assumido, eu sugeriria que a classe de ativos não deveria ser excluída de carteiras bem diversificadas.”

Como Investir no Exterior? Assista a Palestra Gratuita de Investimentos Internacionais”.

2. Setor imobiliário continua sendo um importante motor da economia

“Com a China respondendo por 50% do mercado de títulos de alto rendimento da Ásia, os desenvolvimentos em torno do setor imobiliário chinês devem pesar no sentimento do investidor no curto prazo, mas acreditamos que existem oportunidades para o investidor mais exigente”, disse Wai Mei Leong, gerente de portfólio de investimentos da Eastspring para renda fixa.

Embora o setor imobiliário da China tenha sido historicamente sujeito a episódios de volatilidade impulsionada por políticas, ela disse, “reconhecemos que a profundidade e a escala das medidas políticas foram sem precedentes desta vez”.

Ainda assim, o setor imobiliário continua sendo um importante motor da economia da China e respondeu por 27,3% dos investimentos em ativos fixos do país em 2020, embora seja uma fonte de receita importante para muitos governos locais, disse Leong.

“O governo chinês, portanto, prefere ter um setor imobiliário saudável do que ver várias inadimplências em grande escala, o que poderia potencialmente desencadear riscos sistêmicos generalizados.”

Leong acrescentou que, no longo prazo, a crescente classe média da China, junto com a urbanização e o desenvolvimento de suas megacidades, provavelmente continuará a sustentar as receitas do setor imobiliário.

“Os investidores devem reavaliar suas expectativas de risco em relação ao setor chinês de títulos de propriedade de alto rendimento no curto prazo”, acrescentou Leong.

Mas o esforço da China para reduzir a dívida no setor imobiliário resultará em uma “disciplina de mercado mais forte” entre as imobiliárias e melhorará a qualidade de seus títulos, acrescentou ela.

3. Espere mais inadimplências e identifique os sobreviventes 

Arthur Lau, co-diretor da PineBridge Investments espera mais inadimplências do setor imobiliário em um futuro próximo.

Mesmo assim, ele disse que não espera que a inadimplência em empresas específicas resulte em uma crise sistemática.

Para ele, provavelmente haverá uma flexibilização da política por parte de Pequim, como a aprovação mais rápida dos pedidos de hipotecas e a reabertura do mercado de títulos onshore para incorporadores imobiliários mais fortes e de melhor qualidade.

Tudo isso deve ajudar a aliviar algumas preocupações com liquidez, acrescentou Lau.

Ele também destacou que incorporadores imobiliários seletivos ainda são capazes de continuar levantando fundos por meio do mercado de ações, como ofertas de direitos e colocações de ações, bem como vendas de ativos.

Os desenvolvedores mais fortes sairão desta crise “ainda mais fortes”, enquanto as empresas mais fracas podem eventualmente entrar em default, disse Lau.

“Portanto, não podemos enfatizar mais a importância de uma seleção cuidadosa de crédito para escolher os vencedores e evitar os perdedores”, disse.

Ele acrescentou que sua empresa espera “um retorno muito decente nos próximos seis a 12 meses, se os investidores forem capazes de identificar sobreviventes capazes de suportar a volatilidade”. 

Banner will be placed here

4.  Seja mais “conservador”

“Em geral, ficaríamos com os créditos mais conservadores na China”, disse Sandra Chow, Co-diretora de pesquisa da CreditSights, citando empresas que têm menos dívidas ou têm fortes ligações com o governo.

“Os créditos de alto rendimento na Indonésia e na Índia têm sido mais resistentes e melhor apoiados por investidores que buscam diversificação fora da China ou do mercado imobiliário chinês”, disse ela.

“Não evitaremos totalmente o alto rendimento, mas a seleção de crédito individual é muito importante”, concluiu ela.

5. Sinais encorajadores 

Para Carol Lye, gerente de portfólio da Brandywine Global, as imobiliárias chinesas que emitem títulos de alto rendimento foram vendidas desde agosto, principalmente os títulos de menor qualidade, mas depois se recuperaram, graças a intervenções verbais das autoridades chinesas.

No entanto, os títulos imobiliários chineses tiveram outra liquidação na semana passada, no que a gerente de portfólio disse ser “de longe o pior”.

“Isso foi impulsionado pela preocupação com dívidas ocultas e contágio entre nomes de alta qualidade [com classificação BB], o que levou a uma venda incerta de todos os nomes. Os nomes de qualidade estavam sendo negociados abaixo de 80 centavos. ”

Os nomes com classificação B ou BB são considerados títulos com classificação de baixa qualidade de crédito e são comumente chamados de junk bonds. 

No entanto, os títulos com classificação BB são de qualidade ligeiramente superior do que os títulos com classificação B.

As notícias sobre possíveis mudanças na isenção para fusões e aquisições “ajudaram o mercado a encenar uma alta, especialmente em nomes de qualidade”, disse ela, referindo-se à política de “três linhas vermelhas” da China que foi implementada no ano passado. 

Essa política impõe um limite à dívida em relação aos fluxos de caixa, ativos e níveis de capital de uma empresa.

Outros sinais encorajadores para os investidores incluíram uma possível mudança na reabertura da emissão no mercado interbancário onshore e um salto nos empréstimos hipotecários em outubro.

“Esse tipo de fenômeno de mercado selvagem volátil não é visto com frequência e abre oportunidades para se posicionar em nomes de qualidade”, disse ela. 

“Mas ainda se justifica cautela com a probabilidade de que a volatilidade permaneça, visto que várias empresas imobiliárias ainda estão em uma posição de liquidez apertada.”

Fonte: CNBC

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE