O que é um Truste?

O Truste é um método do mercado financeiro quando duas ou mais companhias se juntam para formar uma empresa só que ofereça produtos ou serviços em uma área que seja determinada.

Normalmente o propósito dessa união é gerar lucros ainda maiores, trazendo uma grande parte do mercado.

Através desse método de negócio, as companhias partilham do mesmo planejamento, produção e ação.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Além disso, é sempre bom reforçar que essa fusão entre companhias pode ser realizada formalmente ou informalmente e, geralmente, aumenta sua valuation.

Na fusão formal, vias jurídicas e empresariais legais são usadas para realizar a união. Já na fusão informal, não há acordo estabelecido por órgãos judiciários que estabeleçam a forma de atuação, entre outros critérios, das empresas.

Outro grande ponto de um truste é a possibilidade de o produto ou serviço cair de qualidade. Uma vez que há pouca ou, por vezes, nenhum concorrente, os consumidores não têm alternativas. Então, o que é oferecido no mercado se torna a única solução, mesmo sendo ruim do ponto de vista técnico.

O truste pode ser configurado como uma prática anticoncorrencial, uma vez que “elimina” empresas concorrentes do mesmo setor, transformando-as em uma só.

Apesar de ser uma estratégia típica de mercados capitalistas, ironicamente ela vai contra tal sistema. Pois, ao mesmo tempo que esse modelo econômico preza pelo livre mercado, o truste busca o oligopólio ou mesmo o monopólio.

Tipos de Truste

Normalmente, o truste é dividido em duas categorias:  truste horizontal e truste vertical.

Truste Horizontal: Esse Truste é composto por companhias da mesma área de atuação, que vendem o mesmo tipo de serviços e produtos.

No ano de 2016 o órgão regulador atribuiu diversas regras à união da Sadia e da Perdigão, alegando que a fusão acabaria com as concorrentes de menor porte.

Caso a união fosse concluída, a fusão seria considerada como um truste horizontal. Isso porque ambas as companhias vendem os mesmos produtos alimentícios.

Truste Vertical: Já esse outro tipo de Truste é realizado por companhias com itens fornecidos ou vendidos de modalidade diferente. As áreas de atuação, geralmente, não são as mesmas.

A finalidade desse truste vertical, é adentrar no mercado através da produção e extração de matéria-prima para venda.

Um grande exemplo de truste vertical aquele praticado pela companhia Standard Oil Co., no final do século XIX.

Naquela época, o seu fundador, J. D. Rockefeller, empreendeu a compra de diversas organizações, que extraiam, transportavam e refinavam petróleo.

Com o tempo, sua empreitada o levou a quase completamente dominar o mercado petrolífero dos Estados Unidos.

Esse truste (e os prejuízos causados por ele aos seus concorrentes) foi um dos casos mais famosos a ser julgado e condenado pela Lei Sherman, criada em 1890 e pioneira na luta antitruste.

Diferença entre Truste, Holding, Cartel e Joint Venture

Além do método de truste, no mercado há outros métodos similares a ele, tendo diferenças, incluindo o fato de ser legal ou não.

Cartel: Um cartel é um acordo realizado por ambas companhias sem as formalidades, entre companhias que planejam manter um preço único ou muito similar em determinado mercado de atuação.

Com isso, há uma pressão ao consumidor, que fica preso ao adquirir os produtos e serviços com os valores que os cartéis fixam.

Holding: A holding é uma companhia grande dentro um determinado número de empresas, tendo total controle sobre as subsidiárias.

Sendo assim, as companhias de várias áreas de atuação ou da mesma área podem fazer parte de uma holding. A administração, compra e venda de cotas das companhias do grupo e o controle das decisões dentro delas, é feito pela holding.

Joint Venture: Normalmente o truste forma uma só uma companhia com a união de duas empresas, já a Joint Venture cria uma terceira.

Em outras palavras, as companhias que se fundem mas continuam a existir independentemente, trabalhando em conjunto na sua outra empresa, com finalidades que se complementam. Criando, muitas vezes, um produto ou serviço melhores do que atuando sozinho.