O que são Tomadores?

O Tomador ou Agente Deficitário é aquela pessoa física ou jurídica que atua economicamente como alguém em constante débito, muitas vezes quase insolvente, e com dificuldade para balancear a renda com os gastos.

Para se tornar um tomador basta que o sujeito gaste mais dinheiro do que existe à sua disposição. Por exemplo, a dependência constante do crédito é um sintoma do tomador.

Em termos gerais, o tomador é aquela entidade pessoal ou empresarial que tem um péssimo controle de gastos, seja por razões intrínsecas ou extrínsecas.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Desvantagens do Tomador

Ser considerado um tomador é um péssimo negócio para qualquer pessoa ou empresa. A própria natureza desta condição já prediz uma série de desvantagens.

O fato de o tomador não conseguir balancear o seu orçamento de forma que ele consiga fazer a sua operação se tornar viável e lucrativa é um problema que gera outros:

  • Falta de confiança das pessoas ou instituições credoras;
  • Dificuldade para conseguir mais crédito dessas pessoas ou instituições;
  • Juros muito mais elevados que o normal para remediar a falta de confiança.

Ou seja, uma vez que um indivíduo se torne um tomador, a sua condição financeira desfavorável tem tudo para se tornar uma bola de neve.

Isso acontece, pois, as outras pessoas ou empresas precisam se resguardar da possibilidade de não receberem o dinheiro que elas cederam, pois caso contrário, elas poderiam acabar se tornando tomadores.

Tomadores no Brasil

No Brasil mais de 60% da população se encontra endividada. Ou seja, a maior parte da população pode ser considerada um Agente Deficitário ou Tomador.

É claro que essa estatística engloba pessoas físicas e pessoas jurídicas com diferentes níveis de endividamento, algumas inclusive que preveem essa condição como parte da sua estratégia.

Mas a realidade é que a maioria das pessoas endividadas no Brasil se encontram nesta condição por algumas razões comuns:

Não ajuda em nada o fato de que o Brasil é um país ainda em desenvolvimento com problemas de administração do patrimônio e serviços públicos, seja em nível federal, estadual ou municipal.

O ambiente pouco acolhedor com empresários composto de altos impostos e burocracia é algo que dificulta a vida de quem quer tentar empreender, tornando propício a criação de tomadores advindos de empreendimentos mal estruturados.

Há também pouca disseminação de conteúdo a respeito de responsabilidade financeira no nosso ensino básico escolar, o que corrobora para a criação de uma população pouco preparada para lidar com negócios em geral.

Evite ser um Tomador

É evidente que nem todas as situações envolvendo a vida financeira de uma pessoa ou empresa estão sob controle. Também é necessário contar com fatores externos que mudam completamente as regras do jogo.

Entre estes fatores externos podemos lembrar de:

  • Crises financeiras internacionais;
  • Falência de instituições economicamente interdependentes;
  • Debandada de clientes e/ou renda.

E é por causa de situações como estas que é necessário estar preparado financeiramente. 

Nunca existirá uma condição de total estabilidade financeira, pois tudo depende da ação ou reação de alguma outra coisa. Mas isso não significa que você não possa se planejar e tomar cuidado.

Evitar gastar mais dinheiro do que há disponibilidade para não ser necessário fazer empréstimos é a primeira atitude de alguém que quer evitar se tornar um tomador

E, quando eventualmente um empréstimo for preciso, é fundamental analisar bem as condições deste. Desde a taxa de juros, quantidade de parcelas e valor ofertado. Não aceite qualquer empréstimo por desespero.

E por fim, caso você tenha dinheiro para investir, certifique-se de que os seus investimentos estão bem diversificados, garantindo assim uma maior segurança financeira contra volatilidade do mercado.