O que é Tesouro Prefixado?

Tesouro Prefixado é um título de renda fixa emitido pela Secretaria do Tesouro Nacional, através de seu programa chamado Tesouro Direto. O ativo é caracterizado como um título público federal.

Como o nome do próprio ativo já indica, este possui uma rentabilidade prefixada. Ou seja, determinada no momento em que o título é adquirido pelo investidor, sabendo exatamente o quanto receberá.

Por isso é um investimento bastante indicado para quem busca segurança e baixo risco. Afinal, o ativo não sofre oscilações e nem causa surpresas no seu prazo de resgate.

Quem possui um perfil conservador encontra no Tesouro Prefixado uma ótima oportunidade de aplicar com ganhos acima da média, quando comparado a outros títulos da renda fixa.

No entanto, ele também é bastante indicado para diversificação da carteira de ativos de qualquer tipo de investidor. Pois, tem garantia do Governo e cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Apesar de bastante seguro, o título também possui alguns riscos. Por exemplo, sua rentabilidade pode ser afetada caso seu comprador decida vender o título antes do prazo de vencimento.

Essa opção é mais indicada para ações de longo prazo, ao investir um valor que não possua uma intenção de uso imediato. Assim, sua rentabilidade atrelada ao vencimento não será comprometida.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como Funciona o Tesouro Prefixado?

Assim como os demais títulos do Tesouro Direto, o Tesouro Prefixado funciona como um empréstimo feito por investidores aos cofres públicos. Comprar esse ativo representa emprestar capital ao Governo Federal.

Desse modo, recebendo uma recompensa em forma de juros, prefixados no momento da compra, por sua aquisição. Essa ação funciona de forma semelhante a quando pegamos dinheiro com um banco:

  • O Governo se torna o devedor ao captar recursos por meio de investidores para financiar suas atividades;
  • Enquanto o investidor se torna o credor que empresta seu capital em troca de recebê-lo acrescido de juros na data de vencimento.

Os títulos do Tesouro Prefixado podem ser chamados ainda de Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F) e Letra do Tesouro Nacional (LTN). Apesar disso, representam o mesmo ativo.

Na prática, a diferença entre essas nomenclaturas se dá pela forma como os juros são distribuídos. O NTN-F são títulos prefixados com pagamento de juros semestrais

Ou seja, o investidor recebe rendimentos a cada 6 meses, mas para isso seu ganho no longo prazo diminui. Afinal de contas, o poder dos juros compostos acaba sendo "enfraquecido". 

Já o LTN é o título público onde o retorno acontece por completo em seu vencimento, não sofrendo nenhuma redução na rentabilidade. 

Além de sua taxa de juros prefixada no momento da compra e rentabilidade fixa, essa aplicação é bastante popular por algumas de suas outras vantagens. 

Por exemplo, a recompra garantida pelo Tesouro Direto caso o investidor decida realizar um resgate antecipado. Portanto, é um título que possui além de segurança e estabilidade, uma boa liquidez.

Como Investir no Tesouro Prefixado?

Para investir em um dos tipos de Tesouro Prefixado é muito simples, basta possuir conta em uma corretora de valores. Também é possível investir por meio de instituições bancárias.

Ou até mesmo, diretamente pelo site ou app do Tesouro Direto. Bastante acessível, este ativo possui títulos com valores a partir de cerca de 30,00 reais e é possível comprar:

  • Título por inteiro;
  • Fração do título.

Isso faz com que o título seja bastante indicado também para investidores iniciantes que possuem baixo orçamento mas querem aprender a investir e começar a construir seu patrimônio.

Mas, antes de aplicar seu capital no Tesouro Prefixado é importante conhecer e analisar mais alguns pontos sobre este título, que iremos mostrar a seguir.

Custos

Este ativo segue as tributações comuns a todos aqueles da renda fixa na qual deve-se recolher o Imposto de Renda incidente apenas sobre sua rentabilidade, sua alíquota. 

A alíquota está sujeita ainda a uma tabela regressiva de tributação, sendo reduzida de acordo com o tempo de investimento. Além disso, o Tesouro Prefixado conta com taxas como: 

  • Custódia e de Administração, em alguns casos, da instituição financeira intermediária;
  • Custódia cobrada pela B3 (Bolsa de Valores).

Riscos

Apesar de ser garantido pelo Governo Federal e possuir cobertura do FGC, o Tesouro Prefixado oferece riscos assim como qualquer título. 

Para esse ativo o maior risco é o da desvalorização frente a inflação. Isso porque com sua rentabilidade prefixada, seu retorno não varia de acordo com os índices econômicos.

Na hora de resgatá-lo no vencimento, seus retornos reais podem ser considerados então negativos. Outros de seus riscos são aqueles de:

  • Mercado: quando liquidado antes do prazo, o ativo pode ser comprado por um preço diferente de quando foi adquirido pelo investidor;
  • Crédito: ou inadimplência, que acontece quando o devedor não assume sua dívida, mas sendo um risco baixíssimo já que o Governo sempre tem a opção de emitir mais moeda e pagar suas dívidas.

Caso ainda tenha alguma dúvida sobre o que é Tesouro Prefixado, consulte o artigo completo sobre Tesouro Direto Prefixado.