O que é Taxa Livre de Risco?

Taxa Livre de Risco é um termo do mercado financeiro que diz respeito ao menor “valor” que pode-se tomar como certo quando o assunto é a rentabilidade de uma aplicação. 

Ou seja, essa taxa representa o menor retorno que um investidor pode esperar de uma aplicação de baixo risco. Logo, sendo entendida como uma taxa de retorno livre de risco.

Em geral, essa taxa acompanha os juros do país. Afinal, como o Governo é o devedor com a menor possibilidade de não pagar suas dívidas, ele é usado como parâmetro.

Além disso, a taxa é bastante utilizada em Modelos de Precificação de Ativos (CAPM). Devido a sua capacidade de mensurar em empreendimentos, a relação entre: 

  • Retornos;
  • Riscos.

Mas, a taxa livre de riscos necessita de taxas isentas de perdas para que se possa ser calculada. Outra funcionalidade sua é servir como norte em avaliações de riscos de investimentos.

Por meio dela encontra-se o custo de oportunidade que o investidor não ganha ao aplicar seu capital em outro investimento. 

A avaliação da viabilidade financeira de diferentes investimentos também pode ser mensurada a partir dessa taxa. O que faz dela uma ferramenta a ser estudada e entendida pelos mais diversos investidores.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como Funciona a Taxa Livre de Risco?

A forma como a taxa livre de risco funciona está diretamente relacionada à tolerância a riscos dos diferentes tipos de perfil de investidor que existem.

Isso porque, no mercado financeiro, quanto mais arriscada forem suas escolhas, maiores serão suas chances de retorno. Do mesmo modo que, quanto menos você arriscar, menos retorno você terá.

Então, quando se fala de um investimento que é livre de risco, subentende-se que sua taxa de retorno será bastante baixa.

Com isso surge a questão de qual o nível mínimo de retorno que uma pessoa aceita para que sua aplicação não tenha riscos. É através disso que essa taxa funciona.

Ou seja, ela é usada para determinar uma resposta a essa questão, considerando dois fatores importantíssimos:

  1. Não existe nenhum tipo de ativo que seja totalmente livre de riscos;
  2. O nível mínimo de retorno varia com o perfil de cada investidor.

A importância do perfil na aplicação dessa taxa se dá pelo fato de que um investidor arrojado tem maior tolerância aos riscos. Enquanto os conservadores, possuem baixa tolerância. 

Então, o nível mínimo de retorno esperado e garantido é diferente para cada um. Além disso, por mais que um conservador queira minimizar seus riscos, ele nunca vai conseguir zerá-lo.

No Brasil, investimentos que acompanham a taxa básica de juros, a Selic, costumam ser utilizados como referencial dessa para a taxa livre de risco. Como, por exemplo, o Tesouro Selic.

Apesar de oferecer um baixo retorno, sua remuneração pode ser mais atrativa quando comparada a outros títulos em renda fixa. Enquanto consegue manter seu risco bem reduzido.

Qual a Importância e Como Escolher uma Taxa Livre de Risco?

A taxa livre de risco é importante ao investir, pois ela é uma ferramenta de análise da relação entre riscos e retorno. Ou seja, ela influencia na tomada de decisões.

Isso acontece porque ela possibilita ao investidor uma escolha com segurança. Pois, aponta o menor rendimento possível que um ativo oferece em relação ao risco que se dispõe a assumir.

Desse ponto em diante a decisão do investidor será baseada em informações adequadas ao seu perfil. Mas, para analisar a relação de riscos e retorno, é preciso considerar duas coisas:

  1. Fator geográfico: uma taxa de análise econômica de um mesmo tipo de projeto modifica de acordo com o local onde ele será realizado.  Pois, a economia de cada país possui um risco diferente;
  2. Fator temporal: é determinado pela duração do negócio, em geral, tendo maiores riscos aqueles que possuem um prazo maior e que são marcados pelas incertezas econômicas do longo prazo.

O fator geográfico é facilmente explicado ao compararmos o Brasil com os Estados Unidos. A primeira economia oferece mais riscos, enquanto a segunda que é mais estável oferece menos.

Por outro lado, o fator temporal é um risco que se modifica proporcionalmente com o passar do tempo. Assim, é comum utilizar diferentes taxas livres de risco para analisar um ativo.