O que é Taxa DI?

A taxa DI, conhecida ainda como taxa CDI, é um referencial econômico importante para diversos investimentos. Pois, essa taxa de juros influencia aplicações em termos de:

Isso quer dizer que certos investimentos o utilizam como referência na hora de determinar suas características financeiras. O que acontece porque ela acompanha a Selic, taxa básica de juros, diariamente.

Os principais investimentos que utilizam essa taxa são aqueles de renda fixa e alguns fundos. Ela também é conhecida como taxa CDI pois está associada diretamente ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Portanto, seu acrônimo significa também Depósito Interbancário. Sendo uma taxa determinada pela soma dos empréstimos interbancários realizados diariamente, o que permite aos bancos fechar o caixa em positivo. 

Esses empréstimos são caracterizados como transações lastreadas em títulos públicos. Desse modo, o índice gerado por eles ao fim do dia precisa estar próximo à taxa Selic.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Diferenças entre DI, CDI e Selic

Para entender melhor o que é taxa DI, é preciso pontuar qual a diferença entre cada um dos termos mencionados acima, a fim de remover quaisquer dúvidas.

O CDI é um certificado de depósitos realizados entre bancos, ou seja, interbancários. Um certificado que discorre sobre uma operação específica: os empréstimos, realizados dentro de um mesmo grupo financeiro.

Enquanto o DI é o termo que refere-se a média ponderada entre os depósitos interbancários realizados diariamente. Como dito antes, eles estão diretamente associados.

A Selic, por sua vez,  é a taxa básica de juros brasileira, obtida através da média ajustada de operações financeiras, como empréstimos e financiamentos, também realizados diariamente. 

Sua média é apurada pelo Sistema Especial de Liquidação e de Custódia. Por isso, ela serve como referencial de base para determinação de juros bancários, incluindo os juros CDI.

Isso quer dizer que a taxa DI também acompanha as mudanças econômicas dos juros no país. O que faz com que apesar de serem diferentes, todos esses conceitos se conectem.

Como Funciona a Taxa DI?

A taxa DI funciona como benchmark para os investimentos de renda fixa, como o CDB (Certificado de Depósito Bancário). Bem como, para alguns fundos de investimentos. 

Por acompanhar de perto a Selic, isso faz dele ainda um indicador de desempenho para aplicações financeiras. Na prática, a taxa é uma média dos juros cobrados em empréstimos interbancários.

A média surge através de uma metodologia de apuração dividida em duas etapas, sendo elas: 

  1. Seleção de operações válidas e elegíveis ao cálculo, de acordo com os critérios da CETIP (Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos Privados);
  2. Tratamento de outliers, ou seja, valores atípicos que se distinguem dos demais.

Para ser considerado elegível, segundo os critérios da CETIP, os empréstimos devem ter prazo de um dia útil e serem feitos entre instituições extra-grupo. Além de possuírem taxas de juros prefixadas.

Desde o dia 01/01/2018, segundo a B3 (Bolsa de Valores), a metodologia de apuração da taxa DI também se baseia na observação, ou na falta, das seguintes condições:

  1. O número de operações elegíveis para o cálculo da Taxa DI foi igual ou superior a 100 (cem); 
  2. O somatório dos volumes das operações elegíveis para o cálculo da Taxa DI foi igual ou superior a R $30 (trinta) bilhões.

Dessa forma, se na data de apuração uma das condições acima não for percebida, a taxa DI terá valor igual a taxa Selic Over divulgada no mesmo dia. 

Para que Serve a Taxa DI?

Não existe apenas um, mas sim, diversos meios nos quais a taxa DI pode ser utilizada dentro do mercado financeiro. Contudo, um de seus principais usos é como indicador de desempenho.

Isso porque a taxa serve para medir o desempenho de diversas aplicações financeiras, avaliando os rendimentos especialmente da renda fixa. 

Ou seja, ao comparar qual a rentabilidade que um investimento alcançou, em relação ao DI. Com isso, o investidor consegue ter uma visão mais clara do quanto aquele título rendeu.

Como a taxa DI vem da média ponderada das taxas aplicadas nos CDIs, ela acaba sendo usada ainda como uma taxa livre de risco

Um indicador mínimo de rentabilidade que corresponde a uma taxa de juros nacional e possui a finalidade de reduzir os riscos de perdas. 

Outra forma de usar essa taxa é como referencial comparativo da rentabilidade de diferentes aplicações. Com o objetivo de comparar quanto cada um deles rendeu em relação a taxa. 

É possível aplicá-la ainda, como custo de oportunidade ou em avaliações de riscos. Ou seja, quando o investidor precisa estudar a viabilidade financeira de um determinado investimento. 

Portanto, a taxa DI se mostra importante de inúmeras formas dentro do mercado financeiro, seja na renda fixa ou na renda variável.