O que é Taxa de Juros Nominal?

A taxa de juros nominal diz respeito à taxa que está presente nos contratos de empréstimos, aplicações financeiras e/ou financiamentos. Portanto, os juros nominais expressam o rendimento bruto da aplicação.

Antes de continuarmos a análise sobre a taxa de juros nominal, devemos, brevemente, relembrar ao leitor o que significa taxa de juros.

A taxa de juros pode ser entendida como um prêmio, ou melhor, uma remuneração para quem realiza um investimento ou disponibiliza um empréstimo, por exemplo.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

O entendimento do juro deve ser feito analisando a relação do dinheiro no tempo, ou seja, é uma compensação pelo período de tempo que o dinheiro ficou investido ou emprestado.

Vale dizer que, devido à presença da inflação, esta taxa pode não significar a taxa real de rentabilidade dos investimentos.

Neste caso, a inflação faz com que ocorra uma redução na rentabilidade do investimento, fazendo com que se torne menor do que a rentabilidade nominal.

O investidor deve tomar certo cuidado com relação a suas aplicações pelo fato dos juros nominais e a taxa de inflação raramente serem indicadas em destaque.

Pelo fato dos juros nominais apresentarem maiores taxas, o investidor pode cair na ilusão de ter obtido uma rentabilidade maior do que realmente ocorreu.

Tal fato faz com que se torne muito importante conhecer o modelo de cálculo dos juros nominais antes de realizar qualquer investimento.

Na sequência apresentaremos como é obtido o cálculo da taxa de juros nominal e, por fim, as relações e diferenças entre juros reais e nominais.

Cálculo dos Juros Nominais

Para obter esse cálculo é importante entender o comportamento da inflação e da taxa de juros real.

A precificação dos produtos envolve uma série de fatores econômicos. Não é novidade para ninguém que quanto mais alta for à inflação menor será o poder de compra dos consumidores.

Tendo em vista que a inflação causa uma deterioração em parte do patrimônio do investidor, ressaltamos que o restante dos juros, ou seja, a parte que não foi corroída consistem nos juros reais.

Portanto, o juro nominal representa a soma dos juros reais com a inflação do período.

Pelo fato de geralmente estar em destaque nos contratos, tendemos a dizer que são os juros nominais que servem de alicerce para o cálculo dos juros reais.

Relações e Diferenças Entre Juros Nominal e Real

Ainda ocorre muita confusão perante os investidores no que se refere aos juros de uma aplicação, bem como o real valor que uma aplicação alcançou de rendimento.

Basicamente, o real valor que um investidor lucrou, em certo período de tempo, devido a uma aplicação financeira, representa os juros reais.

Tanto a taxa de juros real quanto a nominal estão intimamente ligadas, ficando evidente pelo fato de ser necessário levar em consideração a última, para calcular a taxa real.

Outro fator que deve ser levado em consideração, e é fundamental para o cálculo das taxas, é o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), ou seja, a inflação acumulada no período.

O IPCA é composto por uma cesta média de produtos que, uma vez estabelecida, tem a função de medir, ao longo do tempo, sua oscilação de preço.

Dito isto, explicaremos a relação entre a taxa de juros nominal, taxa de juros real e a taxa de inflação.

Quando a taxa de inflação é superior à taxa nominal, a taxa real será menor que zero, ou seja, o investidor terá um rendimento real negativo.

Tal fato significa que o poder de compra do investidor caiu entre o período de aplicação de seus recursos e o recebimento do montante (aplicação inicial acrescida de juros) referente a tal investimento.

Em uma situação inversa, onde a taxa de inflação se encontra abaixo da taxa nominal, a taxa real será positiva, ou seja, o rendimento real da aplicação será positivo.

Devemos dizer, também, que caso a inflação no período seja igual a zero, o ganho nominal será igual ao ganho real.

Em casos onde a taxa de inflação se encontra negativa, o ganho real se torna superior ao ganho nominal, aumentando o poder de compra com relação ao indicado pela taxa de juros nominal.

Contudo, esses dois últimos casos não são comuns e nunca ocorreram no Brasil.