O que é Taxa de Custódia?

Taxa de custódia é a denominação dada às taxas cobradas pelas instituições que oferecem serviços de custódia sobre diversos tipos de investimentos.

Ou seja, é uma tarifa paga pelo investidor a uma instituição responsável por fazer o registro de seu investimento. O valor pago pelo investidor serve para manter seus investimentos naquela instituição.

Para evitar qualquer tipo de problema em suas aplicações, o investidor deve pagar a taxa de custódia para cada instituição.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

É muito comum que essa cobrança incida sobre ações e títulos públicos como, por exemplo, o tesouro direto, contudo, vale ressaltar, que esse valor pode ser cobrado sobre diversos outros tipos de investimentos.

Sua cobrança pode ser feita no instante da aplicação, no momento do resgate, ou até mesmo durante o período da aplicação.

Diferentemente de outros tipos de taxa, a taxa de custódia, para ser descontada, não depende do desempenho do investimento.

Ou seja, existe uma taxa fixa anual que incide sobre os valores que são aplicados na corretora.

Portanto, independente do investidor ter obtido lucro ou prejuízo com suas aplicações, ele deverá arcar com o valor dessa taxa.

Vale dizer, também, que nenhuma instituição financeira possui poder sobre a taxa de custódia.

Tal fato faz com que essas instituições não possam isentar o investidor de efetuar o pagamento, assim como pode ocorrer com a taxa de administração, por exemplo.

Na sequência, para melhor compreensão sobre o tema, explicaremos com mais clareza o que é a custódia e como a taxa é cobrada.

Surgimento do termo Custódia

Há algum tempo atrás, no período inicial das atividades financeiras, o processo de empréstimos de valores era muito imperfeito.

Com o decorrer do tempo e o surgimento de novos métodos no mundo dos investimentos, a prática de carregar documentos para atualizar um investimento tornou- se, de certa forma, defasada.

Dito isto, as instituições custodiantes surgiram justamente para realizar a guarda dos títulos. Essas instituições atuam como um depósito de ativos, tendo a responsabilidade pela custódia dos títulos.

Outra função referente a essa instituição diz respeito à responsabilidade de conservar os títulos físicos e digitais, bem como assegurar as operações no âmbito interno e externo.

Como podemos perceber, a taxa de custódia existe para arcar com os custos e despesas dessas instituições, dentre eles: salários dos profissionais, despesas operacionais, entre outros.

Podemos citar, no Brasil, três companhias custodiantes que são tidas como as mais importantes do país, são elas:

Como ocorre a cobrança da Taxa de Custódia?

É muito importante para todo investidor ter o conhecimento referente às diversas taxas que podem recair sobre seus investimentos, bem como a taxa de custódia.

Para ficar mais clara a compreensão, apresentaremos a forma que é feita a cobrança dessa taxa.

É necessário ressaltar que existe uma taxa percentual anual que compõe a taxa de custódia. Essa taxa anual incide sobre as aplicações realizadas pelo operador. Tomemos o seguinte exemplo:

Um investimento de R$ 100.000,00, cuja taxa corresponde a 0,2%, significa que a cobrança será de R$ 200,00.

Neste momento o leitor deve estar se perguntando: mas quando essa taxa é cobrada? Pois bem, a taxa de custódia pode ser cobrada anualmente ou mensalmente

Como já dissemos, o valor cobrado pode ocorrer no período da aplicação ou no momento do resgate.

Contudo, não existe uma regra para essas cobranças, podendo cada instituição definir respeitando certos limites.

Já, no caso do Tesouro Nacional, ocorre a existência de uma regra, sendo essa taxa paga semestralmente – no primeiro dia útil de janeiro e no primeiro dia útil de julho.