O que é um Swap?

Um swap é um contrato derivativo por meio do qual duas partes trocam os fluxos de caixa ou passivos de dois instrumentos financeiros diferentes.

A maioria dos swaps envolve fluxos de caixa com base em um valor principal nocional, como um empréstimo ou título, embora o instrumento possa ser quase qualquer coisa.

Normalmente, o diretor não muda de mãos. Cada fluxo de caixa compreende uma perna do swap. Um fluxo de caixa é geralmente fixo, enquanto o outro é variável e baseado em uma taxa de juros de referência, taxa de câmbio flutuante ou índice de preços.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

O tipo mais comum de swap é um swap de taxa de juros. Os swaps não são negociados em bolsas e os investidores de varejo geralmente não se envolvem em swaps.

Em vez disso, os swaps são contratos de balcão (OTC) principalmente entre empresas ou instituições financeiras que são customizados para as necessidades de ambas as partes.

Como funcionam os Swaps?

Um swap financeiro é um contrato derivado em que uma parte troca ou "troca" os fluxos de caixa ou o valor de um ativo por outro.

Por exemplo, uma empresa que paga uma taxa de juros variável pode trocar seus pagamentos de juros com outra empresa que, então, pagará à primeira empresa uma taxa fixa.

Os swaps também podem ser usados ​​para trocar outros tipos de valor ou risco, como o potencial de inadimplência de um título.

Um swap é um acordo entre duas partes para trocar sequências de fluxos de caixa por um determinado período de tempo.

Normalmente, no momento em que o contrato é iniciado, pelo menos uma dessas séries de fluxos de caixa é determinada por uma variável aleatória ou incerta, como uma taxa de juros, taxa de câmbio, preço de ações ou preço de commodity.

Conceitualmente, pode-se ver um swap como uma carteira de contratos a termo ou como uma posição comprada em um título associada a uma posição vendida em outro título.

As motivações para o uso de contratos de swap caem em duas categorias básicas: necessidades comerciais e vantagem comparativa.

As operações normais de negócios de algumas empresas levam a certos tipos de exposição a taxas de juros ou moedas que os swaps podem aliviar.

Por exemplo, considere um banco, que paga uma taxa flutuante de juros sobre os depósitos (por exemplo, passivos) e ganha uma taxa fixa de juros sobre os empréstimos (por exemplo, ativos).

Essa incompatibilidade entre ativos e passivos pode causar enormes dificuldades.

O banco poderia usar um swap de pagamento fixo (pagar uma taxa fixa e receber uma taxa flutuante) para converter seus ativos de taxa fixa em ativos de taxa flutuante, o que combinaria bem com seus passivos de taxa flutuante.

Algumas empresas têm uma vantagem comparativa na obtenção de certos tipos de financiamento.

No entanto, essa vantagem comparativa pode não ser para o tipo de financiamento desejado.

Nesse caso, a empresa pode adquirir o financiamento para o qual possui vantagem comparativa e, em seguida, utilizar um swap para convertê-lo no tipo de financiamento desejado.

O mercado de Swaps

Ao contrário da maioria das opções padronizadas e contratos futuros, os swaps não são instrumentos negociados em bolsa.

Em vez disso, os swaps são contratos personalizados que são negociados no mercado de balcão (OTC) entre partes privadas.

As empresas e instituições financeiras dominam o mercado de swaps, com poucos (se houver) indivíduos participando.

Uma vez que os swaps ocorrem no mercado OTC, existe sempre o risco de uma contraparte entrar em default no swap.